Dúvida para estreia da seleção, Marta não treina com equipe

Em recuperação de lesão na coxa, jogadora ficou fora de atividade com bola

Lucas Neves
Grenoble

A dois dias da estreia da seleção brasileira na Copa da França, a atacante Marta fez exercícios físicos na beira do campo, mas não participou do trabalho com bola no treino desta sexta (7).

Depois da atividade, o médico da equipe, Nemi Sabeh, disse que ela se recupera bem da lesão no músculo bíceps femoral, na coxa esquerda, sofrida há 12 dias.

Marta faz atividade física durante os treinos da seleção brasileira em Portugal
Marta faz atividade física durante os treinos da seleção brasileira em Portugal - Rener Pinheiro-3.jun.19/MoWa Press

Mas evitou fazer prognósticos sobre a escalação da jogadora no primeiro jogo, domingo (9), contra a novata em Copas Jamaica.

“Vamos fazer uma reunião do setor médico com o físico e o técnico hoje [sexta] à noite”, afirmou. “O importante é decidir o futuro da competição, não só um jogo. Mas quem escala é o técnico [Vadão].”

Nem a atacante, nem Vadão falaram com a imprensa.

Outra dúvida é a zagueira Érika, que sentiu o tornozelo e fará exames de avaliação. Ela já havia treinado em separado na quinta (6), incorporando-se ao grupo apenas nos minutos finais do coletivo.

Nesta sexta, o time treinou pênaltis, cobrança de faltas, lançamentos e infiltração na grande área, entre outros fundamentos. A atividade foi a primeira da seleção aberta ao público na França, e muitas famílias com crianças (várias vestindo a camisa do time) vieram assistir.

A aposentada Françoise Berrier estava ali para tirar fotos para a nora, belo-horizontina que trabalha em Lyon e virá a Grenoble no fim de semana para verem juntas a estreia brasileira.

“Não sei muita coisa sobre o time, só que a Marta usa a camisa 10”, disse, antes de migrar para o tema da hora no mundo do futebol. “Neymar já era.”

 

A brasileira Regina Toledo, 39, radicada na região há 19 anos, trouxe as duas filhas, nascidas na França, mas paramentadas nesta tarde com a camisa canarinho.

“Elas pediram para vir, só falam nisso. Ontem, já conversamos com algumas jogadoras na chegada [ao campo de treinamento]. É a primeira vez que acompanho uma Copa feminina, não conheço bem a seleção. Mas o futebol das mulheres está crescendo. Agora é uma ocasião de saber mais sobre as atletas, de onde elas vêm.”'

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.