Vice do Paulista não tira da gestão Leco pior aproveitamento do século

Sob o comando do mandatário, São Paulo conquista menos da metade dos pontos

Luiz Cosenzo Toni Assis
São Paulo

O vice-campeonato paulista e a quinta colocação no último Campeonato Brasileiro não foram suficientes para melhorar os números do time do São Paulo na gestão do atual presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, 81.

No cargo desde outubro de 2015, o dirigente apresenta o pior aproveitamento de pontos como mandatário do clube neste século. Desde que virou presidente, Leco viu o São Paulo conquistar apenas 49,5% dos pontos.

No período, o time disputou 223 partidas —sem contar amistosos e participações na Florida Cup—, com 89 vitórias, 64 empates e 70 derrotas.

Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, durante entrevista no CT da Barra Funda
Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, durante entrevista no CT da Barra Funda - Rivaldo Gomes - 3.abr.18/Folhapress

Os números do atual presidente ficam atrás até mesmo do período da conturbada presidência de Carlos Miguel Aidar, seu antecessor, que renunciou ao mandato após seguidos escândalos.

Em campo, porém, o time sustentou aproveitamento de 59,8% —teve como melhor resultado o vice-campeonato brasileiro de 2014.

Além de Leco e Aidar, o São Paulo teve outros três presidentes neste século: Paulo Amaral, Marcelo Portugal Gouvêa e Juvenal Juvêncio, que tem o melhor retrospecto. Com Juvenal na presidência entre 2006 e 2008, o São Paulo ganhou 64,4% dos pontos disputados, a caminho do único tricampeonato nacional na era de pontos corridos.

 

Leco foi eleito presidente do São Paulo em duas oportunidades. A primeira, em outubro de 2015, foi para substituir Aidar, em um mandato tampão até abril de 2017. Na oportunidade, exercia o cargo de presidente do Conselho Deliberativo e venceu a eleição extraordinária diante de Newton Luiz Ferreira, da oposição.

Quase 18 meses depois, ele foi reeleito —ficará no poder até dezembro de 2020. Dessa vez, ganhou a disputa contra o advogado José Eduardo Mesquita Pimenta.

Até a reeleição, o aproveitamento do time sob a gestão Leco era de 49,3%. Depois disso, o rendimento da equipe se alterou pouco, com apenas 49,6% dos pontos conquistado desde abril de 2017.

Sua administração tem sido marcada por constantes mudanças no comando do futebol. Em três anos e meio, oito treinadores comandaram a equipe são-paulina (sem contar interinos): Doriva, Edgardo Bauza, Ricardo Gomes, Rogério Ceni, Dorival Júnior, Diego Aguirre, André Jardine e agora Cuca.

A média é de uma troca de treinador a cada cinco meses. Os números não levam em conta os técnicos que trabalharam interinamente, como Milton Cruz, Pintado, Vagner Mancini e o próprio Jardine.

Entre esses técnicos, apenas Edgardo Bauza não foi demitido. O treinador argentino levou o São Paulo até a semifinal da Libertadores de 2016, sendo eliminado pelo Atlético Nacional, da Colômbia. Menos de um mês depois, aceitou o convite para treinar a seleção argentina.

O São Paulo também sofreu com a rotatividade no comando do departamento de futebol. O primeiro dispensado pela atual gestão no departamento foi o gerente José Eduardo Chimello. Ex-Ituano, era um remanescente da gestão de Aidar.

Para a vice-presidência de futebol, Leco trouxe de volta Ataíde Gil Guerreiro, desafeto de Aidar. Num cargo em geral de cunho institucional, o cartola exercia função operacional, em contato direto com o elenco, indicando reforços e atuante no CT da Barra Funda. O diretor de futebol, Rubens Moreno era seu braço direito.

Leco também acertou retorno de outra figura expurgada por Aidar meses antes: Gustavo Vieira de Oliveira. Sobrinho de Raí e filho de Sócrates, ele foi nomeado diretor executivo.

Em cerca de um ano de trabalho, foi alvo de críticas no clube devido à avaliação de que falhara na reformulação do elenco.

Em 2016, Vieira foi substituído às pressas por Marco Aurélio Cunha, figura muito popular entre torcedores após seu trabalho na década passada como superintendente. Diretor das seleções brasileiras femininas na CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Cunha assumiu o cargo em caráter temporário. A essa altura, Gil Guerreiro e Moreno já haviam sido destituídos de seus postos.

O cargo de Moreno passou a ser ocupado por Luiz Antônio de Cunha, que gerenciava as categorias de base. O diretor só ficou três meses na função, devido a divergência com Gustavo Vieira.

Em mais uma reestruturação do departamento, os membros do Conselho Deliberativo José Jacobson Neto (diretor de futebol) e José Alexandre Medicis da Silveira (vice-presidente) foram, então, empossados por Leco.

Deixaram seus cargos após a reeleição do presidente, que promoveu mudança estrutural. Vice-presidências foram extintas e, diretorias executivas, criadas, com Vinícius Pinotti assumindo o futebol.

Pinotti durou menos de oito meses no cargo e foi substituído por Raí, que tem a ajuda do gerente executivo de futebol Alexandre Pássaro. No ano passado, o ex-zagueiro Ricardo Rocha, exerceu a função de coordenador de futebol.

Em contato com a reportagem, a assessoria do clube afirmou que não iria se manifestar sobre o aproveitamento do clube na gestão Leco.

A ligação de Leco com o São Paulo começou em 1966, quando tornou-se sócio do clube do Morumbi. Vinte anos mais tarde, se tornou conselheiro, e desde então passou a ter uma relação estreita com a política do clube.

Ainda na década de 1980 foi diretor de futebol e diretor jurídico. Os cargos lhe renderam uma aproximação com o ex-presidente Carlos Miguel Aidar, que posteriormente se tornaria uma forte aliança.

Em 2000, com o apoio do ex-presidente Juvenal Juvêncio, tentou pela primeira vez chegar à presidência, mas foi derrotado por Paulo Amaral. Dois anos mais tarde voltou à diretoria de futebol no mandato de Marcelo Figueiredo Portugal Gouveia.

De 2006 a 2014, assumiu da diretoria de orçamento e controle da gestão Juvenal Juvêncio. Foi vice-presidente de futebol de 2008 a 2011 e vice-presidente de 2011 a 2014. Até se tornar presidente de forma interina, em outubro de 2015.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.