Grêmio reivindica à CBF taça da Supercopa do Brasil de 1990

Duelos com Vasco na 1ª edição do torneio valeram também pela Copa Libertadores

São Paulo

Após o apito final da terceira edição da Supercopa do Brasil, às 11h deste domingo (16), em Brasília, jogadores de Flamengo ou Athletico levantarão o troféu de campeão do torneio. O ritual, praxe para condecorar campeões, foi deixado de lado na primeira edição da competição, em 1990.

O Grêmio, que superou o Vasco por 2 a 0 no placar agregado naquele ano, ostenta o título em suas estatísticas e tem o reconhecimento da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), mas nunca recebeu a taça.

Agora, tenta conseguir com a confederação um artefato simbólico, para poder exibir em seu museu que está sendo modernizado.

A atual taça da Supercopa do Brasil
A atual taça da Supercopa do Brasil - Rener Pinheiro - 4.fev.2020/MoWA Press

À Folha o atual presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, afirmou que clube enviou um requerimento à entidade, que ambos estão de acordo acerca da pendência e trabalhando juntos para resolvê-la.

“Não vai alterar absolutamente nada [sobre a conquista], mas a memória do clube precisa ser preservada. O que importa é que [o troféu] é um valor do clube”, disse Romildo.

Manoel Flores, diretor de competições da CBF, afirmou que a entidade está conversando com o Grêmio sobre o assunto: "Qualquer reconhecimento [do título] passa por um crivo técnico. Ainda não temos uma posição, mas informaremos assim que tivermos".

Coordenador do museu tricolor, Carlos Eduardo Santos conta que os embates do Grêmio (campeão da Copa do Brasil) com o Vasco (campeão brasileiro) naquele ano foram válidos tanto pela Supercopa quanto pela Copa Libertadores. Previsto para janeiro de 1990, eles precisaram ser remarcados, já que os dois times estavam com calendário apertado.

O jornal "O Fluminense" registrou a declaração do presidente do Grêmio à época, Paulo Odone, na edição do dia 10 de janeiro: "Só sabemos que não será mais possível jogar com o Vasco no dia 28 deste mês. Seria melhor até que esse jogo não ocorresse mais".

Sobre a não-entrega da taça, Santos aponta como causa o conflito entre interesses de emissoras de TV: "Tinham vendido a transmissão dos jogos da Supercopa para a Manchete, enquanto a Libertadores estava com a Globo. Como disputaram a Libertadores valendo também pela Supercopa, não entregaram a taça".

No dia 14 de março, a equipe tricolor recebeu os vascaínos no Olímpico, em Porto Alegre, e venceu por 2 a 0, gols de Nílson e Darci. A partida começou com cerca de meia hora de atraso por conta de falta de energia elétrica no estádio, que recebeu pouco mais de 37 mil torcedores.

No duelo de volta, realizado no dia 18 de abril, em São Januário, o empate em 0 a 0 deu o título da Supercopa ao Grêmio, comandado por Evaristo de Macedo. “Ficou um vazio [pela falta do troféu]. Mas o título foi comemorado, divulgado, todo mundo sabe”, afirma Bolzan.

Erramos: o texto foi alterado

O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, não tinha 15 anos quando o clube venceu a Supercopa do Brasil, em 1990, como dito inicialmente. A informação foi corrigida.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.