Bilheteria não banca parcelas do Itaquerão, e conta não fecha

Valor da parcela do financiamento é maior do que receita com venda de ingressos

Alex Sabino Luciano Trindade
São Paulo

As rendas de bilheteria da Arena Corinthians não geram dinheiro suficiente para pagar o empréstimo com a Caixa Econômica Federal.

Em reunião realizada pelo conselho deliberativo do clube, em 12 de agosto, integrantes da comissão do estádio que analisaram documentos e balanços do estádio afirmaram que “a conta não fecha”. A expressão está registrada na ata do encontro.

Veja também: Entenda dívida com Caixa e o que pode acontecer com arena

Levantamento dos boletins financeiros dos jogos da equipe no local em 2018 registra R$ 43,2 milhões de renda. Os valores são líquidos, descontadas as taxas de administração e impostos —menos as quatro partidas válidas pela Copa Libertadores, em que apenas a arrecadação bruta foi divulgada.

Cada parcela mensal do empréstimo custa R$ 5,7 milhões. Apenas em março e maio do ano passado, as bilheterias em jogos no Itaquerão geraram mais dinheiro que isso. No ano, as 12 prestações somam R$ 68 milhões.

Em nota, o Corinthians diz ter obtido R$ 60,5 milhões em receitas "geradas exclusivamente de bilheteria, conforme publicado no balanço". O montante divulgado pelo clube é o valor bruto, sem os descontos de taxas de administração, operação do estádio e tributos.

"A reportagem não leva em conta outras fontes de receita que não os ingressos. Muitas delas noticiadas pela própria Folha ao longo do biênio 2018-2019, tais como: Camarote Fiel Zone, Camarote Arena Pop, Camarote Kids, uma nova loja Poderoso Timão no setor Oeste do Estádio, Jantar do Dia dos Namorados, Aniversário de 109 anos do Timão, Monster Jam, Low Park, Samba Arena e Arraiá da Arena", completa a nota.

O clube diz que esses eventos geraram R$ 28 milhões de receita. Desde que foi inaugurado, o estádio do Corinthians é preterido pelo Allianz Parque na realização de shows internacionais na cidade de São Paulo.

A comissão do estádio apresentou ao conselho, baseado em números disponibilizados pela Arena Itaquera S.A, empresa que administra o local e que tem o Corinthians como um dos sócios, R$ 88 milhões de movimentação no ano passado. Porém, R$ 48 milhões foram retidos em taxas, administração e pagamentos de funcionários. Sobraram R$ 40 milhões.

O Corinthians diz que esteve em dia com os pagamentos com a Caixa em 2018.

O banco entrou com pedido de execução do empréstimo de R$ 400 milhões feito à Arena Itaquera S.A por atraso na quitação das parcelas de 2019. No ano, apenas duas foram pagas. No processo, ao qual a Folha teve acesso, a instituição se queixa também que em anos anteriores houve meses em que o estádio pagou apenas os juros da dívida e foram esgotadas as tentativas de acordo amigável.

As rendas das partidas vão para a Arena Fundo de Investimento, que tem o Corinthians como um dos cotistas e é responsável por pagar à Caixa.

Em março de 2018, por exemplo, o estádio arrecadou com as partidas R$ 7,8 milhões. Em maio, R$ 9,8 milhões. Esses foram os dois meses em que a receita bateu no valor da parcela do financiamento. Em dezembro, não houve arrecadação com bilheteria, já que nenhuma partida foi disputada no local.

O Corinthians tentava encaminhar um acordo para mudar o valor das prestações e considerava já ter um entendimento com o banco para que isso acontecesse. Mas a nova diretoria da Caixa, nomeada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) neste ano, não viu o assunto da mesma forma e entrou com pedido de execução.

Incluída multa de R$ 48 milhões prevista no contrato para o caso de uma ação judicial de cobrança, o banco pede a execução de R$ 536 milhões da Arena Itaquera S.A.

“Em termos gerais, a Caixa é um banco estatal, que se tiver garantia e não houver renegociação, tem que executar. Para não executar uma garantia, qualquer que seja, em uma operação em que a Caixa deixou de receber é que é preciso ter uma ótima justificativa”, disse à Folha o presidente da instituição, Pedro Guimarães, no dia 12 de setembro.

Na decisão em que concorda com a execução, o juiz federal Victorio Giuzio Neto determinou que a Arena Itaquera S.A fosse incluída no Serasa.

Integrantes da comissão de estádio afirmam que constataram durante os trabalhos que os R$ 400 milhões do empréstimo da Caixa não foram nem sequer usados na construção do estádio. Acabaram encaminhados para pagar empréstimos realizados pela OPI (Odebrecht Participações e Investimentos), que financiava as obras enquanto o dinheiro do banco não era liberado. Isso aconteceu em duas parcelas, entre o final de 2012 e o início de 2013.

Para custear o andamento das obras, a Odebrecht levantou R$ 395 milhões no mercado financeiro. Pegou dinheiro com os bancos Santander, Bradesco e a Construtora Norberto Odebrecht, outra integrante da holding da qual a OPI faz parte. Quando houve o repasse do empréstimo da Caixa, o valor foi utilizado para quitar as dívidas assumidas, que tinham juros maiores do que os da instituição estatal.

O Corinthians deseja reabrir renegociação com a Caixa para frear a execução. Pedro Guimarães disse estar aberto a conversar com o clube. A princípio, uma reunião foi marcada para a próxima semana. A data ainda será definida, a depender da agenda do executivo da estatal e de Andrés Sanchez.

O clube tem uma lista de reclamações a apresentar referente à participação do banco no financiamento da obra. A comissão do estádio afirma que a estatal não fiscalizou o uso dos recursos como estava previsto em contrato. O clube avalia ainda que Guimarães, ao comentar a execução, feriu a cláusula de confidencialidade do acordo.

Em caso de execução, as garantias dadas no momento que o empréstimo foi acertado terão de ser acionadas. A primeira delas hoje é inválida: receitas da Odebrecht, que se encontra em recuperação judicial. Estariam válidos o dinheiro gerado pela arena, o controle do fundo de investimento que administra o estádio e a hipoteca do Parque São Jorge.

Em nota, o Corinthians afirma que todas as parcelas referentes a 2018 foram pagas e que o dinheiro de outras ações realizadas no estádio gerou recursos para a Arena Itaquera S.A e ajudou a quitar as parcelas do empréstimo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.