Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Família de vítima de Paraisópolis entrará em campo com Corinthians

Dennys era corintiano e tinha 16 anos quando morreu em ação da PM no baile funk

São Paulo

O irmão e o primo de Dennys Santos, jovem morto após intervenção da Polícia Militar (PM) no baile funk na favela de Paraisópolis, entrarão em campo com o time do Corinthians, no duelo deste domingo (8) contra o Fluminense, em São Paulo.

A família foi contatada por integrantes do Núcleo de Estudos do Corinthians e do coletivo Democracia Corinthiana, que intermediaram as conversas para que Lucas Santos, 10, irmão mais novo de Dennys, e Murillo dos Santos, 4, primo, fossem incluídos entre as crianças que entrarão com a equipe. O clube confirmou os dois nomes.

"Eles fazem um trabalho maravilhoso e eu fico agradecido de coração pela atenção deles", disse Rodrigo, irmão mais velho da vítima e membro da torcida organizada Gaviões da Fiel.

 
Dennys Santos, jovem morto durante ação da Polícia Militar em baile funk em Paraisópolis
Dennys Santos, jovem morto durante ação da Polícia Militar em baile funk em Paraisópolis (SP) - Crédito: acervo pessoal

​Dennys tinha 16 anos e era corintiano. Segundo o irmão, os dois já foram juntos várias vezes à Arena Corinthians ver o time jogar e já assistiram também partidas no estádio do Pacaembu.

"Na véspera da final contra o Palmeiras, final do Paulista [2018],  a gente foi assistir ao treino na Arena. A torcida entrou no campo. Foi marcante", conta Rodrigo sobre momentos que ficaram na memória dele com o irmão.

Dennys morreu durante a ação da PM. A operação aconteceu durante um baile funk no último domingo (1º) acabou com a morte de nove jovens na favela de Paraisópolis, em São Paulo.

A irmã de Dennys, Fernanda Santos, questiona a versão oficial da Polícia de que o jovem teria sido pisoteado durante a correria.

"Ele estava com a barriga coberta, não me deixaram ver. Eu pedi para tocar ele, não me deixaram tocar ele", disse, relatando o que aconteceu quando foi ver o corpo no Instituto Médico Legal (IML).

Ela conta ainda que amigos teriam tentado socorrer Dennys, mas que os próprios policiais impediram. Para Fernanda, os ferimentos no corpo do jovem aparentam ser de agressão.

"Tem só um galinho (na cabeça), a mão dele está intacta, do joelho para baixo também. Isso não foi pisoteamento."

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, da gestão do governador João Dória (PSDB), disse que o IML registra todos os sinais de lesões e que não impede a família de tocar o corpo da vítima.

"O que se restringe é a entrada de pessoas estranhas ao ambiente, em respeito às questões sanitárias exigidas pela legislação. A Corregedoria das polícias está à disposição para receber denúncias e reclamações em relação à atuação dos agentes públicos."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.