Descrição de chapéu Futebol Internacional

Vítima de racismo, jogador brasileiro não vai nem ao mercado na Geórgia

Filipe Paim, 23, já foi chamado de 'macaco' no campo e seguido ao fazer suas compras

São Paulo

Do outro lado da linha, a voz do baiano Filipe Vasconcelos Paim, 23, fica embargada ao falar sobre uma experiência que pode parecer banal: fazer compras.

"Você é negro? Se é, vai me entender", afirma.

O atacante do pequeno Merani Martvili, da segunda divisão da Geórgia, está no país do leste europeu desde 2018. Filipe mora em uma casa com dois jogadores africanos: um goleiro de Camarões e um atacante de Mali. Eles são os três únicos homens negros de Martvili, cidade com 4.500 habitantes a 280 quilômetros da capital, Tbilisi.

O brasileiro esperava sua vez próximo ao caixa de loja local quando uma cliente que estava na sua frente percebeu ter esquecido de pegar um item na prateleira. Quando se virou e viu Filipe, desistiu de permanecer na fila perto dele. Foi embora.

"Sabia que poderia passar por situações assim quando vim para cá. São coisas que infelizmente podem acontecer com todo negro. Inclusive no Brasil, que é um dos países mais racistas do mundo. Mas há cenas que vivi aqui que nunca tinha visto ou vivido. Mesmo pensando que algo poderia acontecer, eu sou um ser humano", completa.

Tudo ficou pior a partir de março, com a pandemia de Covid-19. Filipe diz que, quando ia ao mercado, via no olhar das pessoas o medo. Todas se afastavam. "Se havia uma criança, ela saía correndo. Não é força de expressão. Saía correndo de verdade", conta.

O brasileiro Filipe Paim durante treino do Merani Martvili, da Georgia
O brasileiro Filipe Paim durante treino do Merani Martvili, da Georgia - Divulgação / Merani Martvili FC

Um diretor do Merani Martvili pediu que ele ficasse em casa. Se precisasse de qualquer coisa, era só pedir. Mas o brasileiro não aguentava ficar trancado o tempo inteiro. Os companheiros de origem africana, quando chegaram, falavam apenas inglês ou francês. Ele não tinha com quem conversar.

Sair para caminhar sozinho, mesmo que por alguns minutos, era uma forma de manter a sanidade mental. Mas ao mercado ele diz que não vai mais. Quando necessita de algo, as mulheres georgianas que fazem a limpeza da casa onde mora se oferecem para ir às compras.

"Toda vez que eu entrava no mercado, dois funcionários me seguiam. Todas as vezes. Eu andava de um lado para o outro, ia e voltava para a mesma prateleira. Fazia de propósito, só para sacanear", relata.

"Houve um mês em que um jogador mexicano veio fazer teste no clube. Eu o levei ao mercado e, quando chegamos à porta, fiz uma experiência. Pedi para ele entrar antes. Não aconteceu nada. Foi sossegado. Quando eu entrei, dois funcionários começaram a me seguir."

Nascido em Feira de Santana (a 120 km de Salvador), Filipe iniciou a carreira no sub-17 do Rio Verde, em Goiás.

Disputou pela equipe o estadual da categoria e foi contratado pelo Goiás, clube em que ficou por dois anos. Jogou a Copa São Paulo de 2017 pelo Mogi Mirim antes de voltar para o Fluminense de sua cidade natal.

No fim daquela temporada, passou três meses em teste na Coreia do Sul. Não ficou e retornou para Feira de Santana. Foi quando surgiu a possibilidade de ir para a Geórgia no primeiro semestre de 2018. Assinou contrato com o Dila Gori, da primeira divisão. Depois se transferiu por empréstimo ao Shevardeni, da segunda, onde fez sete gols na liga.

Voltou ao Dila Gori e em fevereiro deste ano chegou ao Merani Martvili. Aceitou a transferência para ter oportunidades de jogar. Atuou apenas duas vezes antes da interrupção do futebol causada pela pandemia.

"Eu vim porque decidi que era o melhor para a minha carreira. Sei que tenho potencial para me destacar e tenho esperança de que vai aparecer algo melhor", diz o brasileiro.

Suas experiências com preconceito não são apenas dos meses no Merani Martville. Em uma partida pelo Shevardeni no ano passado, ele ouviu um torcedor gritar em inglês, na sua direção: "Volte para o seu país, macaco".

"No calor do momento e pelo fato de ter sido apenas uma pessoa, eu fiquei na dúvida do que tinha acontecido. Era em inglês e pensei que poderia não ter ouvido direito. Depois perguntei para outro jogador que estava próximo e ele me disse que tinha sido aquilo mesmo."

Nos treinos, como já aprendeu algumas palavras do georgiano, principalmente os xingamentos, o brasileiro sabe se defender. Ele afirma que nunca sofreu ofensas racistas dos companheiros, mas como sente já ter sido tratado como bode expiatório em situações que outros atletas erraram e colocaram a culpa nele aos berros, passou a devolver da mesma forma.

"Quando comecei aqui, gritavam comigo e me davam broncas. Eu não sabia o que acontecia. Quando respondi e falei mais alto do que eles, a coisa mudou. Hoje isso ocorre com um dos africanos que moram comigo. Já disse a ele que precisa retrucar na mesma moeda."

A única ofensa racista que recebeu de forma aberta durante jogos foi a do torcedor que o chamou de macaco, mas ele confessa sentir que grande parte do preconceito vem de forma velada.

"Os jogadores adversários me respeitam dentro de campo, mas... É até complicado explicar. Você percebe no olhar alguma coisa. É o mesmo que sair na rua aqui [em Martvili]. As pessoas param o que estão fazendo e me olham dos pés à cabeça. O tempo todo. É por isso que não vou mais ao mercado. Eu vou acabar me exaltando. Vou xingar, vou gritar e vai ser pior. O que eu posso fazer? Existem seres humanos racistas", afirma.

Nas conversas por aplicativos com amigos que estão no Brasil, ele já ouviu várias vezes as perguntas: "por que aguentar isso?", "por que não largar tudo e ir embora?".

"Quando começaram a acontecer essas coisas, eu chegava em casa e ligava para alguém no Brasil. Queria desabafar. Minha mãe me dava palavras de conforto. Minha avó me perguntou: 'jogar futebol não é o seu sonho? Não é isso o que você sempre quis? Então não desista por causa de pessoas racistas. Você vai resistir'. É isso o que me dá forças", resume.

O próprio Filipe reconhece que muita gente pode não compreendê-lo. "Eu sei que pode ser difícil, mas muitos negros sabem e já sentiram na pele o que estou falando."

O atacante brasileiro deseja que o campeonato recomece logo. Isso acontecerá na próxima semana. No dia 14, o Merani Martvili entrará em campo para enfrentar o Aragvi Dusheti, pela terceira rodada. Filipe terá cinco meses para mostrar seu futebol antes do final do contrato, em 31 de dezembro. Até lá, ele quer permanecer na Geórgia apesar de tudo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.