Lenda do boxe, Pernell Whitaker morre atropelado aos 55 anos

Ouro na Olimpíada de Los Angeles, ele entrou em 2006 para o Hall da Fama da modalidade

São Paulo

O medalhista olímpico e ex-boxeador Pernell Whitaker morreu após ser atropelado no último domingo (14) em Virginia Beach, nos Estados Unidos. Ele tinha 55 anos e deixa cinco filhos.

Segundo o jornal Washington Post, a polícia informou que Whitaker foi atingido por um veículo por volta das 22h ao tentar atravessar o cruzamento entre a Northampton Boulevard e a Baker Road. O piloto prestou socorro e o ex-atleta recebeu atendimento de emergência, mas faleceu no local.

Pernell Whitaker durante luta contra Oscar De La Hoya em 1997
Pernell Whitaker (à direita, de calção branco) durante luta contra Oscar De La Hoya em 1997 - Marsh Starks - 12.abr.1997/Reuters

Whitaker foi medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, e no Panamericano de Caracas do ano anterior. No boxe profissional, foi campeão em quatro categorias diferentes (leve, meio-médio-ligeiro, meio-médio e médio-ligeiro) e teve um cartel de 40 vitórias (17 por nocaute), quatro derrotas e um empate.

Eleito em 2006 para o Hall da Fama do boxe, Whitaker foi considerado pela The Ring (tradicional revista especializada em boxe) como melhor pugilista do mundo de 1993 a 1997 entre todas as categorias. Em sua carreira, que foi de 1984 a 2001, enfrentou nomes como Jorge Luis Ramirez, Azumah Nelson e  Roger Mayweather (tio do também ex-boxeador Floyd Mayweather, maior nome do boxe nos últimos anos e amigo de Whitaker).

Era chamado de "Sweet Pete" [Doce Pete] por sua família e esse tratamento carinhoso chegou ao esporte pela forma elegante como golpeava seus adversários. Um jornalista, porém, entendeu errado. A gafe foi publicada nos jornais se imortalizou como seu novo e definitivo apelido: "Sweet Pea" [ervilha doce].

Conhecido por ter bom desempenho defensivo, Whitaker ficou dois anos preso após ser acusado, em 2001, por porte de drogas. Ele também caiu no anti-doping por cocaína após uma luta em 1997.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.