Palmeiras e Flamengo empatam no Allianz após vaivém de decisões

Dúvida sobre realização do jogo só foi sanada com derrubada de liminares, por volta de 15h30

São Paulo

Depois de atraso de 20 minutos no início do jogo, polêmica e derrubada de liminares, Palmeiras e Flamengo empataram em 1 a 1 neste domingo (27), no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro.

Os gols foram marcados no segundo tempo. Patrick de Paula abriu o placar para os donos da casa aos 9 minutos, e Pedro empatou logo na sequência para os cariocas.

A decisão do ministro Vieira de Mello Filho, do TST (Tribunal Superior do Trabalho), derrubou as duas liminares que impediam a realização do jogo a cerca de meia hora do seu início, marcado para as 16h e que começou com atraso de aproximadamente 20 minutos.

Gerson, do Flamengo, tenta cabecear a bola em disputa com Vina, do Palmeiras
Gerson, do Flamengo, tenta cabecear a bola em disputa com Vina, do Palmeiras - Nelson Almeida/AFP

Se em campo o jogo não foi dos melhores na parte técnica –mesmo com o time todo desfigurado, a equipe carioca deu muito trabalho ao rival e poderia ter vencido– fora dele, o confronto entre os dois times vinha sendo fortemente disputado nos bastidores durante os últimos dias.

Após jogo no Equador pela Libertadores, na terça (22), o Flamengo se deparou com 41 pessoas do clube infectadas pela Covid, sendo 19 jogadores. Com isso, tentou adiar o confronto contra o Palmeiras, mas teve seus pedidos feitos à CBF e ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) negados.

Porém, no sábado (26), o TRT-RJ (Tribinal Regional do Trabalho do Rio) havia concedido duas liminares para impedir a realização do jogo.

O Sindeclubes, entidade que reúne funcionários dos clubes do Rio, entrou com pedido na última sexta (25) de suspensão da partida sob alegação que ela colocava em risco a saúde dos funcionários.

Já o Saferj (Sindicato dos Atletas de Futebol do Rio de Janeiro) entrou com outro pedido. A decisão do juiz Filipe Olmo (o mesmo que aceitou o anterior) proibia os jogadores do Flamengo de treinar ou jogar por 15 dias, sob multa de R$ 10 milhões por partida e R$ 1 milhão pelo descumprimento da medida.

Na quarta-feira (30), o time carioca tem um confronto importante na Libertadores, contra o Independiente del Valle (EQU).

O Saferj entrou com a solicitação de liminar após contato de jogadores do Flamengo, mas não havia a intenção de proibir jogos e treinos por 15 dias. Essa restrição surpreendeu e irritou os dirigentes da equipe carioca.

"Nosso pedido não se referia a isso. O juiz entendeu que se tem perigo hoje, tem também pelos próximos 15 dias", disse o presidente do sindicato, Alfredo Sampaio.

O ministro Vieira de Mello Filho considerou que o juiz do TRT "excedeu os limites da competência territorial" e não poderia determinar a suspensão de uma partida que aconteceria em São Paulo. Ele não entrou no mérito das alegações feitas por Sindeclubs e Saferj.

Diante da indecisão, todo o ritual pré-jogo das equipes foi mantido. A delegação do Flamengo viajou a São Paulo e se hospedou em um hotel. Ameaçou ir ao Allianz Parque mais cedo neste domingo, desistiu, e por volta das 15h15, apenas a 45 minutos do que seria o início do confronto, entrou no ônibus para voltar ao estádio.

O Palmeiras já estava lá. Os jogadores fizeram aquecimento leve no vestiário, a escalação foi divulgada e o preparador físico Antônio Mello subiu ao gramado, assim como os goleiros. Às 15h55, o trio de arbitragem e os donos da casa entraram em campo. Faltava apenas o Flamengo, que entrou atrasado em campo, por volta de 16h20.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.