Espanha domina a Argentina e conquista pela segunda vez o Mundial de basquete

Resultado classificou os dois times para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020

São Paulo e Pequim | Reuters

A Espanha dominou a Argentina e conquistou o título da Copa do Mundo de Basquete, neste domingo (15), em Pequim. A seleção europeia conseguiu bater a sul-americana por 95 a 75 e terminou campeã de um torneio que não era considerada nem favorita.

É o segundo título da Espanha na competição. O primeiro foi no Japão, em 2006.

Seleção espanhola de basquete comemora título da Copa Mundial de Basquete de 2019, em Pequim, na China
Seleção espanhola de basquete comemora título da Copa Mundial de Basquete de 2019, em Pequim, na China - Wang Zhao/AFP

Os espanhóis começaram o jogo marcando e comandaram o placar durante toda a partida, contando com uma forte defesa para superar a ameaça ofensiva da Argentina. Nos primeiros cinco minutos, a seleção europeia abriu 14 a 2 no placar.

No tempo final, a Argentina tentou pressionar e chegou a diminuir a desvantagem em 12 pontos, mas a Espanha voltou a ter o domínio e ganhou por 20 de diferença.

O destaque foi o ala Ricky Rubio, também escolhido o melhor jogador do Mundial. Ele fez 20 pontos e três assistências e apanhou sete rebotes. Ele foi eleito o destaque da final. O armador Sergio Llull também foi bem. Marcou 15 pontos e ajudou a selar uma vitória espanhola consistente, com 47 rebotes, 20 a mais do que a equipe adversária.

Para o pivô espanhol Marc Gasol, essa foi a coroação de um ano incrível, em que ele conquistou ainda o título da NBA com o Toronto Raptors.

Seus 33 pontos na semifinal contra a Austrália levaram a equipe para a disputa da medalha de ouro, mas foi sua atuação na defesa que colocou o time no primeiro degrau do pódio.

Desde o começo da partida deste domingo, o atleta de 34 anos dominou a área, dificultando as jogadas que a Argentina havia usado com tanto efeito contra a França, na semifinal, forçando os argentinos a arremessar de longe.

Gasol foi igualmente eficaz embaixo da cesta do outro lado e, apesar de ter feito apenas duas de suas nove tentativas de arremesso, ele acertou 9 de seus 12 lances livres.

Ele e Rubio foram recompensados por suas atuações na campanha invicta da Espanha com um lugar na equipe de cinco jogadores do torneio, anunciada após a final.

O jogador espanhol Sergio Llull durante a partida final da Copa do Mundo de Basquete de 2019 contra a Argentina, em Pequim, na China
O jogador espanhol Sergio Llull durante a partida final da Copa do Mundo de Basquete de 2019 contra a Argentina, em Pequim, na China - Ju Huanzong/Xinhua

Com a marcação europeia, os argentinos Facundo Campazzo e Luis Scola conseguiram anotar apenas 18 pontos. 

Scola é o único remanescente da chamada geração dourada do basquete argentino, responsável pela medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. Ainda com integrantes da geração, o país conquistou o bronze nos Jogos de Pequim-2008.

Apesar de não repetir o show que deu contra a França, Scola também entrou na escalação do melhor quinteto do campeonato.

"Para nós não deu. Estamos tristes, mas logo nós vamos conseguir olhar para trás e ficar orgulhosos dessas duas semanas incríveis que tivemos", disse Scola, em sua conta no Twitter, após a partida.

O resultado no Mundial fez com que aos dois times se classificassem para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

Com o segundo título da competição, a Espanha se iguala ao Brasil, que venceu o torneio em 1959 e 1963. 

Os EUA são o maior vencedor da Copa do Mundo com cinco títulos, ao lado da antiga Iugoslávia. Neste ano, a seleção americana perdeu nas quartas de final para a França.

Na disputa da medalha de bronze, Nando De Colo marcou 19 pontos, e a França garantiu seu segundo bronze na competição, com uma vitória por 67 a 59 sobre a Austrália.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.