Livro conta ano histórico do Flamengo e traz boas frases de bastidores

Em 'A virada', Eduardo Monsanto relembra bi da Libertadores, vice do Mundial e Jesus

São Paulo

"A virada - milagre em Lima" não seria um livro originalmente. Deveria ser um capítulo de atualização de "1981 - o ano rubro-negro". Mas o autor Eduardo Monsanto, em vez de entregar 16 páginas sobre a campanha do título da Libertadores de 2019, escreveu 174.

Tornou-se uma obra à parte, lançada pela Panda Books em evento virtual nesta terça-feira (17).

Nem todos os jogadores deram depoimentos para o livro do jornalista ex-ESPN, atualmente na DAZN. Uma ausência percebida é a do atacante Gabriel, nem sempre um personagem de fácil acesso para publicações não oficiais.

O livro parece ter um alvo específico: o torcedor do Flamengo que deseja recordar um dos melhores anos da história do clube.

Com Abel Braga, a equipe conquistou o Estadual, mas só decolou mesmo a partir da chegada do português Jorge Jesus. Venceu a Libertadores e o Campeonato Brasileiro. Foi derrotado na final do Mundial de Clubes pelo Liverpool (ING), na prorrogação.

É por esse revés que o livro inicia, quando a temporada acaba com uma queda dramática, exaltada por jogadores e diretoria pela forma como o time brasileiro atuou contra o campeão europeu.

A obra não cita a polêmica gerada pela recusa da diretoria em pagar as premiações dos funcionários pelo título sul-americano, que estourou um dia antes da final.

"A virada" consiste na descrição dos jogos mais importantes e em fatos cronológicos da equipe, entremeados com declarações de jogadores, Jorge Jesus e do vice de futebol do Flamengo, Marcos Braz.

Este último é quem dá as melhores frases, como sobre a preferência por Renato Gaúcho antes da contratação do técnico português. Ou a respeito da pressão sofrida antes da partida de volta das oitavas de final da Libertadores, diante do Emelec (EQU).

O Flamengo havia perdido o confronto em Guayaquil por 2 a 0, mas devolveu o placar no Maracanã e se classificou nos pênaltis.

Outro trecho interessante é quando Braz revela sua reação ao seu advertido de que não deveria contratar Gabriel. O atacante seria, na opinião do interlocutor, "problemático".

"Se tem uma tara, um tesão na minha vida, é trabalhar com jogador problemático. Vocês podem me ensinar de tudo no futebol. Só não venham me ensinar a tratar de jogador problemático. Essa eu vou ensinar a vocês", respondeu.

Há outras revelações de bastidores que serão divertidas para o leitor, como a frase de Diego Alves de que Jesus tinha o ego inflado por enfrentar seus ex-times. Isso aconteceu contra o Al-Hilal (ARS), na semifinal do Mundial de Clubes.

"Essa jogada aí é minha, eu avisei", afirmou o treinador após lance em que os árabes quase marcaram um gol no Flamengo.

Capa em vermelho e preto tem foto dos jogadores com a taça da Libertadores
Capa do livro 'A Virada', do jornalista Eduardo Monsanto - Reprodução

Há também a história do lateral esquerdo Renê. Ele havia prometido à mulher que jamais bateria um pênalti e foi escalado como um dos cobradores diante do Emelec.

A obra apresenta curiosidades visuais para os torcedores, como as fotos dos ingressos de todas as partidas do Flamengo na Libertadores, as fichas dos jogos e as formações do Flamengo desde 2013, quando começou a gestão do grupo político que administra o clube até hoje.

Não há depoimentos do atual presidente, Rodolfo Landim.

Se não existe nenhuma revelação sobre o incêndio do Ninho do Urubu, que matou dez garotos das categorias de base do clube em fevereiro de 2019, o livro trata o caso de forma sóbria, apresentando todos os fatos, assim como as versões das famílias das vítimas e do Flamengo.

Para o torcedor que acompanha atentamente o noticiário, "A virada" traz algumas informações novas sobre a campanha histórica da equipe rubro negra. Para o flamenguista, é a lembrança, mesmo nos detalhes mais conhecidos, de uma temporada que dificilmente será igualada.

A virada - milagre em Lima

  • Preço R$ 55,90
  • Autor Eduardo Monsanto
  • Editora Panda Books, 174 páginas
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.