Tite acaba com rodízio e escolhe Neymar como capitão da seleção

CBF anuncia amistosos contra a Arábia Saudita e Argentina em outubro

Neymar durante a derrota do Brasil para a Bélgica na Copa do Mundo da Rússia
Neymar durante a derrota do Brasil para a Bélgica na Copa do Mundo da Rússia - John Sibley - 6.jul.18/Reuters
Danielle Brant
Nova York

O técnico Tite decidiu acabar com o rodízio de capitães e escolheu o atacante Neymar para portar a faixa nos jogos da seleção. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (6), um dia antes do amistoso contra os Estados Unidos, em Nova Jersey.

A CBF anunciou ainda amistosos contra a Arábia Saudita e Argentina em outubro, nos dias 12 e 16, respectivamente. As partidas serão disputadas nas cidades sauditas de Riad e Jidá. Para os jogos, o técnico Tite não convocará jogadores de times classificados para a final da Copa do Brasil.

O gesto do técnico de escolher Neymar como capitão é um aceno à estrela do time, muito criticado após a eliminação na Coa do Mundo da Rússia. É uma forma também de demonstrar a confiança que o treinador tem no jogador, que recebe a braçadeira pela segunda vez na era Tite —a primeira foi na partida contra o Paraguai pelas eliminatórias da Copa de 2018.

“Para mim, é um grande prazer e uma grande honra ser nomeado capitão. Vou fazer tudo para exercer essa função como deve ser”, afirmou Neymar, que estreou pela seleção no MetLife, em 2010, em jogo contra a seleção americana.

O atacante falou ainda da pressão sofrida nos últimos anos e disse estar preparado para as críticas.

“Dificilmente alguém vai passar por algo que passei, por todos esses anos, o momento de pressão. Fui alvo de críticas e coisas ruins, e não me senti bem naquele momento para falar. Quando eu não estou bem para falar, prefiro ficar calado.”

Neymar também rebateu a fama de cai-cai. “Eu pego a bola 10 vezes, em 11 delas eu vou para cima do adversário. Sou mais rápido, mais leve, e, às vezes, sofro as faltas. Eles não vão deixar eu passar sem tomar uma porradinha. Não posso falar: com licença, deixa eu passar”, brincou.

Ele ressaltou que pretende reconquistar os torcedores jogando melhor. “Não adianta ter a braçadeira e não jogar futebol. Peço desculpa aos torcedores, perder é muito ruim”, afirmou.

Ele afirmou que prefere dar a resposta aos críticos em campo. “Não importa se eu sou o capitão. Eu resolvi aceitar novamente porque aprendi muitas coisas e vou aprender muito mais, e essa responsabilidade vai fazer bem para mim”, ressaltou.

Para Tite, Neymar é uma liderança técnica no time. “O tempo passa, as pessoas crescem, amadurecem, e todos nós somos seres humanos. A gente evolui”, afirmou o treinador, que ressaltou que o atacante sabe absorver erros e críticas.

“Ele é um líder técnico, cai em cima dele muita coisa. Todos nós sabemos que a responsabilidade é diluída [entre os outros jogadores]”, indicou. “É uma comunicação para que os torcedores vejam esse lado bonito dele.”

Neymar falou ainda sobre a partida desta sexta contra a seleção americana e sobre a Copa América, realizada no Brasil em 2019. “Nosso jogo começou há três dias, não vai começar amanhã. Daqui a quatro anos a gente não sabe quem vai estar. Temos que pensar no agora”, disse. “Vamos encarar a Copa América como se fosse a Copa do Mundo. Não temos que pensar na Copa América, temos que pensar no agora.”

O time que enfrenta os EUA nesta sexta-feira (7), às 21h05 (Globo e SporTV), deve iniciar com Alisson no gol, Thiago Silva e Marquinhos na zaga, Fabinho na lateral direita, Filipe Luís na esquerda, Casemiro, Fred e Philippe Coutinho no meio de campo e  Douglas Costa, Neymar e Roberto Firmino no ataque.

Fabinho é o único deles que não esteve na Copa. Ele substituiu o lateral direito Fagner (Corinthians), cortado após sofrer uma lesão. Marquinhos aparece no lugar do zagueiro Miranda. O defensor do PSG foi titular em todos os jogos das eliminatórias, mas perdeu a posição para Thiago Silva no Mundial.

No meio campo, Fred substitui Paulinho. Firmino ganhou a vaga que era de Gabriel Jesus, que foi bastante contestado na Copa e não foi convocado por Tite para os amistosos nos EUA.

No ataque, Douglas Costa substitui Willian como titular. O atacante começou a ser cogitado para o time principal depois do jogo contra a Costa Rica pelo Mundial, mas ficou de fora por uma lesão muscular.

Voltou só no segundo tempo da fatídica disputa contra a Bélgica, mas foi um dos que tiveram atuação elogiada.

É o primeiro jogo do Brasil desde a derrota para a Bélgica por 2 a 0 pelas quartas-de-final da Copa do Mundo da Rússia. A seleção também enfrenta El Salvador no próximo dia 11, em partida que será realizada em Washington.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.