Descrição de chapéu Tóquio 2020 Pan-2019

Brasileira conquista primeiro título do país no Mundial de esgrima

Nascida na Itália, Nathalie Moellhausen passou a defender o Brasil em 2014

São Paulo

Pela primeira vez na história, o Brasil tem uma atleta medalhista no Campeonato Mundial de Esgrima, e a estreia no pódio veio justo no lugar mais alto dele.

Nesta quinta (18), Nathalie Moellhausen, 33, venceu a chinesa Sheng Lin na decisão da competição individual de espada do Mundial, realizado em Budapeste, na Hungria. A vitória veio no tempo extra, por 13 a 12.

A campanha histórica do país surpreendeu, já que a brasileira chegou ao evento como 22º colocada no ranking da sua especialidade —assume a quarta posição com o título. Antes da chinesa, 13º, ela derrotou Vivian Kong, de Hong Kong (terceira melhor da lista) na semifinal.

Outras favoritas ficaram pelo caminho. Primeira colocada do ranking da espada, a italiana Mara Navarria foi eliminada na segunda rodada do Mundial. Vice-líder, a romena Ana Maria Popescu caiu nas oitavas de final.

No duelo de quartas de final, Nathalie também viu seu confronto com Lis Rottler-Fautsch, de Luxemburgo, ser decidido no tempo extra, em que o primeiro ponto garante a vitória.

O triunfo esteve perto de ficar com sua adversária, mas uma pontuação que havia sido concedida a ela foi anulada após a revisão de vídeo. Logo na sequência, Nathalie acertou o golpe decisivo que a levou à semifinal e já garantiu a primeira medalha do Brasil no Mundial da modalidade.

Nascida em Milão, ela tem cidadania brasileira por causa de sua família materna. A avó imigrou da Itália e se estabeleceu no Brasil. Filha da estilista ítalo-brasileira Valeria Ferlini, carrega o sobrenome paterno, de origem alemã, nas competições. Morto no ano passado, o pai foi homenageado pela atleta após o título.

"Ele era a pessoa mais importante nesse percurso da minha carreira esportiva. Ele que sempre
acreditou em mim e sempre disse que qualquer coisa era só uma questão de crer. Então eu sonhei muito com isso, que eu ia ganhar, que não ia deixar passar", ela disse ao blog Olhar Olímpico, do UOL.

A esgrimista competiu a maior parte da sua carreira representando o país europeu, uma das maiores potências da modalidade.

Pela Itália, a atleta conquistou três medalhas em campeonatos mundiais: duas por equipes (ouro em 2009 e bronze em 2011) e uma no individual (bronze em 2010).

Após a Olimpíada de Londres, ela não teve mais espaço na equipe italiana e decidiu paralisar a carreira no esporte para se dedicar a outras áreas. Estudou filosofia na Universidade Sorbonne, foi modelo, produtora de eventos e diretora de arte.

Em 2010, já havia criado um espetáculo de dança coreografada com esgrima para a cerimônia de abertura do Mundial de Paris. Depois, produziu o primeiro calendário fotográfico mundial com atletas da modalidade. Em 2013, fez a direção de arte da festa dos cem anos da Federação Internacional de Esgrima.

Nathalie voltou a competir em 2014, após receber um convite para representar o Brasil, país que ela estava acostumada a visitar para ver a avó quando era criança. Passou a defender o clube Pinheiros, embora treine na França.

Atletas de outras modalidades também se naturalizaram brasileiros antes da Olimpíada do Rio. O time masculino de polo aquático, por exemplo, contou com vários jogadores de origem estrangeira. Deles, o goleiro sérvio Slobodan Soro é o único remanescente da equipe.

Nathalie também permaneceu com a bandeira verde-amarela. "Sempre tive o sonho de me aproximar do Brasil. A oportunidade dos Jogos Olímpicos do Rio me pareceu o momento certo para dar esse passo", afirmou a atleta à Folha em 2014.

Ela foi medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto-2015 e chegou até as quartas de final na Olimpíada do Rio-2016, o melhor resultado do país na história do evento junto com o obtido por Guilherme Toldo, no florete, também nos Jogos do Rio.

A atleta está convocada para o Pan-Americano de Lima, que começa no dia 26 de julho. As provas de esgrima vão de 5 a 10 de agosto.

Ela também deverá disputar a Olimpíada de Tóquio, no próximo ano, quando chegará com a responsabilidade de ser a atual campeã mundial individual da espada.

No ano passado, ao site Olimpíada Todo Dia, Nathalie descreveu sua experiência no Rio em 2016 como uma das emoções mais fortes que já viveu: "Eu não sabia até aquele momento como os brasileiros veriam o fato de que eu, como italiana, estava representando o país deles. Naquele momento senti que eles me adotaram. Eu senti que o Brasil me adotou a partir dos Jogos Olímpicos".

Caso consiga repetir o feito no Japão, a atleta escreverá uma página ainda mais importante na história esportiva do país que a adotou. Nesta quinta, sem cantar, ela chorou ao escutar o hino nacional brasileiro do topo do pódio em Budapeste.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.