Mensagens complicam situação de empresária anfitriã de Ronaldinho

Elas demonstrariam que Dalia López se encarregou de produzir documentos falsos

Assunção

A esposa do empresário Wilmondes Sousa Lira, Paola Oliveira, entregou à Justiça do Paraguai mensagens e gravações que demonstram que teria sido a empresária Dalia López quem se encarregou de produzir e confeccionar documentos falsos para Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Roberto de Assis.

Em sua edição desta segunda-feira (9), o jornal ABC Color revelou parte do conteúdo dessas mensagens.

Convidados pela paraguaia López para uma série de eventos em Assunção, os brasileiros entraram no país com passaportes adulterados e estão presos preventivamente desde sexta-feira (6).

As mensagens de WhatsApp enviadas por López a Oliveira mostravam fotos dos documentos prontos e textos em que comemorava sua influência junto às autoridades que confeccionam passaportes.

Ambos foram obtidos ilegalmente, sem os requisitos que são pedidos a qualquer cidadão paraguaio, entre eles os de comparecer presencialmente ao órgão emissor e apresentar uma documentação específica.

As revelações complicam ainda mais a situação de Dalia López, que já tem pedido de prisão decretado. Além desse caso, ela já era investigada por lavagem de dinheiro.

A defesa dos brasileiros disse que eles receberam os documentos de Lira. Em depoimento na sexta, o empresário afirmou apenas ter sido o intermediário da entrega e que López tomou conta de tudo desde o princípio.

O caso também causa problemas para o governo paraguaio. O assessor geopolítico e de assuntos internacionais do ministério do interior, Rubén Melgarejo Lanzoni, renunciou nesta segunda-feira.

Neste domingo (8), o advogado dos irmãos, Sérgio Queiroz, declarou que os documentos falsificados apreendidos com a dupla “foram oferecidos a Assis como um modo para que fizessem negócios no Paraguai. E eles aceitaram essa proposta”.

Indagada sobre que tipo de negócios, a defesa não especificou. “Eles têm interesse em realizar negócios aqui como em várias partes do mundo.”

Para Queiroz, os dois estão detidos de forma “totalmente abusiva e ilegal” e a decisão do sábado (7) da juíza Clara Ruíz Díaz de acatar o pedido do Ministério Público e determinar a prisão era “rasgar a legislação paraguaia”.

Quando indagado sobre um possível vínculo com o crime organizado paraguaio por meio de López, Queiroz afirmou que ambos não tinham “nenhum vínculo com ela além dos eventos de que participariam aqui no Paraguai”.

Ronaldinho chegou ao país no dia 4, a convite de Nelson Belotti —um dos donos do cassino Il Palazzo, localizado no hotel em que o ex-atleta estava inicialmente hospedado— e da empresária.

Uma página no Facebook, “Ronaldinho en Paraguay”, anunciava nos últimos dias quais seriam os compromissos do brasileiro ao lado de López, representante da Fundação Fraternidade Angelical.

De acordo com a programação, o ex-jogador participaria do lançamento de um livro e do programa "Móvel de Saúde para Meninas e Meninos", uma iniciativa anunciada pela empresária para oferecer assistência médica gratuita a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade no país.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.