Djokovic vence, chora ao lembrar de Kobe e enfrentará Federer

Tenistas sérvio e suíço farão uma das semifinais do Australian Open, na quinta

São Paulo

Novak Djokovic, 32, poderia estar feliz por alcançar mais uma semifinal do Australian Open, após vencer Milos Raonic por 6/4, 6/3, 7/6 (7/1) nesta terça-feira (28). Ao ser questionado sobre a morte de Kobe Bryant ao final da partida, no entanto, ele não conseguiu conter as lágrimas.

"Tive a sorte de ter uma relação pessoal com ele nos últimos dez anos. Quando eu precisei de conselhos e suporte, ele estava lá para mim. Ele foi meu mentor, meu amigo. É de partir o coração ver e ouvir o que aconteceu com ele e sua filha...", respondeu o sérvio em entrevista ao ex-tenista americano John McEnroe, antes de chorar.

Djokovic já havia dito mais de uma vez em sua carreira o quanto Kobe foi importante para ele, como alguém que o ajudou nos momentos mais difíceis. Por isso, o tenista entrou em quadra com um casaco homenageando o jogador de basquete e também lembrou dele e de Gianna, 13, quando assinou as lentes da câmera após a vitória.

 

O astro do Los Angeles Lakers viajava de helicóptero com sua filha, considerada uma promessa do esporte, para um jogo de basquete do time dela, quando houve o acidente, no domingo (26).

Coincidentemente, na última sexta-feira (24), dois dias antes do acidente, Djokovic havia sido questionado sobre sua relação com Kobe.

"Quando estive machucado, tendo dificuldades para emocionalmente lidar com tudo que acontecia comigo —a queda no ranking, tendo que voltar para cima—, ele foi uma das pessoas que estiveram lá para mim e deu conselhos valiosos para que eu acreditasse em mim, no processo, que eu voltaria para onde eu estive. Eu sou muito grato a ele por estar lá me apoiando. Eu amo Kobe. Quem não ama?", disse o sérvio ao canal de televisão americano ESPN.

Vestindo um casaco com as letras "KB", em homenagem a Kobe Bryant, Djokovic chorou ao ser questionado a morte da lenda do basquete
Vestindo um casaco com as letras "KB", em homenagem a Kobe Bryant, Djokovic chorou ao ser questionado a morte da lenda do basquete - Greg Wood/AFP

Com a vitória nesta terça, Djokovic enfrentará nas semifinais outro ex-número 1 do mundo, Roger Federer, 38. O suíço penou e teve que salvar sete match points para derrotar Tennys Sandgren, 28, em cinco sets, com parciais de 6/3, 2/6, 2/6, 7/6 (10/8) e 6/3.

O suíço chegou a sentir um desconforto na coxa e precisou pedir atendimento médico durante o terceiro set, mas se recuperou na partida, salvou os match points durante a quarta parcial e levou também a quinta para avançar no torneio. A semifinal será realizada na manhã de quinta-feira.

Federer busca seu 21º título de Grand Slam na carreira. Atual recordista entre os homens, ele vê sua marca ameaçada como nunca. Rafael Nadal, que está nas quartas de final na Austrália, tem 19 títulos. Já Djokovic, com 16, também se aproxima da marca.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.