Descrição de chapéu Copa Libertadores

Na Libertadores, Palmeiras põe à prova 2ª melhor defesa do país

No ano, equipe comandada por Felipão sofreu apenas 6 gols em 17 partidas

Luís André Rosa
São Paulo

Treinado por Luiz Felipe Scolari e Paulo Turra, dois ex-zagueiros, o Palmeiras vem mostrando que seu ponto forte é o sistema ofensivo.

A solidez do setor vem desde a temporada passada, quando foi importante para a conquista do Brasileiro, e continua neste ano. Ao todo, o time alviverde sofreu 16 gols em 32 partidas (média de 0,5 gol sofrido por jogo) sob o comando de Turra e Felipão.

Nesta terça-feira (2), às 19h15, a defesa palmeirense será colocada novamente à prova. O time encara o São Lorenzo, pela terceira rodada do Grupo F da Libertadores, em Buenos Aires.

O zagueiro palmeirense Gustavo Gómez, um dos pilares do sistema defensivo da equipe
O zagueiro palmeirense Gustavo Gómez, um dos pilares do sistema defensivo da equipe - Paulo Whitaker - 31.out.18/Reuters

Neste ano, a retaguarda palmeirense, mesmo com o rodízio de jogadores, sofreu apenas 6 gols em 17 partidas (média de 0,35 gol por jogo).

Ao comparar com as 20 equipes que participarão da próxima edição do Brasileiro, o Palmeiras conseguiu, nos primeiros três meses de bola rolando, ficar com a segunda melhor defesa. O time só é superado pelo Grêmio, que levou três gols em 16 partidas.

Na Libertadores, o Palmeiras conseguiu passar incólume nas partidas contra o Junior Barranquilla, na Colômbia, e diante do Melgar (PER), no Allianz Parque. Caso repita o desempenho, será a primeira vez que o time passará os três primeiros jogos do torneio continental sem ser vazado.

O mesmo ocorreu com o clube argentino contra esses adversários. No torneio sul-americano, além deles, os outros times que não levaram gols nas duas primeiras rodadas da fase de grupos foram Internacional, Cruzeiro, Emelec (EQU), Nacional (URU) e Boca Juniors (ARG).

O desempenho da retaguarda deve-se muito ao entrosamento dos atletas. Mesmo com o rodízio, Felipão mantém dois quartetos definidos.

Neste ano, o mais escalado foi o formado por Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis. O outro tem Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa.

Entre os dois quartetos, o treinador fez poucas variações, mas o setor defensivo foi o que menos se modificou. Foram sete formações, muito em função da contusão de Luan, e de Gustavo Gómez ter sido convocado para os amistosos da seleção paraguaia.

Nas duas apresentações da Libertadores, o quarteto foi formado por Marcos Rocha, Antônio Carlos, Gustavo Gómez e Victor Luis. Os dois últimos viajaram, mas são dúvida por causa de dores no tornozelo.

Eles participaram do treino desta segunda-feira (1º) na Bombonera. Como de costume, a escalação palmeirense não foi divulgada.

No ataque, o Palmeiras vai ter dois desfalques. Por causa do desgaste físico, o meia-atacante Ricardo Goulart nem viajou à Argentina. Gustavo Scarpa, que vem atuando como terceiro atacante, retornou ao Brasil para acompanhar o enterro de seu avô, que morreu nesta segunda-feira.

SAN LORENZO x PALMEIRAS
19h15, no Nuevo Gasómetro
Na TV: Fox Sports

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.