Descrição de chapéu jornalismo mídia

Jornalista Orlando Duarte morre aos 88 anos, vítima da Covid

Comentarista por décadas, 'o Eclético' escreveu dezenas de livros sobre esportes

São Paulo

Morreu nesta terça-feira (15) o comentarista esportivo Orlando Duarte, aos 88 anos. Ele estava internado havia três semanas, após contrair a Covid-19.

Por décadas, Orlando Duarte foi considerado um dos maiores críticos da imprensa esportiva. Atuou, ainda, como repórter, locutor, cronista, escritor e executivo de emissoras de TV.

Natural de Rancharia, no interior de São Paulo, é autor de 34 livros sobre o esporte brasileiro e mundial, sendo um dos mais produtivos escritores da crônica esportiva do país. Foi apelidado de "o Eclético" e também era conhecido como "pai da memória esportiva do Brasil".

Orlando Duarte ao lado da mulher Conceição Duarte durante abertura de exposição em homenagem à atriz Regina Duarte
Orlando Duarte ao lado da mulher Conceição Duarte durante abertura de exposição em homenagem à atriz Regina Duarte - Greg Salibian - 10.jan.15/Folhapress

Orlando Duarte escreveu enciclopédias sobre Copas do Mundo e Jogos Olímpicos, eventos que cobriu às dezenas, além de livros sobre grandes clubes, como o São Paulo, e a biografia "Pelé: o Supercampeão".

O jornalista cultivou por anos uma forte amizade com o Rei do Futebol, de quem ele se aproximou quando cobria jogos do Santos.

Foi também diretor de esportes da TV Cultura a partir de 1960, ano em que a emissora foi inaugurada, e passou por Bandeirantes, Record, SBT e Globo.

Atuou, ainda, pelas rádios Bandeirantes, Jovem Pan, Gazeta e Trianon, além das redações dos jornais O Tempo, Gazeta Esportiva, A Gazeta, Mundo Esportivo, A Gazeta Esportiva Ilustrada, Última Hora e Diário da Noite.

Como torcedor, foi apaixonado pela Portuguesa de Desportos e pelo Vasco da Gama.

O comentarista se afastou do jornalismo esportivo em 2012. Em 2018, recebeu diagnóstico de Alzheimer.

Em 2019, a mulher dele, Conceição Duarte, relatou em entrevista ao UOL a luta do marido contra a doença.

"Às vezes ele pensa estar dentro da TV ou da redação, diz que trabalhou muito, que fez tal jogo, acorda assustado dizendo que vai pra Pan [a rádio Jovem Pan]", contou Conceição. "Ele faz grandes narrações durante a noite também. Eu estou digerindo, mas ele segue muito divertido, tira sarro, é irônico, essas coisas que sempre existirão nele."

Orlando deixa a mulher, seis filhos e seis netos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.