Clubes de futebol investem para tentar dominar NBB

São Paulo se junta a Corinthians, Flamengo e Botafogo na liga de basquete

São Paulo

Dos 16 clubes inscritos na temporada 2019/2020 do NBB (Novo Basquete Brasil), 4 são equipe tradicionais no futebol. Apesar das pretensões e históricos diferentes nos ginásios, em comum todos eles chegam com chances de disputar as primeiras posições na tabela da competição, com início marcado para este sábado (12).

O Flamengo, atual campeão brasileiro, e Botafogo fizeram uma das semifinais da última edição do torneio. O Corinthians, que retornou à elite do basquete nacional no ano passado e avançou até as quartas de final, está na decisão do Campeonato Paulista após 34 anos.

O São Paulo, recém-chegado à liga após ficar em segundo lugar na divisão de acesso, avançou até as semifinais do estadual de 2019 após eliminar o tradicional Bauru.

Equipe do São Paulo foi vice-campeã da Liga Ouro na última temporada e está no NBB
Equipe do São Paulo foi vice-campeã da Liga Ouro na última temporada e está no NBB - Rubens Chiri/São Paulo FC

Estreante no NBB, a equipe tricolor mostrou força na montagem do elenco. Entre as principais contratações estão a do ala americano Shamell, 39, maior cestinha da história do torneio, o também ala Léo Meindl, 26, e o armador Georginho, 23, que chegou a ter contrato com o Houston Rockets em 2017.

"Recebemos diversas mensagens de atletas importantes, de nível de seleção, que nos perguntam: 'E aí, quando vão me contratar?'. Acredito que montamos uma equipe bem forte para o primeiro ano. Não podemos prometer título, mas o São Paulo não vai entrar só para participar", afirma Carlos Belmonte, diretor social do São Paulo.

Modalidade tradicional na história são-paulina, com títulos paulistas no feminino e no masculino na década de 1940 e do Campeonato Brasileiro feminino de 2002, a retomada do projeto do basquete recebeu mais apoio que resistência dentro do clube.

"No começo sempre há uma apreensão, mas isso é natural por se tratar de um clube que respira futebol. O São Paulo é muito grande para ter apenas o futebol masculino, que obviamente é e sempre será a razão da nossa existência, mas há espaço para outras modalidades, como o basquete e o vôlei", diz.

Recentemente, o São Paulo anunciou a chegada do patrocínio da Betsur, um site de apostas esportivas que investirá no futebol masculino, feminino e também no basquete. Mas há ainda a dificuldade de encontrar parceiros exclusivos para a modalidade.

Na partida de estreia contra o Corinthians, na próxima terça-feira (15), às 20h, no ginásio Wlamir Marques, a equipe já terá um problema: por falhas na logística, os calções da Adidas não chegarão a tempo e o time terá de vestir uma versão alternativa do uniforme.

"Houve um problema pontual, mas a Adidas prontamente se dispôs a resolver. Em breve estaremos com o uniforme da Adidas também no basquete, algo importante para a parceira e para o São Paulo", diz Belmonte.

Segundo Donato Votta, diretor de esportes terrestres do Corinthians, o orçamento do projeto de basquete do clube alvinegro para essa temporada aumentou no máximo 10% em comparação ao da última. O que fez a diferença, na opinião dele, foi ter mais tempo para montar uma equipe competitiva.

"No ano passado, quando entramos no mercado após a confirmação da vaga no NBB, os outros times já estavam montados. Neste ano pudemos planejar, monitoramos atletas ao longo da temporada e conseguimos identificar antes potenciais reforços que queríamos trazer", diz o dirigente alvinegro.

Entre as novidades estão o armador Arthur Pecos (ex-Mogi), 25, o pivô David Nesbitt (ex-Flamengo), 28, além do ala Tracy Robinson, 31, e do pivô Anthony Johnson, 33, ambos americanos.

O time manteve o armador Ricardo Fischer, 28, que se lesionou e perdeu boa parte da última temporada, e o ala peruano Kyle Fuller, 27, tão identificado com o clube que ganhou o apelido de "gringo da favela".

A principal perda foi o armador uruguaio Luciano Parodi, 25, que chegou para substituir Fischer, se destacou e acabou contratado pelo Sesi Franca.

Para Votta, a chegada do São Paulo à elite com um projeto consistente motiva o Corinthians a evoluir e não perder terreno em quadra para o rival dos gramados.

"Às vezes no mesmo dia tem jogo [de futebol] na arena e no Wlamir Marques, e o pessoal reclama. Já estamos criando um público fiel do basquete. Corintiano não gosta de perder nem par ou ímpar, mas quando os atletas correspondem o torcedor nem cobra título, ele quer ver vontade", afirma o dirigente.

Todos os jogos envolvendo os chamados clubes de camisa do NBB, mesmo entre um time de São Paulo e outro do Rio de Janeiro, serão realizados com torcida única.

No último dia 4, durante a final do Campeonato Carioca e que tinha mando do Flamengo, torcedores do Botafogo tentaram invadir o ginásio do Tijuca Tênis Clube e causaram tumulto que terminou no uso de bombas de efeito moral pela polícia para tentar conter os invasores. Por conta da confusão, o jogo chegou a ficar paralisado no primeiro quarto.

"Se dependesse apenas da liga, faríamos uma grande festa do basquete nessas praças com arquibancadas divididas. Nas primeiras oportunidades de termos clássico no NBB, tentamos fazer jogos com torcidas divididas, mas por diversos motivos que fogem do nosso controle, nunca foi possível", diz Kouros Monajdemi, presidente da Liga Nacional de Basquete, que organiza o NBB.

Se Corinthians, São Paulo e Botafogo ainda buscam seu lugar na elite atual do basquete, o Flamengo, campeão de 6 das 11 edições do torneio, está consolidado nela. É acompanhado pelo Franca, vice-campeão na última temporada, e agora também pelo Minas Tênis Clube.

Os mineiros, que já tinham o ala Leandrinho, 36, no seu elenco, trouxeram para a posição Alex Garcia, 39, outro jogador da seleção brasileira, e o ala-pivô americano Tyrone, 31.

O Flamengo, que perdeu o pivô Anderson Varejão, 37 —ainda sem destino definido—, apostou na chegada dos americanos Leron Black, 23, e Zach Graham, 30, além da manutenção de nomes como o armador argentino Franco Balbi, 30, e o ala da seleção Marquinhos, 35.

Cariocas e mineiros já medirão forças neste sábado (12), no primeiro jogo da competição, às 12h45. A Band transmite o duelo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.