Neymar lidera virada, e PSG vai à semifinal da Champions League

Brasileiro se recupera, e time francês vira sobre a Atalanta com gols nos minutos finais

São Paulo

Graças ao desempenho de Neymar, eleito o melhor jogador do confronto pela Uefa (federação europeia), e gols de dois improváveis heróis, o Paris Saint-Germain ficou nesta quarta-feira (12) mais perto do sonho do título europeu.

Com gols a partir dos 44 minutos do 2º tempo, a equipe francesa virou o placar sobre a Atalanta, ganhou por 2 a 1 e avançou pela segunda vez em sua história à semifinal da Champions League. Em 1995, quando a competição ainda se chamava Copa da Europa, também chegou a essa fase.

Com a Atalanta, presença improvável nas quartas de final, em vantagem, o PSG empatou com o brasileiro Marquinhos, zagueiro escalado como volante e que nos minutos finais estava na área rival como centroavante.

Aos 47, Eric Maxim Choupo-Moting, camaronês de 31 anos e que era reserva do Stoke City (ING) em 2018, anotou o gol da vitória em um Estádio da Luz, em Lisboa, sem presença de público por causa da pandemia do novo coronavírus.

Neymar e Mbappé, que custaram juntos 367 milhões de euros ao PSG (R$ 2,3 bilhões em valores atuais), não marcaram, mas foram fundamentais. O brasileiro deu o passe para o empate, e o francês, para a finalização da virada —após Neymar inicar a jogada com outro passe preciso.

Foi o fim do conto de fadas para a Atalanta, clube que tem uma folha de pagamento do elenco profissional inferior aos 37 milhões de euros (R$ 238 milhões) recebidos por Neymar por ano no PSG.

A agremiação francesa, que pertence a um conglomerado controlado pela família real do Qatar, está a 180 minutos de conquistar um título europeu que a França venceu apenas uma vez: com o Olympique de Marselha, em 1993.

Com os jogos acontecendo em jogo único na capital portuguesa, o PSG faz a semifinal na próxima terça (18), diante do vencedor do confronto entre RB Leipzig (ALE) e Atlético de Madrid (ESP), que se enfrentam nesta quinta (13).

A Atalanta sufocou o rival em vários momentos do primeiro tempo. Adiantava tanto a marcação que Caldara, um zagueiro, saía para impedir que a bola chegasse a Neymar na intermediária do campo de defesa do time francês.

Neymar abraça Eric Maxim Choupo-Moting, autor do gol da vitória do Paris Saint-Germain
Neymar abraça Eric Maxim Choupo-Moting, autor do gol da vitória do Paris Saint-Germain - David Ramos-12.ago.20/AFP

Sempre que buscou o jogo aéreo, o clube italiano levou vantagem e, se não fosse por duas intervenções de Kaylor Navas, teria aberto placar antes dos 25 minutos, quando a pressão sobre a saída de bola deu resultado e o passe de Zapata achou Pasalic para chutar no ângulo dos franceses.

Para sorte da equipe italiana, antes de se destacar, Neymar teve 45 minutos para esquecer. Ele era quem mais criava, mas estava mal no principal quesito para um artilheiro: a finalização. Duas vezes apareceu sozinho na cara do gol e em ambas chutou para fora.

Por jogar no ataque e não se fechar na marcação, apesar da vantagem, a Atalanta mostrou porque foi o time que mais gols marcou na última Série A da Itália (98). Por outro lado, deixou claro não ter buscado o título em razão da sua defesa muito exposta —foi vazada 48 vezes, a segunda pior entre os seis primeiros colocados, que formam a zona de classificação para as competições europeias.

O PSG também teve problemas em envolver o atacante argentino Mauro Icardi no jogo. No primeiro tempo, ele teve apenas 13 toques na bola, o menor número entre todos os jogadores em campo. Nenhum deles foi dentro da área.

O PSG tentou sair para o jogo no segundo tempo, mas a Atalanta continuou tentando trocar passes sem se apavorar e poderia ter feito o segundo aos 12, quando Djimsiti finalizou sozinho dentro da área.

Com o passar dos minutos, Neymar tentou fazer jogadas individuais que fizessem a diferença. Em regiões intermediárias do campo conseguia dribles e passes, nem sempre seguidos pelos seus companheiros. Ele ainda teve uma nova oportunidade de finalizar a gol, mas chutou fraco.

Então, a maior esperança francesa passou a ser Kylian Mbappé. Recuperado de lesão (sofrida na final da Copa da França), o artilheiro do último campeonato francês (18 gols) entrou aos 14 minutos para atuar aberto pelo lado esquerdo. Ele teve duas grandes chances para marcar, mas também as desperdiçou.

O time italiano parecia cansado e o PSG não sabia o que fazer para chegar ao empate. O técnico Thomas Tuschel inundou o ataque de jogadores e apostou em jogadas pelas laterais como último recurso.

O lance da virada aconteceu após Neymar enfiar a bola entre os zagueiros da equipe italiana para Mbappé. O francês, então, tocou rasteiro para Eric Maxim Choupo-Moting colocar o time de Paris outra vez nas semifinais da Champions.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.