Descrição de chapéu Futebol Internacional

Documentário mostra 'deus Maradona' em seus anos no Napoli

Filme é do mesmo cineasta que dirigiu longa sobre Ayrton Senna e Amy Winehouse

Alex Sabino
São Paulo

"Com Diego eu iria até o final do mundo. Com Maradona não daria um passo"

A frase do preparador físico e amigo do jogador, Fernando Signorini, é a tônica do documentário "Diego Maradona", exibido pela primeira vez no início de outubro deste ano e exibido nos Estados Unidos pelo canal HBO. Ainda não há previsão de lançamento no Brasil.

O filme é dirigido pelo britânico Asif Kapadia, vencedor do Oscar em 2016 com com "Amy", documentário sobre a vida da cantora Amy Winehouse.

Diego Maradona no camarote em São Petersburgo, na Rússia, antes da partida da Argentina contra a Nigéria, pela Copa do Mundo de 2018
Diego Maradona no camarote em São Petersburgo, na Rússia, antes da partida da Argentina contra a Nigéria, pela Copa do Mundo de 2018 - Giuseppe Cacace-26.jun.18/AFP

Assim como aconteceu em outros trabalhos de Kapadia, como "Senna", sobre o piloto brasileiro Ayrton Senna, chama a atenção a quantidade de imagens de bastidores, familiares ou de antigas entrevistas do personagem. A maioria nunca antes vista pelo público em geral.

A narrativa de duas horas de duração é construída a partir dessas imagens. Não há entrevistas exclusivas feitas para o documentário de Maradona.

Existem depoimentos, mas eles são sobrepostos a vídeos antigos ou mesmo fotos.

Embora dedique trechos à infância pobre de Diego, ao Boca Juniors, Barcelona e na sua vida pós-futebol, a maior parte das duas horas de documentário refletem o período entre 1984 e 1991. Os anos de sua passagem pelo Napoli.

Maradona colaborou com o documentário. Há declarações suas, mas poucas.

"Quando cheguei a Nápoles, fui recebido por 85 mil pessoas. Quando fui embora, estava só", ele cita nos minutos finais, após ser flagrado no antidoping pelo uso de cocaína em uma partida contra o Bari, pelo Campeonato Italiano.

Em entrevista para o diário inglês The Guardian, Kapadia definiu “Diego Maradona” como a terceira parte de uma trilogia de crianças precoces e fama. As outras duas seriam “Senna” e “Amy. Mas o caso do argentino vai além de simplesmente ser famoso ou genial. Trata-se sobre ser deus, mesmo que uma divindade com defeitos imperdoáveis, como o vício em cocaína e o não reconhecimento de Diego Armando Júnior, seu filho fora do casamento que encontrou apenas 30 anos depois.

Um dos momentos mais divertidos do documentário é quando o Napoli conquista o título nacional pela primeira vez, em 1987, e o cemitério da cidade amanhece com uma faixa dizendo “vocês não sabem o que perderam.”

“Não se pode falar mal de Maradona porque se você fala mal de Maradona, está criticando Deus e Deus não se pode criticar porque está sobre todas as coisas”, afirma um torcedor.

A adoração, uma benção após o período de decepção no Barcelona, começa a se tornar um fardo. O filme mostra como Diego se torna refém desse amor exacerbado porque não pode sair de casa, ir a um restaurante, ao teatro. Em qualquer lugar, é perseguido por uma multidão, pela imprensa ou ambos. Ele encontra conforto nos braços de Carmine Giuliano e sua família, chefe da Camorra, a máfia napolitana.

O próprio Maradona admite ter passado a confiar neles para suprir seu cada vez maior vício de cocaína. “Quando você começa a depender da Camorra, se torna sua propriedade”, constata.

Sua mulher Claudia Vilafañe observa que aquele não era mais o Diego que ela havia conhecido. Era outra pessoa. Era Maradona.

No filme, a queda é tão interessante quanto a ascensão. Quando ele continua amado em Nápoles, por exemplo, mas é detestado no restante da Itália, principalmente após a Argentina eliminar o país na semifinal da Copa de 1990 e na cidade que adotou como sua segunda casa.

Era a época em que ele já estava na descendente esportivamente, mas continuava, mesmo lesionado, capaz de levar uma seleção limitada a uma final de Copa do Mundo.

“Diego tinha inseguranças, mas era um garoto maravilhoso. Maradona era o personagem que teve de se inventar para estar à altura das exigências dos meios de comunicação e da mídia. Maradona não podia se permitir nenhuma fraqueza”, completou Signorini, o amigo que se afastou nesta época, mas retornou para colocá-lo em forma para disputar o Mundial de 1994.

O camisa 10 está sempre nessa contradição entre duas pessoas distintas. Algo que em muito lembra a dicotomia entre Edson Arantes do Nascimento e Pelé.

Diego não nega a mudança de personalidade.

“Sim, mas se não fosse por Maradona, eu ainda estaria na Villa Fiorito”, responde.

Villa Fiorito é a miserável cidade na região de Lomas de Zamora, na grande Buenos Aires. Seu único objetivo, ao começar jogar bola, era sair dali e dar uma casa aos pais.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.