Corinthians feminino inicia disputa para transformar recorde em taças

Embalada após 30 vitórias seguidas, equipe alvinegra pega Flamengo na semifinal do Brasileiro

Marcos Guedes
São Paulo

O Corinthians recebeu o Santos, no Parque São Jorge, na segunda rodada do Campeonato Brasileiro, em duelo de grandes forças do futebol feminino nacional, e perdeu por 2 a 1. Isso ocorreu no dia 21 de março, há quase seis meses. De lá para cá, o time tem 100% de aproveitamento.

Foram 30 vitórias seguidas, sequência que já superou a marca anterior estabelecida no Guinness World Records —a entidade que compila os recordes está apurando a série para confirmar o novo registro. Jogadoras e o técnico Arthur Elias estão cheios de orgulho, mas não satisfeitos, pois faltam troféus para coroar a façanha histórica.

Jogadoras do Corinthians comemoram gol contra a Ponte Preta pelo Paulista
Jogadoras do Corinthians comemoram gol contra a Ponte Preta pelo Paulista - Bruno Teixeira - 31.ago.19/Corinthians

“É a consequência de um trabalho bem feito. O grupo está de parabéns pelo que está desempenhando”, afirmou a meia Gabi Zanotti, 34. “Espero que a gente continue assim, quebrando o recorde de vitórias, porque chegamos a um momento decisivo das competições. É mata-mata, não tem como perder agora.”

O Campeonato Brasileiro está na fase semifinal. A partir das 14h (de Brasília) deste domingo (8), a equipe alvinegra começará a duelar com o Flamengo por uma vaga na decisão. A primeira partida, de mando rubro-negro, será disputada no estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES), com transmissão ao vivo pela Band e na rede social Twitter.

Classificado também às semifinais do Paulista, o Corinthians espera cumprir suas metas ao final da temporada e renovar a convicção de Arthur Elias, 38, em sua aposta. 

Na década passada, ainda um jovem treinador, ele viu amplo espaço para crescimento no futebol feminino brasileiro e decidiu seguir o caminho dessa modalidade.

“Até demorou um pouco mais do que deveria”, disse, esperançoso com o aumento do interesse do público. Não há registros confiáveis da média de espectadores, já que a maior parte dos jogos tem entrada gratuita, mas, ainda que os estádios estejam frequentemente vazios para os padrões do futebol masculino, a expansão é notável.

Ajudou bastante nessa dilatação o interesse gerado pela Copa do Mundo feminina, concluída há dois meses. A partida na qual o Brasil foi eliminado pela França nas oitavas de final é a mais vista da história da modalidade, com 59 milhões de espectadores no planeta, e as pessoas envolvidas no esporte parecem acreditar que desta vez o sucesso será duradouro.

“A Copa do Mundo mostrou. Aqueles que não tinham conhecimento da modalidade começaram a gostar de assistir aos jogos. É um produto que, sabendo usar, pode ser bem vendido e rentável. Com visibilidade, é mais fácil conseguir patrocinadores. E a gente sabe como isso é importante”, afirmou Gabi Zanotti.

“A gente viu, em outros momentos, a modalidade ter um destaque e depois realmente se esfriar. Agora, não tenho dúvida, tenho convicção realmente de que o futebol feminino só vai crescer. Isso tem acontecido no mundo inteiro”, disse Arthur Elias, outro a citar motivos mercadológicos para justificar seu otimismo.

O cenário é de crescimento, mas, mesmo na primeira divisão do Campeonato Brasileiro, ainda há equipes de baixo nível, sem qualquer capacidade de investimento. A campanha que levou o Corinthians às semifinais teve, por exemplo, uma vitória por 9 a 0 sobre o São Francisco, da Bahia. O Flamengo, cujo time é uma parceria do clube com a Marinha do Brasil, fez 10 a 0 no Vitória de Pernambuco.

As equipes que se enfrentarão agora têm maior equilíbrio de talentos. Não há dúvida, porém, de que o favoritismo seja da equipe alvinegra, que acumula 102 gols marcados e apenas 9 sofridos na série de 30 triunfos. Na seleção brasileira que disputou torneio amistoso em São Paulo na semana passada, havia quatro atletas do Parque São Jorge: Erika, Tamires, Millene e Victória Albuquerque.

Millene é a artilheira do Campeonato Brasileiro, com 19 gols, e colocou na rede a bola que assegurou o recorde, na suada vitória por 1 a 0 sobre o São José. A goleadora é uma das grandes armas do time feminino do Corinthians, reativado em parceria com o Audax, de Osasco, em 2016.

A parceria rendeu bons frutos, como o título da Copa do Brasil de 2016 e o da Copa Libertadores de 2017. Em 2018, já separado do Audax, o clube alvinegro conquistou o Brasileiro. Agora, além de sustentar o recorde, as atletas esperam erguer novas taças e fazer parte de um momento histórico de crescimento do futebol feminino.

FLAMENGO x CORINTHIANS
14h (de Brasília) deste domingo (8), em Cariacica (ES)
Transmissão: Band e Twitter

30
vitórias seguidas tem a equipe feminina do Corinthians

102
gols marcados obteve a equipe nesse período

9
gols sofreu o time até agora durante a série histórica

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.