Tite diz que sentiu vaias e resolveu jogo contra Bolívia com Fernandinho

Seleção brasileira foi criticada pelo público no intervalo da vitória sobre a Bolívia

São Paulo

As vaias dos torcedores ao fim do primeiro tempo foram assunto entre Tite e os jogadores da seleção brasileira no intervalo da partida contra a Bolívia, no Morumbi, na abertura da Copa América. O treinador afirmou que as críticas não foram ignoradas pelo time, que voltou para a etapa final com outro posicionamento e construiu uma vitória por 3 a 0.

“Claro que sente. Sente, sim”, disse o técnico, questionado sobre o efeito dos apupos a cada atleta. “O jovem sente. O técnico sente, não é insensível. No intervalo, coloquei que o nível de concentração tinha que ser alto e que tínhamos que passar por aquela adversidade”, declarou o comandante.

O técnico da seleção brasileira, Tite, durante jogo de abertura da Copa América 2019, contra a Bolívia
O técnico da seleção brasileira, Tite, durante jogo de abertura da Copa América 2019, contra a Bolívia - Amanda Perobelli/Reuters

“A experiência em clubes de massa me traz isso: quando o time não está produzindo, não espera do torcedor uma compreensão maior. Ele vai vaiar. Quando você toca a bola atrás, do lateral para o zagueiro, logo vem: ‘uuuuuhhhh’. Nós temos que compreender, não ficar questionando. Não gostaríamos, não, mas tem que absorver isso”, acrescentou.

Para Tite, os jogadores se saíram bem nessa tarefa. Em pouco mais de sete minutos de segundo tempo, após uma etapa inicial de placar zerado, o Brasil já havia marcado duas vezes e definido o jogo. E isso, segundo o comandante, pode ser explicado por um posicionamento diferente adotado por Fernandinho.

“Colocamos um jogador a mais dentro do campo adversário, o Fernandinho. Assim, acrescentamos jogadores dentro das duas linhas de quatro. A gente trouxe um jogador a mais para a criação e começou a botar volume. Era esperar, trocar passes e fazer a infiltração no momento certo”, observou o técnico, satisfeito com o que viu.

O gaúcho havia terminado a etapa inicial preocupado com os frequentes erros de passe do Brasil —o próprio Philippe Coutinho, que viria a marcar os dois gols que encaminharam o triunfo, falhava demais no quesito. Por isso, especialmente diante das vaias, o comandante pediu simplicidade e precisão aos comandados.

“Quando você começa a errar de forma excessiva, é hora de jogar mais curto. Jogando mais curto, diminui o erro. Diminuindo o erro, aumenta a confiança. Ou o torcedor vai reclamar”, disse Tite. “Eu coloquei no intervalo: ‘Vou fazer um ajuste de posicionamento, mas preciso de acerto de passe’”, relatou.

Contra a Bolívia, as vaias foram superadas. Os atletas, porém, esperam não passar por esse processo novamente nas suas partidas seguintes no Grupo A. O próximo compromisso está marcado para terça-feira (18), contra a Venezuela, em Salvador, com a chance de deixar a vaga nas quartas de final bem encaminhada.

Carlos Petrocilo, Marcos Guedes e Toni Assis
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.