Descrição de chapéu Futebol Internacional

Rejeição de Paris a Neymar contrasta com idolatria a Juninho em Lyon

Equipe do sul da França tem seu ex-jogador na direção e Sylvinho como técnico

Lucas Neves
Paris

“Bem-vindo à sua casa.” A faixa estendida no estádio do Lyon (sudeste da França) no último dia 16 contrasta acentuadamente com o “cai fora” empunhado no fim de semana anterior, na capital, pelos torcedores do PSG.

O recado ressentido dos parisienses era dirigido a Neymar, que anunciou há meses a intenção de deixar, após apenas duas temporadas, o clube gerido desde 2011 pelo Qatar. 

Já a mensagem calorosa dos sulistas, exibida embaixo de um mosaico 3D com o rosto de um ídolo local, tinha como destinatário Juninho Pernambucano, 44. O ex-meia defendeu o Olympique Lyonnais (OL, ou Lyon) por oito anos e regressou ao time em junho, passados outros dez, agora no posto de diretor esportivo.

Pela equipe, de 2002 a 2008, o capitão sagrou-se sete vezes campeão francês. Até ali, o Lyon nunca havia conquistado o título nacional. Em 344 partidas, marcou 100 vezes—44 de falta, sua especialidade desde os tempos de Sport (1993-95) e Vasco (1995-2001, depois 2011-12 e, por fim, 2013).

Os torcedores do Lyon exibem faixa do ex-jogador e atual diretor de esporte do clube, Juninho Pernambucano
Os torcedores do Lyon exibem faixa do ex-jogador e atual diretor de esporte do clube, Juninho Pernambucano - Emmanuel Foudrot - 16.ago.19/Reuters

Para dar uma dimensão das suas conquistas na França, basta pensar que outro brasileiro muito reverenciado no país, Raí, que vestiu a camisa do PSG de 1993 a 1998, tem apenas um título francês e quatro troféus de outras competições nacionais.

Não à toa, um estádio pequeno em Lyon recebeu o nome de Juninho em 2009, pouco antes de ele encerrar sua primeira passagem pelo OL. A alcunha foi definida por votação popular.

O agora cartola retribuiu o carinho. Numa das primeiras aparições dessa nova fase no clube, surgiu com um leão (símbolo da cidade) tatuado no antebraço direito. No desenho, o animal leva uma camisa de gola azul e vermelha, as cores do OL.

O brasileiro tentou resistir às investidas do presidente Jean-Michel Aulas para levá-lo de volta àquela que é a meca da alta gastronomia francesa. Recusou proposta no fim de 2018. Mas quando o cartola bateu à sua porta novamente, alguns meses atrás, não houve meio de dizer “não”.

Aceitou o convite e, de cara, emplacou no comando da equipe o compatriota Sylvinho, ex-auxiliar de Tite na seleção e com passagens como lateral por Corinthians, Arsenal e Barcelona, entre outros.

Espera-se que a dobradinha devolva os dias de glória ao Lyon —ainda que o sarrafo fixado pelo antigo técnico, Bruno Genesio (2015-19), não seja desprezível, com um vice-campeonato francês em 2016, um terceiro lugar em 2019 e o avanço às oitavas de final na última Champions League.

“Para fazer melhor, é preciso começar mantendo esse bom desempenho”, diz o jornalista esportivo francês Vincent Duluc, do diário L’Équipe. Para ele, a lua de mel da torcida com Juninho promete ser longa. “As pessoas sabem que é um trabalho novo para ele.” Já Sylvinho está mais exposto aos resultados do time.

Seja como for, será cobrado de ambos que a equipe se classifique para a próxima Champions. O começo de temporada tem ajudado a esquentar o namoro. Em duas partidas pelo Campeonato Francês, o OL marcou nove gols.

“O principal a reter é que essas duas vitórias ajudam a contar uma bela história de verão, num contexto de crise no PSG e de uma concorrência que não está à altura de seu passado, caso de Mônaco e Marseille. A Liga 1 [Campeonato Francês] precisa dessa euforia”, diz Duluc.

Empolgação que Juninho se esforça em conter. “É preciso manter a concentração. Há coisas a mudar em relação a sacrifício e mentalidade para obtermos resultados”, disse à TV do time após o primeiro triunfo. A assessoria do Lyon informou que ele não quer dar entrevistas por ora.

Para superar o PSG, que tem orçamento bem maior na temporada (637 milhões de euros contra 310 milhões), Juninho terá de mostrar tanta habilidade nos bastidores quanto exibia nas cobranças de faltas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.