Descrição de chapéu Tóquio 2020

Prata em Sydney, velocista brasileiro recebe medalha 20 anos depois

Cláudio Roberto Sousa, 47, foi reserva da equipe do Brasil no revezamento 4x100m

São Paulo

Vinte anos depois, o ex-velocista Cláudio Roberto Sousa, 47, recebeu a sua medalha de prata pela prova de revezamento 4 x 100 m rasos nos Jogos Olímpicos de Sydney-2000.

A coroação foi realizada no Troféu Brasil, neste domingo (13), em São Paulo, e era almejada pelo piauiense, mais conhecido como Claudinho, desde o dia 30 de setembro daquele ano.

Após espera de 20 anos, Claudinho beija a medalha dos Jogos de Sydney
Após espera de 20 anos, Claudinho beija a medalha dos Jogos de Sydney - Wagner Carmo/CBAt

Ele não fazia parte da equipe titular, composta por Vicente Lenilson, Edson Luciano, André Domingos e Claudinei Quirino, mas como reserva ajudou o Brasil a avançar à final. Na decisão do pódio olímpico, o time brasileiro terminou em segundo lugar, atrás dos Estados Unidos e à frente de Cuba.

Com o direito à medalha, o brasileiro foi informado que, de acordo com o protocolo dos Jogos, somente os titulares subiriam ao pódio para receber a distinção, e a sua seria entregue reservadamente.

No dia seguinte, o time deixou a Austrália, e Claudinho recebeu a promessa que a condecoração seria enviada ao Brasil, o que ocorreu somente em agosto deste ano.

Nesse período, o piauense pediu ajuda para o Comitê Olímpico do Brasil (COB), mas foi alertado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) que a responsabilidade pela entrega da medalha era da organização dos Jogos de Sydney.

Cláudio exibe a medalha dos Jogos de Sydney
Claudinho exibe a medalha dos Jogos de Sydney - Wagner Carmo - 13.dez.2020/CBAt

No ano passado, o ex-velocista se encontrou com vice-presidente do COB, Marco La Porta, em Teresina, e contou detalhes da sua luta por obter a medalha de prata. A entidade começou, então, a se mobilizar novamente, e o COI, em maio deste ano, comprometeu-se a resolver a questão.

No mês passado, o COB anunciou que Claudinho seria condecorado durante o Troféu Brasil. “Sua participação nas eliminatórias foi fundamental para a prata olímpica do revezamento 4 x 100m em Sydney 2000”, afirmou o presidente da entidade, Paulo Wanderley.

Claudinho com a equipe brasileira que conquistou prata no revezamento 4x100 metros
Claudinho com a equipe brasileira que conquistou prata no revezamento 4x100 metros - Wagner Carmo 13.dez.2020/CBAt

Neste domingo, Claudinho recebeu a prata das mãos do ex-jogador de vôlei Bernard Rajzman, representante do COI, em cerimônia que contou com a presença dos companheiros de equipe daquele revezamento, Vicente Lenilson, Edson Luciano, André Domingos e Claudinei Quirino.

“São 20 anos de espera. Há algum tempo, eu já tinha desencanado. Desistido não, mas parei de ir atrás”, afirmou Claudinho. “É uma bela maneira de relembrar aquela equipe maravilhosa, valorizar a conquista, que foi a única medalha do atletismo brasileiro naqueles Jogos.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.