Descrição de chapéu Agora Copa do Brasil

Prêmios da Copa do Brasil quitariam seis meses de salários do Corinthians

Time alvinegro estreia nesta quinta (7) em competição que pode trazer alívio para suas contas

São Paulo | Agora

Atual vice-campeão da Copa do Brasil, o Corinthians estreia no torneio nesta quinta (7), às 21h, de olho no prêmio de R$ 65 milhões, valor que será embolsado pelo vencedor do mata-mata e que representa o equivalente a um semestre da folha salarial do time do Parque São Jorge.

Juntos, os comandados do técnico Fábio Carille custam aos cofres alvinegros cerca de R$ 10 milhões por mês, segundo o diretor financeiro do clube, Matias Antonio Romano de Ávila. “E a nossa folha salarial hoje é 5% menor do que a do ano passado”, afirma.

Este elenco mais barato terá como o seu primeiro desafio o Ferroviário-CE, no estádio do Café, em Londrina. O duelo deverá marcar a reestreia do atacante Vagner Love, 34.

O atacante Vagner Love vai fazer a sua estreia pelo Corinthians contra o Ferroviário, pela Copa do Brasil
O atacante Vagner Love vai fazer a sua estreia pelo Corinthians contra o Ferroviário, pela Copa do Brasil - Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Apesar de ter chegado à final da última edição da Copa do Brasil e também de ter três títulos do torneio, o Corinthians fez uma previsão modesta para 2019. O clube decidiu não incluir no orçamento nenhuma possível premiação com o campeonato. Há nas previsões de receita apenas o valor referente à participação nesta primeira fase (R$ 525 mil).

“Se o time perde o primeiro jogo, em uma infelicidade, você deixa de arrecadar e faz um rombo no orçamento”, afirma o diretor financeiro.

O time do Parque São Jorge, aliás, só conseguiu equilibrar suas contas recentemente, após fechar o contrato de patrocínio com o banco BMG.

O clube terminou os dois últimos anos no vermelho. Em 2017, o deficit foi de R$ 35 milhões. No ano passado, caiu para R$ 19 milhões. E agora a previsão da diretoria é fechar esta temporada com superavit de R$ 1 milhão.

“O patrocínio do BMG ajudou a colocar a casa em ordem, pagamos algumas coisas que estavam atrasadas, como direitos de imagem, a rescisão de todos os contratos [de jogadores]. O Corinthians tem saúde financeira, tanto que está adquirindo jogadores”, afirma o dirigente.

O valor fixo pago pelo novo patrocinador do time alvinegro (R$12 milhões), no entanto, é menos da metade do que a Caixa, último parceiro do clube, desembolsava. A estatal pagava R$ 30 milhões por ano até encerrar o contrato com o time em abril de 2017.

A justificativa do Corinthians para aceitar um contrato menor é a expectativa de faturar com o modelo de parceria feito com o BMG, no qual o clube ficará com 50% dos lucros gerados por uma plataforma de contas bancárias online destinada a torcedores.

Atualmente, a dívida total do clube do Parque São Jorge é de R$ 490 milhões, sem contar os débitos referentes ao financiamento do estádio corintiano, em Itaquera, estimada em R$ 1,3 bilhão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.