Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Bolsonaro minimiza rejeição de santistas e espera bom tratamento na Vila

Torcedor do Palmeiras, presidente diz ser um amante do futebol

Santos

O presidente Jair Bolsonaro minimizou a rejeição manifestada por parte da torcida do Santos na chegada ao Guarujá, no litoral paulista, na manhã desta sexta-feira (15).

O político afirmou que espera consideração e bom tratamento dos santistas no clássico contra o São Paulo, neste sábado (16), às 17 horas, na Vila Belmiro, válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ele confirmou presença na partida, que terá torcida única do Santos.

“A torcida do Santos vai me tratar com consideração, como sempre tratei todas as torcidas do Brasil”, afirmou Bolsonaro, que é palmeirense.

O presidente foi recebido por aproximadamente 30 pessoas que o aguardavam para tirar fotos. Houve troca de empurrões e gritaria por parte de alguns presentes.

“Se for palmeirense, eu tiro foto”, brincou Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro posa para fotos no Guarujá
Jair Bolsonaro posa para fotos no Guarujá, perto de Santos - Klaus Richmond/Folhapress

Ele ficará hospedado no Hotel de Trânsito da sede da 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea, conhecido por ter recebido por seis vezes o ex-presidente Lula e a esposa Marisa Letícia.

Antes mesmo da confirmação da ida de Bolsonaro ao estádio, uma parcela da torcida do Santos se mobilizou contra a sua presença. O assunto chegou a ser o mais comentado no Brasil no Twitter na última quarta-feira (13), com os dizeres “#BolsonaroNaVilaNão”.

A rejeição à passagem do político pelo estádio também se estendeu oficialmente a uma das principais torcidas organizadas do clube, a Torcida Jovem.

“Repudiamos o palanque político que essa visita significa e reforçamos que os posicionamentos ideológicos de Bolsonaro são incompatíveis com a pluralidade social, racial, étnica e cultural da torcida santista e de toda a história de luta da Torcida Jovem contra a ditadura militar, enaltecida por esse político”, disse a torcida em nota.

Já Renato Gaúcho, do Grêmio, mostrou-se bem mais receptivo. O técnico disse ter conversado por telefone com o presidente e lhe falado para ver o jogo do Palmeiras contra o Grêmio, no próximo dia 24, no Allianz Parque, em São Paulo.

"Ele disse que faria o possível, mas que estava com a agenda um pouco cheia", disse o treinador. "É o presidente do Brasil, não é torcedor de Palmeiras ou Flamengo. Tem uma bandeira só o país. Ele torce para todo mundo, gosta de futebol. Espero que esteja no jogo do Grêmio. Gostaria de dar um abraço nele."

Como nem todos pensam como Renato, a equipe de segurança do político estuda a possibilidade de entrar com ele na Vila Belmiro com a partida deste sábado já em andamento. Colocado em um camarote do estádio reservado à presidência do Santos, ao lado do mandatário alvinegro José Carlos Peres, Bolsonaro também deverá sair antes do apito final, para tentar evitar tumultos.

A estratégia é diferente da adotada em sua aparição na partida entre Palmeiras e Botafogo, há pouco mais de um mês, pela 25ª rodada da competição, no estádio do Pacaembu, quando chegou ao local com uma hora de antecedência.

O plano é que Bolsonaro pouse de helicóptero no campo da Portuguesa Santista, que fica a menos de 1 km de distância da Vila. No estádio santista, existe a possibilidade de que entre de carro no ginásio, evitando uma ação de risco ao caminhar pelas ruas, e ser encaminhado até o camarote.

Jair Bolsonaro deixou Brasília por volta das 6h desta sexta-feira (15) e está sem agenda oficial. A previsão é que ele retorne às 10h de domingo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.