Jogadora brasileira faz apelo para governo federal tirá-la da China

Millene Fernandes está em Wuhan, epicentro da epidemia de coronavírus

Rio de Janeiro | AFP

A jogadora de futebol Millene Fernandes pediu ao governo brasileiro que a ajude a deixar a cidade chinesa de Wuhan, epicentro da epidemia do novo coronavírus, onde está de quarentena, sem sair de seu apartamento há 12 dias.

"Hoje a preocupação é muito grande, não saímos de casa há vários dias devido a nossa segurança. É claro que hoje pretendemos deixar a China, pensando na nossa saúde, e esperamos que o governo brasileiro possa nos ajudar", disse a jovem de 25 anos em um vídeo enviado nesta sexta-feira à AFP pelo seu assessor de imprensa.

A atacante deixou o Corinthians no final do ano para jogar pelo Wuhan Xinjiyuan, time da cidade chinesa. Depois de chegar no país em 16 de janeiro, ela está confinada em casa desde o dia 20.

"Quero jogar no futebol chinês, mas não sabemos quais serão os próximos passos, o campeonato foi adiado e não sabemos quando ele começará", disse.

O clube de Wuhan a autorizou a sair por empréstimo para outra equipe até que a situação melhore, afirmou.

A jogadora Milene Fernandes com o troféu do Campeonato Paulista de 2019, conquistado pelo Corinthians
A jogadora Milene Fernandes com o troféu do Campeonato Paulista de 2019, conquistado pelo Corinthians - Bruno Teixeira/Corinthians

"O clube tem me dado todo apoio e mostrou sua preocupação, mas infelizmente não há muito o que eles possam fazer", acrescentou a jogadora.

O aeroporto de Wuhan está fechado desde 23 de janeiro, e a evacuação de estrangeiros é muito complexa, devido ao medo de que o vírus se espalhe para outros países.

Centenas de cidadãos estrangeiros, especialmente europeus, foram repatriados com o apoio das autoridades de seus respectivos países.

Segundo a imprensa, existem cerca de 70 cidadãos brasileiros registrados em Wuhan, embora muitos deles tenham partido antes de a cidade ser declarada em quarentena.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.