Descrição de chapéu
Futebol Internacional

Imagine uma Copa distópica sem atletas do 'clube dos 12'; Brasil até se daria bem

Sem protagonistas nos times da Superliga, seleção de Tite sofreria menos que outras

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Superliga europeia de futebol. Só se fala nisso. Parece até que não tem mais pandemia. Alguns já dizem que o torneio é fake news da família Bolsonaro para desviar os olhos da CPI da Covid.

Se precisarem só de uma opinião, busquem o áudio de Gary Neville, ídolo do Manchester United e comentarista da Sky Sport, que falou estar com nojo de toda a ideia.

Mas imaginemos que a Superliga vai acontecer, e que consequentemente ocorrerão as punições de Fifa e Uefa, ou seja, jogadores do “clube dos 12” estarão impedidos de disputar a Copa do Mundo. E aí?

Imagine esse universo futebolístico-distópico, no qual nenhum jogador de Real Madrid, Barcelona, Atlético de Madrid, Liverpool, Manchester e Manchester, Arsenal, Tottenham, Chelsea, Juventus, Inter e Milan pudessem jogar uma Copa.

Bem, aí o Brasil volta a ser favorito para vencer a Copa. Alguém aí vai dizer que o Brasil sempre é favorito. Mas sejamos honestos, a Copa de 2018 deixou claro que o futebol sul-americano virou coadjuvante nas Copas —fornecemos tanta matéria-prima por tanto tempo para a Europa que deixamos de ser protagonistas.

E por que o Brasil vira favorito? Olhe novamente os 12 times citados aí em cima e tente encontrar um brasileiro que seja o principal nome em um deles.

Agora pense no que Tite poderia ter à disposição. O Brasil perderia Gabriel Jesus (Manchester City), Roberto Firmino (Liverpool), Casemiro, Vinicius Junior e Rodrygo (ambos do Real Madrid), ok. Mas poderia ter Richarlison (Everton), Everton Cebolinha (Benfica) e Neymar (PSG) na frente; e mais Bruno Henrique e Gabriel, do Flamengo. Ataque poderoso.

Neymar com a bola ao lado de dois jogadores do Bayern
Neymar, do PSG, encara jogadores do Bayern na Champions League; os dois times estão fora da Superliga - Franck Fife - 13.abr.21/AFP

E o resto do time contaria com: Weverton (Palmeiras), Diego Alves (Flamengo) ou Cássio (Corinthians) no gol. Temos Rafinha (Grêmio), Fagner (Corinthians) e Filipe Luís (Flamengo) para as laterais, além do versátil Gabriel Menino (Palmeiras); Rodrigo Caio (Flamengo), Geromel (Grêmio) e Marquinhos (PSG) são opções para a zaga. No meio tem Everton Ribeiro e Gerson (Flamengo), Bruno Guimarães e Paquetá (Lyon), Douglas Luiz (Aston Villa) e o veterano Daniel Alves (São Paulo), que poderia ser o capitão também. E ainda tem Claudinho (Red Bull Bragantino) e Marinho (Santos), melhores jogadores do Brasileiro e da Libertadores, respectivamente.

Já a França campeã de 2018 mantém Mbappé, mas perde o goleiro e capitão (Lloris), a zaga com Varane (Real Madrid) e Umititi (Barcelona), os meio-campistas Pogba (Manchester United) e Kanté (Chelsea) e os atacante Grizzmann (Barcelona) e Giroud (Chelsea, o melhor atacante que não fez gol da Copa).

E a Bélgica, que eliminou o Brasil? Perderia Kevin de Bruyne (Manchester City), Hazard (Real) e Lukaku (Inter de Milão). Precisa mais? Até tem, mas vamos parar por aqui.

Campeã da última Eurocopa e da Liga das Nações, a seleção portuguesa teria de abrir mão de Cristiano Ronaldo (Juventus), Bruno Fernandes (United), Bernardo Silva e Rúben Dias (City), entre outros.

Argentina poderia montar um time forte, com River Plate como base, mas sem o poderio ofensivo de Dybala (Juventus), Agüero (City), Lautaro Martínez (Inter) e um tal de Messi (Barcelona).

Inglaterra? Sem Harry Kane (Tottenham), Sterling e a joia Foden (City) ou Rashford (United), pode esquecer. Espanha sem jogadores de Real e Barcelona? Faz-me rir.

E a Alemanha. Bem reza a lenda que futebol é um jogo de 11 contra 11 que a Alemanha vence no final. Sem o Bayern na Superliga, os germânicos perdem pouco. Um Kroos (Real) aqui, um Timo Werner (Chelsea) ali, um Gundogan (City) acolá. E não muito mais que isso. Temos um rival!

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.