Após cortes e atrasos, Bolsonaro anuncia verba para esporte paraolímpico

Projeto da Caixa investirá R$ 10 milhões por quatro anos na iniciação esportiva

Daniel E. de Castro
São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro participou nesta quarta (19), em São Paulo, da assinatura de um convênio entre a Caixa Econômica Federal e o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) para a inclusão de crianças e adolescentes com deficiência por meio de atividades esportivas, culturais e educativas.

O acordo prevê que o Centro de Treinamento Paraolímpico, espaço multidesportivo na capital paulista construído na preparação para os Jogos do Rio-2016, faça anualmente a iniciação de 550 alunos com deficiência da rede pública de ensino, de 10 a 17 anos.

O anúncio foi feito nesta quarta. Antes do evento, Bolsonaro (PSL) esteve com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), numa formatura da academia da Polícia Militar. Os dois políticos fizeram flexões com os formandos no próprio centro de treinamento. 

"Presidente Jair Messias Bolsonaro mandou pagar 10, a gente paga neh?", escreveu Doria em postagem no Facebook. O governador fez 13 flexões.

O investimento do projeto, que atenderá também adultos e idosos, será de R$ 10 milhões, num prazo de quatro anos. Como contrapartida do CPB, o espaço passará a se chamar Centro Paraolímpico Caixa. O anúncio é um dos raros acenos do governo Bolsonaro para o esporte.

Em geral, o cenário tem sido de corte de investimentos das empresas estatais na área, inclusive da Caixa, que neste ano deixou de patrocinar 25 clubes de futebol. Esses acordos totalizavam R$ 128 milhões.

Outro corte de impacto feito pela instituição, responsável pelos maiores investimentos esportivos de estatais em 2018, foi na área de corridas de rua, projetos sociais e eventos pontuais, que havia recebido R$ 31 milhões no ano passado.

Permanecem até 2020 os patrocínios da Caixa ao próprio Comitê Paralímpico do Brasil (cerca de R$ 25 milhões anuais), às confederações de atletismo (R$ 15 milhões) e ginástica (R$ 5 milhões) e às ligas de basquete masculina e feminina (R$ 8 milhões somadas).

O presidente Jair Bolsonaro assina termo de compromisso em cerimônia com o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e o governador de São Paulo, João Doria
Bolsonaro assina termo de compromisso em cerimônia com o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e o governador de São Paulo, João Doria - Daniel Zappe/Exemplus/CPB

Algumas dessas instituições, no entanto, relatam atrasos nas verbas da Caixa. O próprio CPB recebeu neste ano valores referentes até o mês de março, segundo a Folha apurou. Poucas dessas entidades se pronunciaram publicamente sobre os atrasos. 

"Entendemos essa paralisação como um processo de avaliação que é feito quando se inicia qualquer gestão. Isso para a gente foi algo positivo, porque significou que nosso contrato é bem executado e que as coisas estão caminhando", afirmou Mizael Conrado, presidente do CPB.

"Eu não saberia dizer [o último mês em que o CPB recebeu a verba], mas agora o fluxo do desembolso depende muito mais desse aspecto administrativo do que de qualquer tipo de discussão com relação ao patrocínio. A posição oficial da Caixa é que o contrato está mantido até dezembro de 2020, e com o dia de hoje a expectativa é que ele possa ser renovado pelo menos até Paris-2024", completou Conrado.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que não há atrasos e não se estendeu no assunto. Ele afirmou que nenhum contrato esportivo em vigor até os Jogos de Tóquio-2020 será cortado.

"A mudança é que a gente vai investir diretamente nos atletas e nas pessoas mais humildes. Ainda estamos discutindo como fazer esse projeto. Até a Olimpíada, vamos fazer ginástica, atletismo, basquete e todos os esportes paraolímpicos. Mas algo que a gente não fazia antes e que é foco total da Caixa é o apoio pelo país inteiro. Disso eu não abro mão", afirmou.

​Bolsonaro e Doria não deram entrevista no local. "Servir a pessoas especiais como vocês não tem preço. Nós colaboraremos no que for possível para atender vocês", disse o presidente durante a cerimônia, que contou com cerca de mil pessoas.

No novo projeto do centro paraolímpico serão oferecidas oito modalidades: atletismo; natação, judô, futebol de 5, vôlei sentado, bocha, goalball e tênis de mesa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.