Luciano e má pontaria do Bragantino salvam São Paulo de derrota

Na Vila Belmiro, Santos vence o Atlético-MG em reencontro com Jorge Sampaoli

São Paulo

Graças a Luciano e a dois pênaltis desperdiçados, o São Paulo se salvou de mais uma derrota no Morumbi para o Red Bull Bragantino na temporada.

Nesta quarta-feira (9), com gol do camisa 11, a equipe ficou no 1 a 1 com o time de Bragança Paulista e perdeu a chance de assumir a liderança provisória do Campeonato Brasileiro.

Luciano marcou de novo e evitou a derrota do São Paulo no Morumbi
Luciano marcou de novo e evitou a derrota do São Paulo no Morumbi - Renato Gizzi/Photo Premium/Agência O Globo

O Bragantino foi à capital paulista e surpreendeu os donos da casa, como já havia feito há menos de 50 dias, quando venceu a equipe de Fernando Diniz por 3 a 2, pelo Estadual, no primeiro jogo oficial de ambos após a paralisação do futebol em razão da pandemia.

A derrota no Paulista deu início ao período de maior instabilidade do São Paulo em 2020, com Diniz ameaçado principalmente após a eliminação para o remendado Mirassol.

O cenário desta quarta, porém, era bastante diferente. Os são-paulinos vinham de uma sequência de quatro vitórias em cinco partidas no Brasileiro e, a um ponto do Internacional, ameaçavam a liderança dos gaúchos, que entram em campo nesta quinta-feira (10).

Mas permitir ao São Paulo que chegasse à ponta da tabela não estava nos planos do Bragantino, que contou com noite feliz de um estreante para deixar o Morumbi com o empate.

Raul, volante ex-Vasco que chegou há duas semanas, fez seu primeiro jogo pelo clube de Bragança e abriu o placar no início do segundo tempo.

Por outro lado, quem não viveu noite tão feliz assim foram Claudinho e Artur.

Os visitantes tiveram oportunidade de aumentar a vantagem em pênalti cometido por Luciano, assinalado com a ajuda do VAR após toque no braço do atacante tricolor. Claudinho chutou para fora e desperdiçou. Foi só a primeira de duas penalidades desperdiçadas.

Aos 32 minutos, Luciano conseguiu se redimir do pênalti cometido e empatou a partida após falha do goleiro Cleiton, que saiu e não achou a bola. Após toque de Helinho, Luciano chutou para o gol vazio. Já são quatro gols para o são-paulino no Brasileiro, artilheiro da equipe na competição.

O São Paulo, que ganhou Hernanes a partir do intervalo em seu 300º jogo pelo clube, tentou pressionar o Bragantino, mas assim como na etapa inicial foi pouco efetivo na finalização das jogadas.

A equipe de Mauricio Barbieri ganhou uma nova penalidade já nos acréscimos, quando Léo derrubou Aderlan dentro da grande área. Artur foi para a cobrança, tirou Tiago Volpi do lance, mas bateu na trave. Ele já havia batido uma falta no travessão no segundo tempo.

Com o empate, o São Paulo vai a 17 pontos no campeonato e iguala o Internacional, que enfrenta nesta quinta o Ceará, no Beira-Rio, e pode manter a liderança.

Ao final da partida, o clube do Morumbi informou em nota que o presidente Leco, 82, está com Covid-19 e vem tratando a doença desde o fim da semana passada. O mandatário tricolor está sob acompanhamento médico e cumpriu o isolamento em sua casa nos últimos dias.

Antes do início das partidas desta rodada, os jogadores cruzaram os braços em protesto contra a invasão de torcedores no treino do Figueirense, no último sábado, quando os atletas e funcionários do clube foram agredidos.

No reencontro com Sampaoli, Santos vence o Atlético-MG na Vila

Vice-campeão brasileiro em 2019 com o Santos, o técnico argentino Jorge Sampaoli voltou à Vila Belmiro nesta quarta-feira (9) e viu o seu Atlético-MG ser derrotado pelo alvinegro paulista.

Com gols de Arthur Gomes e Marinho, a equipe de Cuca venceu por 3 a 1 e foi à sexta colocação na tabela do Campeonato Brasileiro com 14 pontos, encostando no próprio Atlético-MG, que permaneceu em quarto lugar com 15.

Para chegar à vitória, a quarta em nove rodadas do Nacional, o Santos se aproveitou da expulsão do goleiro atleticano Rafael ainda no início da partida, aos 15 minutos do primeiro tempo. Em contra-ataque santista, ele saiu de maneira precipitada do gol e derrubou Marinho na intermediária, levando o cartão vermelho.

Ídolo do Atlético-MG, o experiente goleiro Victor, de 37 anos, substituiu Rafael e logo no primeiro chute a gol do Santos, não conseguiu segurar a batida rasteira de Arthur Gomes, que passou por baixo de suas pernas e colocou os donos da casa na frente.

Mesmo com um a menos, o time de Sampaoli conseguiu pressionar e criou oportunidades de gol. E a insistência dos atleticanos foi recompensada.

Sasha, ex-Santos, interceptou passe de Jobson no meio de campo e iniciou o contra-golpe. O atacante carregou a bola e rolou para Alan Franco, que chegou em velocidade pela direita e bateu da entrada da área, contando com desvio no zagueiro Alex para deixar tudo igual na Vila.

O Atlético-MG seguia em busca do gol quando, quatro minutos depois de empatar, Sánchez lançou Madson em profundidade, o lateral direito foi à linha de fundo e cruzou para Marinho, que entrou na segunda trave para completar a jogada e marcar o segundo gol santista.

Já nos minutos finais da partida, o Santos ainda ganhou um pênalti. Após erro na saída de bola, Júnior Alonso derrubou Marinho na grande área e, após revisão no VAR, o árbitro assinalou a penalidade. O próprio Marinho foi para a cobrança e marcou o terceiro, fechando a vitória por 3 a 1.

Com nove gols em 2020, Marinho foi a seis no Campeonato Brasileiro e é o artilheiro da competição, junto de Thiago Galhardo, do Internacional.

Na próxima rodada, sábado (11), o time de Cuca disputará o clássico com o São Paulo, na Vila Belmiro, às 19h.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.