Defesa de mulher que acusou Neymar diz que entregará vídeo à polícia

Trecho de cerca de um minuto vazou em redes sociais

São Paulo

Danilo Garcia de Andrade, advogado da modelo Najila Trindade Mendes de Souza, que acusa Neymar de agressão e estupro, disse que sua cliente vai apresentar um vídeo de sete minutos à Polícia Civil. Isso não deverá acontecer nesta sexta (7), quando ela deverá depor na 6ª delegacia de defesa da mulher em São Paulo.

A Folha teve acesso a uma parte do vídeo (veja abaixo), vazado em em redes sociais. Nesse trecho, Najila agride o jogador do PSG.   

"Provavelmente, vamos entregar na semana que vem [a íntegra do vídeo]. O vídeo tem sete minutos, mas só consegui ver um minuto até agora. Não tive tempo de analisar todo o vídeo", afirmou ele.

Nesta quarta (5), Najila disse que Neymar a agrediu com tapas e a forçou ao ato sexual mesmo depois de ela dizer para parar. As declarações foram em entrevista ao SBT. Najila também disse que não desejava o sexo naquele momento porque nenhum dos dois tinha preservativo.

Segundo o advogado, o vídeo foi gravado no segundo dia em que ela estava na França, após o suposto crime cometido pelo jogador da seleção brasileira. 

 

"Ela queria provar através do vídeo que tinha sofrido agressões, que houve relacionamento sexual sem preservativo e não consensual", completou.

Andrade disse que sua cliente sofreu ameaças de pessoas ligadas a Neymar. O estupro teria acontecido em 15 de maio. A denúncia na delegacia foi feita 16 dias depois. 

Danilo Garcia de Andrade afirma que  Najila perdeu muito peso, "chora compulsivamente e vive base de remédios."

A acusação de abuso sexual foi divulgada no último sábado (1º), após vazamento do boletim de ocorrência da Polícia Civil. No mesmo dia, o jogador se pronunciou por meio de um vídeo publicado em seu Instagram. Na postagem— posteriormente retirada do ar pela rede social— o camisa 10 da seleção brasileira se defendeu da acusação e expôs as conversas com a suposta vítima. Foram exibidas imagens da mulher nua e seminua –com o rosto e partes íntimas borradas. 

Após a divulgação das imagens por Neymar, a Polícia Civil foi até a Granja Comary no domingo (2) buscar explicações do atleta por ter, no vídeo, exposto imagens íntimas da mulher. O jogador ainda não havia voltado de um período de folga, concedido a todo o elenco, e não foi ouvido pelos policiais. 

Na segunda, a polícia retornou ao centro de treinamento da seleção. Ficou acertado que o jogador iria falar com as autoridades nesta semana. A Delegacia de Repressão a Crimes de Informática da Polícia Civil do Rio de Janeiro agendou para a próxima sexta-feira (7) o depoimento do atacante Neymar.

​A acusação gerou tensão entre os patrocinadores de Neymar. A Nike, por exemplo, já demonstrou preocupação, assim como a Mastercard. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.