Djokovic acerta bolada acidental em juíza e é desclassificado do US Open

Sem número 1 do mundo, tênis masculino terá 1º campeão inédito de Grand Slam desde 2014

São Paulo

De forma inesperada, o grande favorito e número 1 do mundo, Novak Djokovic, foi eliminado do US Open de 2020 e abriu o caminho para um campeão inédito de Grand Slam.

Ainda no primeiro set das oitavas de final contra o espanhol Pablo Carreño Busta​, quando perdia por 6 a 5, o tenista sérvio atingiu, sem querer, a juíza de linha com uma bolada na garganta, fora de um ponto (ele deu uma rebatida forte em direção ao fundo da quadra, onde ela estava).

Djokovic pediu desculpas no mesmo instante, mas foi punido com a desclassificação após consulta da árbitra de cadeira ao supervisor do torneio.

Djokovic após acertar a juiza de linha
Djokovic após acertar a juiza de linha - Al Bello/AFP

Dentre os já campeões de Slam, Rafael Nadal, Roger Federer, Stan Wawrinka e Juan Martin Del Potro não disputaram esta edição do US Open. Já Andy Murray e Marin Cilic foram eliminados, respectivamente, na segunda e na terceira rodada.

Assim, o evento coroará alguém que nunca foi campeão de um dos quatro principais torneios do circuito.

Isso não acontece desde que Cilic venceu o US Open, em 2014. Na ocasião, ele eliminou Federer na semifinal e venceu Kei Nishikori na decisão.

Aos 29 anos, Carreño é o 27º do mundo. Dentre os principais tenistas que restaram no torneio, o mais bem ranqueado é Dominic Thiem, terceiro. Daniil Medvedev é o quinto, e Alexander Zverev (único desses que já jogou e venceu sua partida das oitavas), o sétimo.

“De acordo com o livro de regras de Grand Slams, após a ação de intencionalmente ou imprudentemente acertar a bola de forma perigosa ou acertar a bola de forma negligente independentemente das consequências, o juiz do US Open eliminou Novak Djokovic do US Open de 2020”, explicou o torneio em nota oficial.

O atleta ainda deixará de somar todos os pontos conquistados até aqui nesta edição e não receberá nenhuma premiação em dinheiro (havia somado US$ 250 mil), além de ser multado em mais US$ 10 mil.

Djokovic não quis dar entrevistas após a eliminação, mas se pronunciou nas redes sociais.

“Toda essa situação me deixou muito triste e vazio. Eu verifiquei a situação da juíza de linha e a organização do torneio me disse que graças a Deus ela está se sentindo bem. Eu estou extremamente sentido de ter causado tanto estresse a ela. De modo totalmente sem intenção, tão errado”, escreveu o sérvio no Instagram. “Quanto à desqualificação, eu preciso olhar para dentro de mim e trabalhar o meu desapontamento, transformar isso tudo em uma lição para meu crescimento e evolução.”

Segundo o livro de regras dos Grand Slams, cabe ao juiz, junto com os seus supervisores, decidir punir a infração de Djokovic (conduta inapropriada) com a eliminação, sendo a bolada intencional ou não.

O fato já aconteceu outras vezes no circuito. Em 1998, Guga foi eliminado da chave de duplas de Roland Garros (junto com Fernando Meligeni) ao arremessar uma raquete na direção do juiz (que desviou) e atingir um espectador.

Denis Shapovalov, em 2017, perdeu uma partida da Copa Davis após dar uma forte bolada em um juiz, aparentemente também sem intenção.

Outro episódio que se enquadra na mesma categoria do caso de Djokovic aconteceu quando David Nalbandian, em 2012, chutou uma placa que se soltou e acertou a perna de um juiz de linha no torneio de Queens.

Desde que o circuito do tênis foi paralisado em razão da pandemia do coronavírus, o número 1 do mundo vem sendo o centro das atenções no esporte.

Ainda com os torneios suspensos, o tenista organizou uma competição amistosa e com público na Sérvia e na Croácia. O evento causou um surto de coronavírus local, que atingiu os atletas, inclusive ele próprio, além de sua esposa.

Enquanto vários tenistas preferiram não disputar o US Open na suposta “bolha” criada pelos organizadores do torneio, o sérvio foi aos Estados Unidos, mas não ficou no mesmo hotel que os demais atletas.

Djokovic alugou uma casa (possibilidade dada pela organização) para ficar isolado e, segundo ele, conseguir suprir suas necessidades mentais para desempenhar em alto nível.

Foi nela que deu uma entrevista ao New York Times na qual se desculpou pelos torneios que organizou, mas também pediu que o fato não se transformasse em uma caça às bruxas.

Dono de 17 títulos de Grand Slam, ele perdeu grande oportunidade de se aproximar de Nadal (19) e Federer (20). Até então, estava invicto em 2020.

Resta apenas uma competição desta magnitude na temporada. Roland Garros, que costuma acontecer no primeiro semestre do ano, mas foi adiado em razão da pandemia e será disputado entre 21 de setembro e 11 de outubro.

Wimbledon foi cancelado, e o Australian Open, realizado no início do ano, quando Djokovic sagrou-se campeão.

Dentre os tenistas que restam no US Open, Thiem é quem tem mais experiência nas fases decisivas, tendo chegado a três finais de Slam na carreira.

Perdeu para Nadal (2018 e 2019) em Roland Garros e a final do Australian Open desta temporada para o sérvio.

O russo Daniil Medvedev também já bateu na trave. Foi no US Open do ano passado, quando foi derrotado também por Nadal.

Zverev chegou à semifinal do Australian Open de 2020, seu melhor resultado em Slams.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.