Espero que o São Paulo também seja o clube da minha vida, diz Juanfran

Ídolo no Atlético de Madri, espanhol quer tirar time da fila com 'gene vencedor'

Bruno Rodrigues João Gabriel
São Paulo

No vídeo que anunciou sua chegada ao São Paulo, o lateral direito espanhol Juanfran aparece olhando fotos dos times campeões mundiais que marcaram época no clube. Agora, em vez de apenas olhar, o jogador de 34 anos quer estar ali, emoldurado e eternizado em uma equipe vencedora.

“Em todos esses anos no Atlético de Madri, criei um gene especial de querer ganhar. Sei que, se conseguir isso com o São Paulo, entrarei na história do clube. Por tantos anos sem ganhar, o primeiro time que vencer vai entrar na história”, diz o são-paulino em entrevista à Folha.

Neste sábado (5), pelo Brasileiro, a equipe enfrenta o Fortaleza do técnico Rogério Ceni, às 17h, no Pacaembu, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Foi com o ex-goleiro e ídolo que o clube paulista conquistou seu último título, a Copa Sul-Americana de 2012.

Lateral-direito tem contrato com o clube do Morumbi até o fim de 2020
Lateral-direito tem contrato com o clube do Morumbi até o fim de 2020 - Ronny Santos/Folhapress

Juanfran surgiu como meio-campista ofensivo na base do Real Madrid, time para o qual torcia na infância. Mas foi no rival da cidade, o Atlético, que ele se consagrou com dois títulos de Liga Europa (2012 e 2018), um Campeonato Espanhol (2014) e uma Copa do Rei (2013), além de dois vices na Champions League (2014 e 2016).

"Estava predestinado a ser torcedor do Atlético, a ser um ‘rojiblanco’ [auvirrubro]. Meu destino era o Atlético de Madri, como agora o meu destino é o São Paulo. O Atlético é o clube da minha vida e eu espero que o São Paulo também seja", afirma, num esforço para pronunciar o melhor português possível.

Após oito temporadas na equipe espanhola, em que se tornou ídolo sob o comando do técnico Diego Simeone, Juanfran abriu mão de um novo contrato no clube.

Após alguns meses de negociação com o São Paulo, deixando outras equipes esperando, a família apreensiva e a imprensa curiosa, o jogador assinou com o clube tricolor até o final de 2020.

Como foi a negociação com o São Paulo? Foi uma surpresa para mim também. Estava no Atlético de Madri, eles queriam renovar [meu contrato] por mais um ano, mas foi uma decisão própria não querer ficar. Eu queria jogar fora da Europa, ter uma experiência nova. Um dia chegou uma mensagem do [diretor de futebol] Raí, ele estava interessado em me contratar. Depois, o [zagueiro uruguaio Diego] Godín [que também jogava no Atlético] disse que o [membro da diretoria do São Paulo] Lugano queria falar comigo. Até que pudéssemos negociar, passaram três meses. Nesse período eu tinha mais times [interessados], mas na minha cabeça estava o São Paulo. Esperei, esperei, até que finalmente puderam decidir. Também eu sabia que queriam contratar o Dani [Alves], e no final tudo aconteceu. Dissemos não ao Atlético de Madri por mais um ano, uma coisa inexplicável.

Por que o São Paulo, mesmo com a possibilidade de ficar onde você é ídolo? No momento da minha vida e pela experiência que eu queria viver fora da Europa, de todas as possibilidades, a do São Paulo foi a que eu mais gostei. Havia algo especial, porque eu sabia de toda a história, que o São Paulo está há muito tempo sem ganhar um título. Eu me considero uma pessoa vencedora, quero ganhar sempre. Em todos esses anos no Atlético, criei um gene especial de querer ganhar e conseguir títulos. Sei que, se conseguir isso com o São Paulo, entrarei na história do clube. Por tantos anos sem ganhar, o primeiro time que ganhar vai entrar na história. Mais do que uma cidade ser melhor, ou um clube pagar mais, eu não pensava em nada disso. Toda a imprensa, as pessoas que eu conheço, nunca imaginavam que eu poderia jogar aqui. Não por menosprezar o Brasil ou o São Paulo, mas porque de lá normalmente não vêm os jogadores para cá. Os jogadores de cá vão para lá.

Em pouco tempo de clube, você já viveu dias de festa, mas também protestos da torcida e troca de treinador. Como enxerga isso? Em apenas dois meses, já vivi todas as experiências que se pode viver. Mas eu entendo, porque nossa torcida é ganhadora e está acostumada com um clube grande, não com uma situação de cinco jogos sem ganhar. Para mim, não consigo conceber. Normalmente [na faixa do campo] onde eu jogo estão os jogadores mais rápidos, os de melhor um contra um. É um desafio para mim, que com 34 anos tenha que competir com grandes atacantes brasileiros. Estou gostando de tudo. O que não estou gostando é ver o São Paulo na posição em que estamos [7º colocado].

