Em maior jejum de vitórias, São Paulo faz confronto direto com o Grêmio

Equipes disputam no Brasileiro uma vaga na fase de grupos da Libertadores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Sem vencer há oito partidas, o São Paulo vive seu maior jejum nesta temporada. Neste domingo (15), às 20h30, em Porto Alegre, terá um confronto direto com o Grêmio na disputa por vaga na fase de grupos da Libertadores (o SporTV e o Premiere transmitem).

Para um time que já foi líder disparado do Brasileiro, classificar-se para a próxima edição do continental não será o suficiente para contentar sua torcida. Mas ter de disputar uma fase preliminar do torneio poderá aumentar ainda mais a crise no Morumbi.

Diante dos gaúchos, o São Paulo será comandado pelo interino Marcos Vizolli. Na sexta (12), o time anunciou a contratação do técnico argentino Hernán Crespo, 45, que substituirá Fernando Diniz. Ainda não há data para a estreia do novo treinador.

Com 59 pontos, a equipe tricolor iniciou a 36ª rodada na quarta posição, três pontos à frente do Grêmio, que soma 56 —mesmo em caso de uma vitória dos gremistas, o São Paulo ainda ficaria à frente por ter mais vitórias, neste momento 16 contra 13.

Um novo revés, porém, acentuará o declínio são-paulino enquanto outros rivais estão em ascensão, como o Fluminense. Caso os são-paulinos não consigam vencer o Grêmio, o time carioca terá a chance de entrar no G4 na segunda-feira (16), quando enfrentará o Ceará, às 18h.

Os tricolores do Rio somam 57 pontos e terão uma vitória a mais do que o São Paulo se baterem o time cearense e a equipe paulista não passar de um empate com os gaúchos.

Na briga por vaga direta na Libertadores, o Grêmio ainda terá a disputa da final da Copa do Brasil com o Palmeiras, nos dias 28 de fevereiro e 7 de março. O campeão do mata-mata também garante o direito de entrar no torneio continental na fase de grupos.

Luciano comemora gol que impediu derrota do time na quarta (10), contra o Ceará, no Morumbi
Luciano comemora gol que impediu derrota do time na quarta (10), contra o Ceará, no Morumbi - Amanda Perobelli - 10.fev.21/Reuters

Para os são-paulinos não precisarem fazer tantas contas, o time do Morumbi só precisa vencer, algo que não consegue desde o dia 26 de dezembro, quando ganhou do Fluminense. Depois disso, foi derrotado por Red Bull Bragantino, Santos, Internacional e Atlético-GO, além de ter empatado com Grêmio, Athletico, Coritiba e Ceará.

Até essa sequência, que culminou com a demissão de Fernando Diniz, o maior período sem vencer havia ocorrido de setembro a outubro de 2020, fase na qual o clube viveu um jejum de sete jogos.

Contra o Grêmio, Marcos Vizolli não terá Juanfran, Igor Gomes e Pablo, suspensos. Igor Vinícius, Tchê Tchê e Gonzalo Carneiro devem entrar no time. Gabriel Sara, em recuperação de lesão, ainda é dúvida.

Após Mundial, Palmeiras deve voltar ao Brasileiro com time reserva

Três dias após deixar o Mundial de Clubes da Fifa, disputado no Qatar, com a pior campanha de um clube sul-americano, o Palmeiras voltará a jogar o Campeonato Brasileiro neste domingo (14), em partida contra o Fortaleza, no Allianz Parque, às 18h15 (TNT e Premiere transmitem).

Depois de 13 horas de viagem, o elenco alviverde desembarcou na capital paulista na sexta-feira (12) sem a presença de torcida. Foi um cenário bem diferente de quando a equipe viajou em busca do inédito título e centenas de palmeirenses estiveram no Aeroporto de Guarulhos para dar apoio aos jogadores.

Após a derrota para o Al Ahly (EGI), na disputa pelo terceiro lugar do Mundial, na quinta (11), o técnico Abel Ferreira voltou a reclamar da maratona de jogos do time, que completou seu 72º compromisso diante dos africanos.

Por isso, o treinador deverá poupar ao menos alguns de seus titulares diante do Fortaleza. O português, porém, ainda não deu indicações de qual formação mandará a campo contra os cearenses, que lutam para escapar do rebaixamento.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.