Descrição de chapéu Tóquio 2020

Recordes pessoais embalam brasileiros no Mundial de atletismo

Atletas vêm de boas marcas no arremesso do peso e em provas de velocidade

São Paulo

A delegação brasileira chega ao Mundial de atletismo de Doha, que começa nesta sexta-feira (27) e vai até o dia 6 de outubro, atrás da sempre difícil missão de angariar medalhas. Em toda a história do evento, o país subiu ao pódio 13 vezes.

Neste ano, o otimismo se apoia em alguns bons resultados nos últimos meses. Em oito das provas da competição, os atletas do país entram com uma marca que está entre as oito melhores do mundo na temporada 2019.

Quem aparece com mais chances no Qatar é Darlan Romani, 28, segundo no ranking da temporada no arremesso do peso. A distância de 22,61 metros, alcançada por ele na etapa de Palo Alto da Liga Diamante, em junho, é a décima melhor da história e seria suficiente para garantir medalha de ouro em todas as edições dos Jogos Olímpicos.

A marca não foi uma exceção. Com regularidade em 2019, ele arremessou acima de 22 metros em 4 das 6 competições mais recentes. Em agosto, levou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima após superar febre de 40ºC causada por uma infecção na garganta que teve às vésperas da prova.

O Brasil chega bem cotado também para o revezamento 4 x 100 m masculino. Em maio, Paulo André, Rodrigo Nascimento, Derick Silva e Jorge Vides venceram o Mundial de revezamentos em Yokohama, no Japão, após superarem americanos e britânicos numa disputa acirrada.

O time de velocistas brasileiros tem o quarto melhor tempo do ano (38s01), atrás de britânicos, japoneses e holandeses. Individualmente, nenhum deles figura entre os melhores da prova.

"Ter feito as melhores marcas das nossas vidas neste ano foi importante para chegarmos confiantes ao Mundial. Era um objetivo que eu e os outros meninos tínhamos", afirmou Paulo André, 21, que já correu os 100 m duas vezes em 10s02.

No fim de agosto, Vitor Hugo dos Santos, 23, reserva da equipe campeã mundial em Yokohama, atingiu 10s07 durante competição em Bragança Paulista, seu melhor tempo da carreira.

No mesmo dia, minutos mais tarde, Paulo André chegou a correr em 9s90, mas como naquele momento a velocidade do vento estava acima de 2m/s, o resultado não pôde ser homologado pela federação internacional.

Ainda assim, o velocista mostrou que está muito perto de ser o primeiro atleta sul-americano a completar os 100 m abaixo de 10 segundos —recorde de Robson Caetano intocado desde 1988.

"Se melhoramos ao longo do ano, a tendência é crescermos ainda mais no principal campeonato. Somos muito unidos para o revezamento, que é a nossa realidade, mas vamos com tudo também para trazer alegria para o Brasil na prova individual", disse Paulo André.

Outro jovem em ascensão no atletismo brasileiro é Alison dos Santos, 19, conhecido pelo apelido de Piu. No Pan de Lima, ele conquistou a medalha de ouro nos 400 m com barreiras e registrou o sexto melhor tempo do mundo em 2019 (48s45). A marca lhe daria a medalha de prata no Campeonato Mundial de 2017. 

“Estar correndo sempre no melhor resultado ou perto dele dá uma constância para você chegar ao Mundial e não baixar a cabeça para ninguém, porque somos todos iguais ali”, afirmou o atleta.

Campeão olímpico do salto com vara em 2016, Thiago Braz, 26, tem a quarta marca no ranking do ano (5,92 m), mas está longe de apresentar regularidade. No Pan, por exemplo, ele não passou de 5,51 m.

Gabriel Constantino, 24, (110 m com barreiras), Almir dos Santos, 26, (salto triplo), Caio Bonfim, 28, e Erica Sena, 34 (marcha atlética), completam a lista de representantes brasileiros no top 8 de suas provas que competirão em Doha.

Um desfalque significativo será Andressa de Morais, 28, medalhista de prata no lançamento do disco no Pan. Ela foi suspensa provisoriamente neste mês pela Athletics Integrity Unit (órgão de controle do atletismo) por testar positivo para SARM (sigla em inglês para moduladores seletivos de receptor de androgênio) durante a competição no Peru.

As competições em Doha serão realizadas no estádio Khalifa, reformado para receber a Copa do Mundo de 2022. Uma das maiores preocupações de atletas e organizadores é com o calor. As provas de maratona e marcha atlética começarão à noite e avançarão na madrugada local, mas mesmo nesses horários os termômetros deverão marcar acima de 30ºC.

Darlan Romani nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019
Darlan Romani nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 - Luis Acosta - 7.ago.19/AFP

Datas de finais do Mundial de atletismo

100 m rasos masculino - sábado (28), 16h15
Salto triplo masculino - domingo (29), 15h45
100 m rasos feminino - domingo (29), 17h20
Marcha atlética 20 km feminino - domingo (29), 17h30
400 m com barreiras masculino - segunda (30), 16h40
Salto com vara masculino - terça (1º), 14h05
200 m rasos masculino - terça (1), 16h40
200 m rasos feminino - quarta (2), 16h35
110 m com barreiras masculino - quarta (2), 17h
Marcha atlética 20 km masculino - sexta (4), 17h30
Arremesso do peso masculino - sábado (5), 14h05
Salto triplo feminino - sábado (5), 14h35
Revezamentos 4 x 100 masculino e feminino - sábado (5), 16h05

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.