Descrição de chapéu Copa Libertadores

Rodízio não impede Palmeiras de ter quarteto de R$ 1 mi que não joga

Após a eliminação no Campeonato Paulista, time joga em casa pela Copa Libertadores

Luís André Rosa
São Paulo

Ao longo das 19 partidas disputadas pelo Palmeiras neste ano, o técnico Luiz Felipe Scolari rodou o elenco e escalou um total de 28 jogadores. A rotatividade não foi suficiente para impedir que o time tivesse atletas encostados. Os custos com esses nomes não utilizados chega a quase R$ 1 milhão por mês.

Quatro atletas estão nessa situação: o lateral direito Fabiano (R$ 160 mil),o volante Matheus Fernandes (R$ 200 mil) --que nunca foram relacionados--, o zagueiro Juninho (R$ 200 mil) e o meia Guerra (R$ 390 mil), que já ficaram na reserva em jogos do Paulista e da Libertadores.

O meia Alejandro Guerra participa do treinamento do Palmeiras, na Academia de Futebol, para o jogo da Copa Libertadores, contra o Junior Barranquilla-COL
O meia Alejandro Guerra controla a bola durante o treinamento do Palmeiras, na Academia de Futebol, para o jogo da Copa Libertadores, contra o Junior Barranquilla-COL - Cesar Greco - 9.abr.19/Ag. Palmeiras/Divulgação

A folha salarial do Palmeiras é a maior entre os 20 clubes da Série A. Em 2018, entre salários e direitos de imagem, o clube pagou aos jogadores cerca de R$ 250 milhões.

O rodízio vai ser repetido nesta quarta-feira (10), quando o Palmeiras recebe o Junior Barranquilla (COL), às 21h30, e o quarteto, novamente, não jogará. O duelo é válido pela quarta rodada do Grupo F da Libertadores.

A equipe alviverde está na segunda colocação com 6 pontos. O líder é o San Lorenzo (ARG), que venceu nesta terça (9) e foi a 10. Os colombianos ainda não pontuaram na competição e ocupam a lanterna.

Na avaliação da diretoria, Matheus Fernandes é visto como aposta e a ideia é lançá-lo aos poucos na equipe. O volante de 20 anos, revelado pelo Botafogo, vem sendo preparado para substituir Felipe Melo ou Bruno Henrique.

Em dezembro do ano passado, o Palmeiras investiu 3,5 milhões de euros no atleta (R$ 15,2 milhões). O clube carioca ainda ficou com 25% dos direitos econômicos do jogador e mais o empréstimo do atacante Erik.

Os defensores Fabiano, 27, e o zagueiro Juninho, 24, chegaram, respectivamente, em 2016 e 2017. Ambos tiveram oportunidades, mas não convenceram. Tanto que no ano passado atuaram emprestados por Internacional e Atlético-MG. A dupla não foi bem e acabou sendo devolvida.

O venezuelano Alejandro Guerra, 33, foi eleito o melhor jogador da Libertadores de 2016, quando ajudou na conquista do título do Atlético Nacional (COL). O meia só permaneceu no Brasil porque o Palmeiras não entrou em acordo com os clubes que tentaram o seu empréstimo no começo do ano.

 

Há ainda outros jogadores que chegaram este ano no Palmeiras e tiveram poucas oportunidades. O meia Zé Rafael, 25, que perdeu o pênalti decisivo no último domingo (7) contra o São Paulo, disputou somente quatro partidas. Os atacantes Arthur Cabral, 20, fez duas. Carlos Eduardo, 22, participou de nove jogos e Felipe Pires, 24, atuou em 12 oportunidades.

Ataque vira dor de cabeça

No primeiro jogo após a eliminação nos pênaltis diante do São Paulo, o Palmeiras tenta solucionar um problema que teve nas últimas partidas. O time completou três jogos sem marcar. A defesa, porém, segue como uma das melhores do Brasil, com sete gols tomados em 19 partidas.

Após a eliminação na semifinal do Campeonato Paulista, o técnico Luiz Felipe Scolari minimizou o problema ofensivo.

“[O ataque] Não funcionou porque a defesa adversária foi muito bem. Num confronto igual, tivemos três ou quatro oportunidades muito boas. Estou contente com o que nossa equipe desenvolveu em campo, mas não foi o suficiente", disse Felipão.

Além dos dois empates sem gols contra o São Paulo na semifinal do Campeonato Paulista, o Palmeiras, entre as duas partidas, perdeu do San Lorenzo (1 a 0), em Buenos Aires, na última terça-feira (2). O resultado custou a perda da invencibilidade e a queda para o segundo lugar do Grupo F da Libertadores.

A última vez que o Palmeiras ficou tanto tempo sem anotar um gol ocorreu no início de 2015. A equipe empatou em 0 a 0 contra o Joinville, em Santa Catarina. Depois perdeu por 1 a 0 para o Goiás, no Allianz Parque, ambos pelo Brasileiro. Por último, ficou no 0 a 0 diante do ASA, em casa, na Copa do Brasil.

Caso complete o quarto encontro sem marcar, o Palmeiras iguala a série do Brasileiro de 2014. Em novembro daquele ano, o time perdeu para Atlético-MG (mandante no Pacaembu), São Paulo (Morumbi), Sport (inauguração do Allianz Parque) e Coritiba (Couto Pereira).

PALMEIRAS
JUNIOR BARRANQUILLA

21h30, Allianz Parque
​Na TV: Globo e SporTV

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.