Você falou sobre o jogo um contra um. Sente que aqui você está mais exposto a esse tipo de duelo do que na Europa? Sim! Lá, sobretudo no Atlético, você está sempre protegido, porque o time está acostumado, com o Simeone, a fazer coberturas, a defender atrás mais do que ficar lá na frente. Jogando assim por oito, nove anos, você se acostuma a uma forma de jogar. Mas lá eu também enfrentei os melhores. Neymar, Ribéry, Cristiano [Ronaldo]. O Simeone pensa que os atacantes são os primeiros defensores. Aqui se dá mais liberdade aos atacantes, então toda partida é um desafio.

Como foi trabalhar tantos anos com o Simeone? Mais do que transmitir [o que ele quer para o time], ele precisa que os jogadores acreditem nele. Se o Simeone falasse que para ganhar a gente precisaria pular daqui [segundo andar] até lá embaixo [no chão], nós saltaríamos. Essa é a mentalidade que ele conseguia colocar na mente do jogador. Segundo, tínhamos um grupo forte, que se sustentava no vestiário. Era como uma família. É o que tentamos no São Paulo.

Espanhol concedeu entrevista à Folha no CT do São Paulo
Espanhol concedeu entrevista à Folha no CT do São Paulo - Ronny Santos/Folhapress

E como tem visto o modo de trabalhar do Fernando DinizEle tem um pensamento de futebol de muitos times e treinadores importantes europeus. No futebol, não há só uma fórmula para ganhar. A de Simeone, de estar mais junto e sair no contra-ataque, deu títulos ao Atlético. Essa ideia que ele [Diniz] tem, nós temos que colocar no jogo. Quando apita o árbitro, os que jogam somos nós, temos que ter personalidade e gana. Nem tudo é dar 30 passes e marcar, ou defender, dar três passes e marcar.

Qual foi o momento mais inesquecível de sua carreira? Com dois, três meses depois de chegar ao clube, meu pai morreu. Ele não pôde ver a carreira tão boa que tive no Atlético em oito anos. Seguramente, ele está lá em cima e orgulhoso do meu trabalho, de tudo o que pude fazer no Atlético, na seleção, porque era um sonho para ele que eu pudesse jogar pela seleção. Um momento muito bom e muito especial foi a primeira final que ganhamos do Real [Madrid], na Copa do Rei. O Atlético levava 14 anos sem ganhar um dérbi, e 14 anos são muitos anos.

Qual era o nome do seu pai? Juan, como eu. Ele era torcedor do Real, como eu era de pequeno. Mas menos mal que mudei [risos]. [O ex-atacante] Fernando Torres disse que todas as pessoas, dentro de si, têm um pouco de Atlético de Madri. Mas muitas pessoas ainda não sabem. Meu destino era o Atlético de Madrid, como agora o meu destino é o São Paulo. O Atlético é o clube da minha vida, e eu espero que o São Paulo também seja.

Juanfran celebra gol do Atlético de Madri com o atacante David Villa. Lateral jogou de 2011 a 2019 no clube
Juanfran celebra gol do Atlético de Madri com o atacante David Villa. Lateral jogou de 2011 a 2019 no clube - Javier Soriano/AFP

Como tem sido jogar junto do Daniel Alves e como conversam para encontrar a melhor situação para os dois? Ele fica contente de estar jogando em uma posição, digamos, nova para ele. Tem muitas qualidades para jogar em qualquer posição. Se ele tem que jogar um dia na lateral, será a decisão de Fernando [Diniz] e eu vou respeitar. Se tiver de jogar Igor [Vinícius], estou para um minuto ou para 90, dentro de campo ou fora, e dar o melhor para o clube. É um privilégio estar jogando com ele. Dani está me ajudando. [Com ele] No Barcelona, brigamos muito.

Aos 34 anos, você pensa em jogar até quando? Faltam muitos anos [risos]. Eu falo para minha esposa: ‘Até que as pernas aguentem’. Mas eu penso que o coração aguentará mais que as pernas. Penso que para aguentar muitos anos, você tem que se sentir motivado. Eu estou obcecado com isso. Estou sempre pensando em trabalhar, trabalhar, trabalhar. Não jogo para ser mais famoso, jogo pela minha família, que está em casa ou no estádio vendo o jogo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.