Descrição de chapéu Futebol Paulista

Fechado, 1º clube-empresa do Brasil põe esperanças no Congresso

União São João virou sociedade anônima em 1994 e está inativo desde 2015

São Paulo

O clube que é dono do estádio Hermínio Ometto, em Araras (a 168 km de São Paulo), não entra em campo desde 2015. Mas o local ainda tem sua infraestrutura funcionando, com corte de grama, limpeza das arquibancadas e energia elétrica. Tudo isso pela esperança de que o União São João Esporte Clube possa voltar a jogar.

O primeiro clube-empresa da história do futebol brasileiro fechou as portas para “não passar vergonha”, de acordo com José Mario Pavan, presidente da agremiação e um dos sócios da sociedade anônima que administrava o futebol.

A esperança dele é que a volta seja viabilizada por projetos de lei em discussão e que incentivam as equipes brasileiras a se tornarem companhias privadas. Algo que o União São João já é.

Vista do gramado do estádio Hermínio Ometto, em Araras, antes do início da Copa São Paulo de 2013
Vista do gramado do estádio Hermínio Ometto, em Araras, antes do início da Copa São Paulo de 2013 - Juca Varella-9.jan.13/Folhapress

O União São João S.A tem CNPJ, mas está inativo. O União São João Esporte Clube se licenciou na Federação Paulista. O clube que disputou a Série A do Campeonato Brasileiro quatro vezes, entre 1993 e 1997, terá de jogar a Segunda Divisão estadual caso retorne. Apesar da nomenclatura, trata-se do quarto e último patamar do futebol de São Paulo.

“Depois da Lei Pelé, o futebol brasileiro ficou elitizado. Esqueceram dos times pequenos. Se não tiver o pequeno, não tem o grande. O jogador se forma nos times pequenos. O Brasil hoje em dia tem carência de jogadores por causa disso”, afirma Pavan.

Reclamar da legislação promulgada em março de 1998 é traço comum de dirigentes de clubes de divisões menores, principalmente por causa da extinção do que se convencionou chamar de “lei do passe”. Isso, segundo Pavan, fez com que os empresários de futebol tivessem um poder que antes era inédito.

Até a entrada em vigor da Lei Pelé, o jogador ficava preso ao clube mesmo depois que terminasse o seu contrato.

Esse não foi o único motivo para o União São João começar a enfrentar problemas financeiros a partir de 2003, processo que culminou na sua paralisação 12 anos depois.

“Eu procurava jogadores no Norte, Nordeste... Gostava de viajar pelo Brasil descobrindo talentos e levava para Araras a custo zero. Quando isso acabou, o clube começou a ter de investir mais no futebol”, diz Iko Martins, um dos criadores do União São João S/A ao lado de Pavan. Ele hoje está afastado da agremiação e da empresa.

Foi desse jeito que o clube revelou Léo (lateral esquerdo ex-Santos, Benfica e seleção brasileira), Vagner (Santos, São Paulo e Vasco), Romarinho (Corinthians), Clayson (Corinthians), Henrique Dourado (Palmeiras, Flamengo e Fluminense) e Diogo Pituca (Santos).

“Dos elencos atuais dos grandes clubes do estado, só o São Paulo não tem jogadores que passaram pelo União”, declara Pavan.

A maior revelação da história do União São João foi Roberto Carlos. Vendido por US$ 500 mil (cerca de R$ 2 milhões em valores atuais) para o Palmeiras em 1992, jogou na Internazionale (ITA), Real Madrid e participou de três Copas do Mundo. Foi campeão em 2002 com a seleção brasileira.

Nos anos de bonança, o União movimentou tanto dinheiro que Pavan e Martins assumiram também o futebol do Velo Clube de Rio Claro (174 km de São Paulo) durante os anos 1990. Não deu certo.

A decisão de transformar o clube de Araras em empresa aconteceu em 1994, com a criação de uma sociedade anônima. O fundador e financiador do União São João, Hermínio Ometto, havia morrido em 1986 sem ver o time chegar à primeira divisão estadual, o que aconteceu apenas em 1988.

Ele havia criado o time em 1953, mas com idas e vindas em torneios profissionais. Depois de encerradas as atividades, voltou em 1981. O empresário queria mantê-lo como Usina São João, negócio de cana-de-açúcar do qual era dono, mas as regras da Federação proibiam o nome de companhias nos clubes. Optou por União São João, mantendo a mesma sigla (USJ) e com as cores verde e branca do seu time do coração, o Palmeiras.

Com dificuldade para se equilibrar sem o dinheiro da família Ometto, Pavan, Martins e outros diretores decidiram profissionalizar o futebol, com executivos para diferentes setores e metas de resultados. Funcionou por alguns anos, apoiado na fórmula de descobrir atletas baratos, usá-los por uma temporada na equipe de Araras e depois vendê-los para grandes clubes, com lucro.

“Hoje em dia, time de interior que se dá bem e sobrevive é aquele que tem subsídio de grandes empresas, como o Red Bull [hoje no Bragantino] ou Novorizontino”, diz Pavan.

Roberto Carlos, lateral da seleção brasileira pentacampeã e revelado pelo União São João, autografa camisetas para torcedores no estádio Hermínio Ometto, em Araras
Roberto Carlos, lateral da seleção brasileira pentacampeã e revelado pelo União São João, autografa camisetas para torcedores no estádio Hermínio Ometto, em Araras - Marcos Ribolli-22.nov.10/Lancepress

Na dívida ativa da União, o time de Araras deve R$ 3,5 milhões. Com a inclusão das dívidas trabalhistas, o presidente avalia que o débito total chegue a R$ 5 milhões. Dirigentes que passaram pelo clube acreditam que o número real esteja em cerca de R$ 15 milhões.

Houve tentativas para ressuscitar a equipe em 2015 e 2018. Na primeira, Roberto Carlos comentou o desejo de comprá-la, mas as conversas não foram adiante, em parte porque o lateral queria fazer negócio com um empresário que afirmava ter o controle acionário da S/A, mas não tinha.

No ano passado, o prefeito de Araras, Pedrinho Eliseu (PSDB), buscou ajuda de agentes de futebol para recolocar o time em campo. Não conseguiu.

A última esperança do primeiro clube-empresa do Brasil é a aprovação de um dos projetos em discussão no Congresso Nacional. Pelo menos é no que acredita seu presidente. “Sem isso, fica bem difícil. Estamos de olho no andamento da lei para tentar buscar investimentos. Quem sabe aparece algum dinheiro do exterior?"

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.