Descrição de chapéu The New York Times

Como a defesa sustentou reinado dos Patriots no Super Bowl

Vitória sobre o Los Angeles Rams garantiu sexto título da equipe

Tom Brady, do New England Patriots, comemora o título do Super Bowl
Tom Brady, do New England Patriots, comemora o título do Super Bowl - Mike Segar/Reuters
Bill Pennington

Depois da primeira sequência de jogadas no Super Bowl de domingo (3), que terminou com uma interceptação, o quarterback do New England Patriots, Tom Brady, fez um gesto raivoso com o braço, e jogou seu capacete pela linha lateral.

Por trás dele, o treinador Bill Bellichick estava gritando na direção de dois assistentes, que preferiram olhar na direção oposta.

Em campo, Dont'a Hightower, linebacker do Patriots, deixou uma quase interceptação escapar entre seus dedos.

Brady retornou para a próxima série ofensiva do Patriots no primeiro quarto e rapidamente conduziu o time a uma posição favorável, mas Stephen Gostkowski chutou e perdeu um field goal, em seu primeiro chute errado em cinco partidas. Assistindo ao lance, de perto do banco de seu time, Brady se virou, amarrotou as faixas protetoras que tinha nas mãos e as jogou no chão.

O Patriots estava tendo um de seus desempenhos mais feios entre os nove Super Bowls que já disputou na era Bellichick, e isso inclui os três jogos que o time perdeu. Sim, o Los Angeles Rams estava caindo aos pedaços em campo, e parecia determinado a entregar o jogo. Mas o Patriots não conseguiu abrir vantagem sobre os adversários confusos e indecisos. E o empate persistiu até o quarto período.

Mas então, como em tantas ocasiões no passado, no momento decisivo Brady e o Patriots redescobriram o brilho que lhes valeu cinto vitórias em Super Bowls. O ataque, que vinha parecendo fora de sincronia, reencontrou seu jogo e produziu uma série brilhante de jogadas que resultou em touchdown.

Foi um lampejo da eficiência assassina do time. Nomes muito conhecidos. Edelman. Gronkowski. Sony Michel. E a defesa do Patriots, que não esteve nem mesmo entre as 16 melhores na temporada regular, de alguma forma conseguiu impedir que o segundo melhor ataque da liga marcasse um touchdown.

Segundos antes do apito final e de uma última jogada, que já era simbólica, os jogadores do Patriot começaram a se abraçar em campo. Segundos mais tarde veio a chuva de confetes: o time venceu por 13 a 3.

Os problemas dos três primeiros quartos foram esquecidos - uma lembrança intrigante, mas já sem consequências.

"Foi duro", disse Brady em campo, ao final do jogo. "Não conseguíamos fazer uma jogada decisiva. Não conseguíamos ficar em campo nas terceiras descidas. Foi um jogo assim, estranho. Fizemos muita coisa certo, mas nada disso importou até o último período".

O jogo foi como que um microcosmo da temporada do Patriots. O time começou a temporada com uma vitória e duas derrotas, se recuperou e depois passou por uma nova crise. Mas chegou aos playoffs e coroou a campanha com seu sexto título no Super Bowl, e agora está empatado com o Pittsburgh Steelers como maior vencedor de Super Bowls. E o fez superando três dos melhores times da liga —o Los Angeles Chargers, o Kansas City Chiefs e o Rams, que não conseguiram resolver o desafio da defesa sempre mutável do Patriots.

O Patriots posicionou seus safeties bem recuados pela maior parte do jogo, mas mudava os cornerbacks de posição constantemente, com marcação próxima sobre os recebedores do Rams em uma jogada e distância maior na seguinte. E a pressão sobre o quarterback do Rams, Jared Goff, foi implacável por boa parte da noite.

"Tivemos de batalhar muito por essa vitória, semana após semana", disse Brady. "Tivemos jogos duros contra o Chargers e em Kansas City, e obviamente hoje à noite, quando tivemos dificuldades para encontrar nosso ritmo".

"Mas mesmo assim, mais um título. Cara, é bem inacreditável".

O tom da partida —caótica, confusa, tediosa— ficou evidente desde o começo. O Patriots tinha problemas, mas o ataque  do Rams parecia completamente apático (eles só conseguiram dois first downs no primeiro tempo).

O Patriots conseguia avançar mais pelo campo, mas sem marcar pontos.

Um jogador do Patriots teve uma partida espetacular: o wide receiver Julian Edelman, que fez dez recepções e conquistou 141 jardas, e foi escolhido como MVP (melhor jogador) do Super Bowl. Só no primeiro tempo, ele recebeu seis bolas que resultaram em primeiras descidas, entre as quais uma recepção de 25 jardas que posicionou a bola para um field goal de 42 jardas de Gostkowski, que deu ao Patriots uma liderança por 3 a 0 que persistiu até o intervalo. O Rams conseguiu o empate com um field goal no terceiro período.

A campanha decisiva da partida começou com o Patriots recebendo a bola quando faltavam 8min50s para o fim do quarto período. A primeira jogada da campanha foi um belo passe de Brady, que arremessou a bola por sobre a cabeça de um defensor e encontrou o tight end Rob Gronkowski livre para um avanço de 18 jardas pela ala.

Dois outros passes completos de Brady levaram a plateia do Mercedes Bens Stadium a gritar seu nome.

Na jogada seguinte, Brady se acomodou dentro do pocket, por trás da proteção quase impecável que recebeu durante todo o jogo, e lançou a bola com uma espiral perfeita, por sobre as cabeças de dois defensores do Rams que estavam perseguindo Gronkowski, um jogador de 1,98 metro de altura e 123 quilos, sem muita esperança de barrá-lo.

Gronkowski enfrentou problemas físicos pela maior parte da temporada, às vezes mancando de um jeito quase cômico, e está estudando seriamente se aposentar. Mas depois de duas semanas de repouso para aliviar suas lesões nas pernas e cotovelos, ele parecia rejuvenescido. A recepção de 26 jardas que ele conseguiu depois do passe de Brady colocou o Patriots a duas jardas de um touch down.

No huddle, antes da jogada, Edelman tinha olhado para Gronkowski e dito: "Precisamos de mais uma jogada sua, bro, precisamos de uma grande jogada".

Gronkowski disse: "Ele estava fazendo todas as jogadas. Era minha vez".

Na jogada seguinte, Michel carregou a bola para a end zone para dar uma vantagem de 10 a 3 ao Patriots. Um field goal tardio de Gostkowski selou o resultado.

O Patriots, apesar dos erros e das frustrações que o time sofreu pela maior parte do jogo, havia encontrado o caminho para um novo título - como já fez tantas outras vezes.

"Não sei o que estava acontecendo lá, por um bom tempo. Foi estranho", disse Brady. "Mas sei que agora não importa mais."

Tom Brady beija Gisele Bündchen, sua esposa, após a vitória no Super Bowl, em Atlanta - Kevin C. Cox/AFP

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.