Descrição de chapéu Seleção Brasileira

Cafu faz 50 anos; relembre a carreira do capitão do penta

Lateral direito conquistou duas Copas do Mundo e teve sucesso no futebol europeu

São Paulo

Capitão da seleção brasileira na conquista do pentacampeonato mundial, em 2002, o ex-lateral direito Cafu completa 50 anos neste domingo (7).

Dono de carreira vitoriosa, ele foi campeão por onde passou e, além de fazer história com a camisa do Brasil, teve trajetória de sucesso no futebol europeu, onde atuou por mais de uma década em alto nível, consolidando a imagem dos laterais brasileiros na Europa.

Relembre as principais passagens da carreira de Cafu, que completa cinco décadas de vida.

Início e títulos no São Paulo

Depois de ser reprovado em nove peneiras realizadas em diferentes equipes, entre elas o próprio São Paulo, Cafu enfim conseguiu passar em um teste no clube do Morumbi, em 1989. Quando chegou ao time profissional no mesmo ano, iniciou a carreira como atacante pelo lado direito, para depois virar lateral.

No início, sofreu para se adaptar à nova posição com as cobranças do técnico Telê Santana, que parava os treinos para que o jovem lateral aprendesse a bater na bola e acertar seus cruzamentos. A atenção de Telê com o atleta seria fundamental para o amadurecimento de Cafu como um dos melhores laterais de sua geração.

Cafu comemora a conquista do Mundial de 1992 pelo São Paulo, que venceu o Barcelona em Tóquio
Cafu comemora a conquista do Mundial de 1992 pelo São Paulo, que venceu o Barcelona em Tóquio - Matuiti Mayezo - 15.dez.1992/Folhapress

Com a camisa tricolor, disputou 272 jogos, marcou 38 gols e conquistou dois Campeonatos Paulistas, um Brasileiro, duas Copas Libertadores, dois Mundiais de Clubes, duas Recopas Sul-Americanas e uma Supercopa.

Deixou o clube em 1994 para defender o Zaragoza, da Espanha.

Campeão no Palmeiras

Após pouco menos de um ano no Zaragoza, Cafu recebeu uma oferta do Palmeiras, à época patrocinado pela Parmalat. Mas no contrato da venda do jogador para o clube espanhol, o São Paulo havia estipulado uma cláusula que determinava o pagamento de uma multa, por parte dos espanhóis, de US$ 3,6 milhões se o lateral direito assinasse com algum rival tricolor antes de janeiro de 1996.

Cafu, pelo Palmeiras, e Marcelinho Carioca, do Corinthians, disputam a bola em clássico disputado em Presidente Prudente
Cafu, pelo Palmeiras, e Marcelinho Carioca, do Corinthians, disputam a bola em clássico disputado em Presidente Prudente - Cesar Itiberê - 4.mar.1996/Folhapress

Para evitar complicações jurídicas, o Zaragoza concedeu passe livre ao atleta. O Palmeiras, por meio da Parmalat, levou Cafu ao Juventude, que também era patrocinado pela empresa. A negociação com a equipe gaúcha serviu de ponte para que o jogador se transferisse ao Palmeiras em julho de 1995.

No Palmeiras, Cafu conquistou o título do Campeonato Paulista de 1996, em que o time alviverde anotou 102 gols. Em 1997, se transferiu para a Roma, da Itália.

Consolidação na Europa

Depois de uma passagem discreta pelo Zaragoza, Cafu chegou à Roma e iniciou no futebol italiano, de fato, sua trajetória de sucesso no futebol europeu.

Com o clube da capital, além de cada vez mais se consolidar como figura importante na seleção brasileira, ele conquistou o título da Serie A na temporada 2000/2001, encerrando um jejum de 18 anos sem faturar a liga nacional. Também em 2001, se sagrou campeão da Supercopa italiana.

Foi com a camisa da Roma que Cafu recebeu a convocação para a Copa do Mundo de 2002 e, como jogador do time italiano, levantou a taça de campeão mundial.

Em 2003, o lateral se transferiu para o Milan, onde conseguiu manter o bom nível de suas exibições, realizando também o sonho de conquistar a Champions League.

Pelo clube de Milão, faturou um Campeonato Italiano, uma Supercopa da Itália, duas Supercopas europeias, uma Champions e um Mundial de Clubes.

Em 2008, aos 37 anos de idade, fez seu último jogo pelo Milan e anunciou sua aposentadoria do futebol.

Seleção brasileira

Cafu estreou pela seleção em 1990, convocado por Paulo Roberto Falcão para uma série de amistosos. Ele não só conquistou títulos mundiais, inclusive um deles como capitão, mas se tornou o recodista de jogos pela equipe nacional, com 149 partidas (91 vitórias, 38 empates e 20 derrotas).

Em sua primeira Copa do Mundo, nos Estados Unidos, em 1994, precisou entrar ainda no primeiro tempo da final contra a Itália em razão da lesão de Jorginho. Seria a sua primeira de três decisões consecutivas de Mundiais, também um recorde na história do futebol.

Em 1998, foi titular na campanha do vice-campeonato diante da França. Quatro anos depois, como capitão, levantou a taça de campeão mundial na Copa da Coreia e do Japão e eternizou a imagem de sua camisa com a inscrição "100% Jardim Irene", uma homenagem ao bairro onde nasceu na periferia de São Paulo.

Em 2006, aos 36 anos, disputaria na Alemanha a sua quarta e última Copa do Mundo, caindo nas quartas de final contra a França.

Além dos dois títulos mundiais, conquistou uma Copa das Confederações (1997) e duas Copas América (1997 e 1999) pela seleção.

O pós-carreira

Depois de anunciar sua aposentadoria em 2008, Cafu se dedicou à sua fundação, inaugurada em 2002 no Jardim Irene e que oferecia assistência e lazer às crianças e adolescentes do bairro.

Em 2019, enfrentando problemas financeiros com a Fundação Cafu, o ex-lateral decidiu encerrar as atividades da instituição. Reportagem da Folha mostrou que a entidade era cobrada na dívida ativa da União em R$ 857 mil.

A reportagem mostrou também que Cafu tinha dívidas milionárias. O ex-atleta perdeu, no Tribunal de Justiça, cinco imóveis em pagamentos para cobrir empréstimos.

Cafu durante sorteio das chaves da Copa do Mundo de 2014, disputada no Brasil
Cafu durante sorteio das chaves da Copa do Mundo de 2014, disputada no Brasil - Juca Varella - 6.dez.2013/Folhapress

Além desses bens, outros 15 imóveis no nome dele e no nome de sua esposa, Regina, estavam penhorados na época da reportagem por dívidas da Capi-Penta International Player, empresa criada em 2004 para gerenciar a carreira de atletas, que pertence ao casal.

Cafu se mantém figura ativa no futebol. Só recentemente, participou do sorteio da Copa do Mundo de 2018, disputada na Rússia, do sorteio da Copa América de 2019, no Brasil, e se tornou embaixador do Mundial de 2022, no Qatar.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.