Descrição de chapéu
Velocidade

Band transmite 5 horas e meia de F1 com direito a 'Globolixo' de Piquet

Emissora reestreia na categoria com conteúdo para agradar fãs do automobilismo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Bem amigos da rede… Band? Hoje simmmmmm. Depois de 40 anos de transmissões na Globo, a F1 no Brasil vivenciou uma nova experiência com a abertura da temporada de 2021, com direito a três horas de pré-corrida, entrevistas e até um “Globolixo”, cortesia do tricampeão Nelson Piquet.

Novidade não tão nova. A Band transmitiu a temporada de 1980, com direito a vitória do jovem Piquet. Mas a Globo retomou a modalidade no ano seguinte e surfou no sucesso brasileiro, que consolidou uma audiência fiel por anos.

Nas últimas temporadas, porém, sem brasileiros e com Lewis Hamilton conquistando títulos com 750 corridas de antecedência, a audiência diminuiu, a ponto de a emissora abandonar várias transmissões ao vivo na TV aberta.

A exibição do GP do Bahrein já deu uma mostra de que a Band vai investir na modalidade, talvez como o principal produto esportivo da emissora que se intitula “o canal do esporte”. Sérgio Maurício já acabou com a pressão de erro na véspera, quando trocou Bandsports por SporTV na apresentação do treino classificatório. Ele mesmo brincou com o erro depois em rede social.

Sobre a corrida mesmo, desavisados poderiam até achar que estavam em algum canal da Globo. Tinha o citado Sérgio Maurício, o narrador que passou décadas no SporTV e se especializou em esportes a motor (além de lutas e vôlei). Tinha Reginaldo Leme e Felipe Giaffone nos comentários. Tinha Mariana Becker com entradas ao vivo sobre o que acontecia na pista. Todos ex-globais.

A grande diferença da Band foi o pré e o pós-corrida. No pré, o dominical Show do Esporte começou a falar de automobilismo às 9h e foi até a hora da corrida, às 12h. Algo que só se via na Globo em dia de GP Brasil, com brasileiros em destaque ou com título em disputa.

Durante três horas, o programa falou de tudo que podia, incluindo Emerson Fittipaldi lembrando sua maior vitória (na Indy) e Nelson Piquet soltando um “Globolixo” ao vivo, para surpresa dos apresentadores Glenda Kozlowski (mais uma ex-global) e Elia Júnior, o de vida eterna.

Sim, teve exageros. Em algum momento Elia Júnior chamou os melhores momentos. Do quê? Das quase três horas de programa. Desnecessário.

Sempre simpática, Mariana Becker pode pedir adicional por hora extra. A jornalista, única in loco, entrava a todo momento, ou com curiosidades ou caçando alguma entrevista. “Sou a última a sair do grid”, avisou, falando de detalhes da largada no meio dos pilotos a oito minutos do início. Deu até para ver ela se retirando ao lado dos mecânicos. Ouvimos até o hino do Bahrein ao vivo.

Depois da corrida, nada de intervalo. A transmissão acompanhou a entrevista dos três primeiros colocados e a festa completa do pódio, fazendo justiça ao slogan “Isso a Band mostra”, proferido em diversos momentos da transmissão e uma clara brincadeira com o “Isso a Globo não mostra” –a emissora carioca havia deixado de mostrar a festa da vitória na TV aberta nas últimas temporadas.

Acabou? Não. Após o GP, a transmissão voltou com o Show do Esporte com uma mesa-redonda no melhor estilo pós-jogo de futebol. Apresentadores, narrador e comentaristas se reuniram para lembrar os melhores momentos, interrompidos por Mariana Becker, sempre ela, com mais uma entrevista exclusiva com o vencedor Lewis Hamilton. Eram 14h30 quando o canal parou de falar de F1. Cinco horas e meia sem parar, para delírio dos fãs da categoria.

Homem de macacão e capacete com fogos de artifício ao fundo
Lewis Hamilton comemora sua vitória no GP do Bahrein - Lars Baron/Pool via Reuters

Claro que ajudou a corrida ter sido de fato emocionante, com Hamilton superando Max Verstappen por menos de um segundo, com direito a trocas de posição nas voltas finais.

Com a multiplicidade dos canais de esporte, a Band deixou há algum tempo de ser “o canal do esporte”. Mas quem sabe ela vira agora o “canal do automobilismo” —afinal, tem F2, Stock Car, Porsche Cup, Fórmula Truck e a cereja do bolo, a F1.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.