Djokovic conquista Australian Open pela 8ª vez e chega a 17 Slams

Em jogo tenso, sérvio vira sobre Dominic Thiem e ganha decisão no quinto set

São Paulo

Em busca do recorde de títulos entre os homens nos torneios de Grand Slam, que pertence ao suíço Roger Federer, o sérvio Novak Djokovic deu mais um passo importante neste domingo (2), ao superar o austríaco Dominic Thiem na final do Australian Open.

Essa foi a 17ª conquista de Djokovic, 32, nos quatro eventos mais importantes do tênis, e a oitava em Melbourne (2008, 2011, 2012, 2013, 2015, 2016, 2019, 2020).

Novak Djokovic beija o troféu de campeão do Australian Open
Novak Djokovic beija o troféu de campeão do Australian Open - William West/AFP

Assim, ele se aproxima das marcas de Rafael Nadal (19) e Roger Federer (20) e pode até alcançar o suíço de 38 anos nesta temporada, mas para isso precisará de um improvável ano perfeito nos Slams. O último homem a conseguir isso foi o australiano Rod Laver, que dá nome à quadra principal do Australian Open, em 1969.

"Acho que para ter uma chance de conseguir esse recorde histórico vou tentar fazer o possível nesta temporada e no máximo na próxima", disse Djokovic.

Nos últimos nove anos, de 2011 a 2019, o sérvio conquistou 15 troféus, contra 10 de Nadal e 4 de Federer.

Djokovic, que reassume a liderança do ranking mundial pela quinta vez –já soma 276 semanas na ponta, contra 310 de Federer–, também acumula ao longo da carreira cinco troféus de Wimbledon, três do US Open e um de Roland Garros.

Neste domingo, ele esteve em apuros durante boa parte do jogo e chegou a ficar em desvantagem de 2 sets a 1 contra Thiem, mas conseguiu virar e fechar a partida na quinta parcial, após quatro horas de ação (6/4, 4/6, 2/6, 6/3 e 6/4).

O austríaco de 26 anos perdeu a sua terceira chance de conquistar um título desse nível. Em 2018 e 2019, ele foi derrotado por Nadal na decisão de Roland Garros. O tabu, então, permanece: nenhum homem nascido depois de 1988 conseguiu triunfar em Slams até hoje.

Os últimos 13 troféus desses eventos ficaram apenas entre Djokovic (cinco), Nadal (cinco) e Federer (três). O último a se intrometer foi o suíço Stan Wawrinka, 34, no US Open de 2016.

Na premiação, os dois finalistas lembraram das vítimas dos incêndios que afetaram a Austrália no fim de 2019 e início de 2020 –houve campanhas de arrecadação de fundos durante todo o torneio–, e Thiem destacou especialmente a preocupação com os animais que morreram afetados pelo fogo.

Já o sérvio voltou a falar sobre o astro do basquete Kobe Bryant, considerado por ele um mentor e que morreu no último domingo (26), após a queda de um helicóptero na Califórnia.

"Que isso sirva como lembrança para ficarmos unidos mais do que nunca, perto das pessoas que amam e se preocupam conosco. Claro, nós competimos e tentamos fazer o nosso melhor, mas existem coisas mais importantes na vida, por isso é importante ter consciência do que acontece ao seu redor", disse.

O jogo iniciou com Djokovic implacável, quebrando o saque de Thiem logo no segundo game e dando a impressão de que estaria em um de seus melhores dias. O austríaco cresceu na partida e até devolveu a quebra, mas depois falhou ao cometer dupla-falta quando sacava em 4/5 e entregou o primeiro set nas mãos do sérvio.

Na parcial seguinte, a intensidade dos pontos diminuiu, mas a voltagem de Djokovic só fazia aumentar.

Após uma quebra para cada lado, o sérvio sacava em 4/4 quando foi punido duas vezes por estourar o tempo de 25 segundos para iniciar o ponto (uma com advertência e outra com a perda do primeiro serviço).

Após perder o game, ele chegou a dar leves tapas nos pés do árbitro de cadeira e dizer, ironicamente: “Bom trabalho, cara, você está se fazendo famoso hoje, muito bem”. Thiem fechou em 6/4.

O que se viu na sequência foi o vice-líder do ranking mundial ficar perto de implodir, cada vez mais irritado em quadra, errando bolas impensáveis e aparentando cansaço.

Djokovic e Dominic Thiem posam com os respectivos troféus após a decisão do Grand Slam australiano
Djokovic e Dominic Thiem posam com os respectivos troféus após a decisão do Grand Slam australiano - Kai Pfaffenbach/Reuters

O público na Rod Laver Arena, que já tinha preferência majoritária por Thiem, respondia muitas vezes com vaia às reações de Djokovic. O austríaco se manteve centrado e liderou o terceiro set desde o início, até fechar em 6/2.

No quarto set, Djokovic se recompôs e equilibrou as ações novamente, até dar o bote certeiro quando o austríaco sacava em 3/4, quebrar o serviço do rival e na sequência confirmar o seu.

A partida foi para a parcial decisiva, e o sérvio mostrou porque ostenta um aproveitamento de 100% em finais no Australian Open. Com uma quebra de saque logo no início e dois break points salvos, ele se manteve à frente até o fim, concluindo a virada em um jogo que quase escapou do seu alcance.

Thiem, que subirá da 5ª para a 4ª colocação no ranking mundial, obteve neste domingo seu melhor desempenho em uma final de Slam, ao vencer dois sets, mas novamente voltará para casa com a sensação de que terá que esperar por uma nova oportunidade.

Maiores vencedores de Grand Slam

Roger Federer - 20
Rafael Nadal - 19
Novak Djokovic - 17
Pete Sampras - 14
Roy Emerson - 12
Rod Laver - 11
Bjorn Borg - 11

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.