Descrição de chapéu Tóquio 2020

Suspensão de dois anos por doping tira Rafaela Silva da Olimpíada

Judoca medalhista de ouro na Rio-2016 irá recorrer para tentar ir a Tóquio

São Paulo

A judoca Rafaela Silva, 27, foi suspensa pela Federação Internacional  de Judô por dois anos após ser flagrada em exame antidoping. Com isso, a atleta medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 na categoria até 57 kg não poderá competir na Olimpíada de Tóquio, a menos que consiga reverter a decisão nos tribunais.

A atleta carioca, que passou a ser representada após essa decisão por Marcelo Franklin, entrará com recurso na Corte Arbitral do Esporte, última instância na esfera esportiva. A informação foi revelada pelo site Globoesporte.com e confirmada pela Folha.

Rafaela Silva durante entrevista coletiva em que falou sobre caso de doping
Rafaela Silva durante entrevista coletiva em que falou sobre caso de doping - Carl de Souza - 20.set.19/AFP

Em nota, Rafaela afirmou que, por orientação de seu advogado, não irá se pronunciar sobre a suspensão até a decisão final da Corte Arbitral do Esporte. "Lutaremos até o fim pelo sonho de representar o meu país nas Olimpíadas de Tóquio 2020, pois sei que nada fiz de errado e que a justiça prevalecerá."

A judoca foi flagrada em exame antidoping com a substância fenoterol durante os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em agosto de 2019. Por decisão da Panam Sports, entidade que organiza a competição, a judoca perdeu a medalha de ouro que havia conquistado na categoria leve (até 57 kg).

O fenoterol tem efeito  broncodilatador e costuma ser usado para o tratamento de doenças respiratórias, como a asma. A substância causa aumento de performance, pois permite melhorar a troca gasosa entre o sangue e o pulmão.

A carioca afirmou que a substância entrou no seu corpo por meio do contato com a bebê de uma amiga e parceira de treino no Instituto Reação. Segundo Rafaela, a filha de Flávia Rodrigues tem asma e faz uso dessa medicação.

"Eu tenho o costume de brincar dando o nariz para a criança ficar chupando, como se fosse uma chupeta ou uma mamadeira. O que pode ter acontecido é que, conforme ela ia chupando o meu nariz, eu ia inalando a substância e mandando para o meu corpo", disse Rafaela, em setembro.

Esta foi a linha de defesa apresentada na audiência por videoconferência no último dia 15, sustentada pelo advogado dela na ocasião, Bichara Neto. O contato com a criança teria ocorrido no dia 4 de agosto, véspera do embarque para Lima.

A judoca soube do caso de doping enquanto disputava o Mundial de Tóquio, no fim de agosto, quando conquistou a medalha de bronze e fez um novo teste, que deu resultado negativo. 

No dia 8 de novembro, Rafaela anunciou que entraria em uma punição voluntária. Como ela ainda não havia sido julgada, ela poderia continuar a competir.

Rafaela Silva é considerada uma das principais judocas da história do país. Além de campeã olímpica, ela foi campeã mundial em 2013, no Rio de Janeiro, e conquistou duas pratas no Mundial de Paris, em 2011 (individual e por equipes).

Veja nota oficial da CBJ (Confederação Brasileira de Judô)

A Confederação Brasileira de Judô seguirá acompanhando os desdobramentos do processo legal referente ao caso de doping envolvendo a judoca da seleção brasileira, Rafaela Silva, com a confiança de que a justiça prevalecerá.

Rafaela Silva é campeã olímpica e mundial, exemplo de superação dentro e fora dos tatames e um dos maiores ídolos do esporte brasileiro. A CBJ prestará o suporte que lhe couber e só se pronunciará novamente após a decisão final do processo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.