Tite se anima com reservas que mudam cara do jogo na seleção

Alterações durante as partidas têm dado o resultado esperado pelo treinador

Marcos Guedes
Belo Horizonte

Na estreia da seleção brasileira na Copa América, Tite creditou boa parte da melhora no intervalo e da vitória por 3 a 0 sobre a Bolívia à entrada de Fernandinho. O placar foi definido em um bonito gol de Everton, outro que saiu do banco.

O tropeço não foi evitado no jogo seguinte, mas Everton se saiu tão bem no empate por 0 a 0 com a Venezuela que ganhou a posição, o mesmo ocorrendo com Gabriel Jesus.

O padrão se manteve na vitória por 5 a 0 sobre o Peru: já estava fácil, mas Wilian deixou a área dos suplentes para anotar um gol de categoria e ganhar a confiança do chefe.

Na partida subsequente, voltou a ser acionado e ter boa participação: parou na trave no tempo normal do empate por 0 a 0 com o Paraguai, mas abriu a disputa por pênaltis vencida por 4 a 3.

Willian comemora depois de marcar gol contra Peru
Willian comemora depois de marcar gol contra Peru - Nelson ALMEIDA/AFP

Essa possibilidade de mudar a cara do jogo com os homens do banco tem deixado o treinador satisfeito. Enfrentando geralmente adversários muito bem preparados para frear suas principais jogadas de ataque, o Brasil precisa de alternativas, e a produção dessas opções de segundo tempo vem sendo aprovada.

“A entrada de todos tem feito uma diferença grande. Às vezes, é difícil para o cara ficar fora. Mas, quando aparece a oportunidade, o pessoal está correspondendo. O grupo tem uma capacidade muito forte”, afirmou o treinador.

 

Dos 23 jogadores inscritos pelo Brasil na Copa América, já entraram em campo 18. Só não foram utilizados os goleiros Cássio e Ederson, o lateral direito Fagner e os zagueiros Militão e Miranda. Do meio para a frente, todos tiveram oportunidade, mesmo que por alguns minutos.

Tite conta novamente com essa força na fase aguda da competição. As opções de banco podem ser necessárias no confronto com a Argentina, na próxima terça-feira (2), no Mineirão, em Belo Horizonte.
Se tudo correr como espera o comandante, a seleção voltará a jogar no domingo (7), no Maracanã, no Rio de Janeiro, na decisão da Copa América.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.