Nova Copa Davis 'resgata' Brasil e dá boa chance ao país de figurar na elite

Confronto contra a Bélgica em Minas Gerais vale vaga na inédita fase final do torneio

Daniel E. de Castro
São Paulo

Após ser derrotado pela Colômbia no ano passado, o time brasileiro da Copa Davis, tradicional competição de tênis entre países, estava distante do grupo de elite do torneio e só poderia voltar a ele em 2020.

Um conjunto de fatores, porém, mudou a situação e deixou o país com boas chances de se classificar à fase final, novidade deste ano que será disputada em Madri, de 18 a 24 de novembro.

Para chegar lá, precisa derrotar a Bélgica em confronto a partir das 16h desta sexta (1º), em uma quadra de saibro coberta montada no ginásio Sabiazinho, em Uberlândia (MG). A Bandsports transmite.

A oportunidade é consequência da mudança no formato da Copa Davis, agora disputada em duas etapas.

Primeiro, 24 países se enfrentam em uma fase eliminatória. Os 12 vencedores se juntam a quatro já classificados (França, Croácia, EUA e Espanha) e mais dois convidados para a fase final (Argentina e Grã-Bretanha).

Até o ano passado, 16 países disputavam o grupo mundial, apenas com confrontos de mata-mata, em três etapas antes da decisão.

Quem não estava na elite fazia confrontos continentais e tinha a chance de ser promovido ao grupo principal apenas no ano seguinte.

O sorteio, que colocou a Bélgica no caminho dos brasileiros, também foi favorável. Apesar de os europeus terem sido vice-campeões em 2015 e 2017, a equipe convocada para o confronto em Minas Gerais está desfalcada de seus principais jogadores.

David Goffin, 21º colocado do ranking, preferiu ficar na Europa se preparando para uma sequência de torneios. O segundo melhor tenista belga da atualidade, Ruben Bemelmans (132º), também não foi convocado. Assim, Kimmer Coppejans (195º) e Arthur De Greef (202º) serão os rivais nos jogos de simples.

Mesmo sem nenhum representante no top 100, o Brasil leva vantagem, com Thiago Monteiro (106º) e Rogério Dutra Silva (135º). Ambos começaram bem 2019 e conquistaram títulos de nível challenger em janeiro. Monteiro vem embalado pela conquista no Uruguai na última semana.

Bruno Soares (à frente) e Marcelo Melo treinam para o confronto da Copa Davis contra a Bélgica em Uberlândia
Bruno Soares (à frente) e Marcelo Melo treinam para o confronto da Copa Davis contra a Bélgica em Uberlândia - Luiz Cândido/CBT/Divulgação

Nas duplas, o país voltará a contar com seus dois melhores atletas. Bruno Soares, ausente da Davis em 2018 por causa do nascimento da sua filha, volta para formar parceria com Marcelo Melo, recém-recuperado de uma lesão nas costas que o tirou do Australian Open.

"Analisando friamente, de todas as possibilidades [o duelo com a Bélgica] realmente é um dos confrontos em que teríamos mais chances. Vai ser muito especial poder levar o Brasil à fase final. É um evento totalmente novo, e acho muito legal ter a bandeira do Brasil entre as maiores do mundo", afirma Bruno Soares.

Seu retrospecto nos jogos de dupla da Davis é de 14 vitórias e 3 derrotas. Melo registra 17 triunfos e 4 reveses.

"A gente sabe que o ponto da dupla é sempre muito importante para a equipe. Estou bem empolgado de voltar a representar nossas cores e voltar a jogar ao lado do Marcelo", disse. Os mineiros não atuam juntos desde setembro de 2017.

Outra novidade da equipe brasileira é Thiago Wild, 18, que está em seu primeiro ano de profissional e foi convocado como reserva.

Apesar do favoritismo neste fim de semana, os brasileiros nunca venceram os belgas nos três confrontos que já disputaram na Davis (1960, 1993 e 2016).

A ordem dos confrontos foi divulgada nesta quinta (31). Serão dois jogos de simples na sexta. No sábado, o confronto de duplas está marcado para 14h, seguido de mais dois de simples, se necessário.

Os ingressos estão à venda no site ingressonacional.com.br e custam a partir de R$ 174 para os dois dias.

Brasil x Bélgica

Sexta (1º)

16h Thiago Monteiro x Arthur De Greef
Em seguida - Rogério Dutra Silva x Kimmer Coppejans

Sábado (2)

14h Marcelo Melo/Bruno Soares x Sander Gille/Joran Vliegen
Em seguida (se necessário) - Thiago Monteiro x Kimmer Coppejans
Em seguida (se necessário) - Rogério Dutra Silva x Arthur De Greef

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.