São Paulo e Corinthians defendem tabus em clássicos no basquete e no futebol

Time tricolor nunca perdeu do rival no NBB, e alvinegro jamais foi superado pelo adversário em Itaquera

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

​Dois tabus estarão em jogo nos próximos dias para Corinthians e São Paulo. Alvinegros e tricolores começarão nesta quinta-feira (29) uma série de duelos, em diferentes palcos, e em cada um deles haverá um rival tentando quebrar uma escrita protegida pelo outro.

A sequência terá início com bola laranja, em Belo Horizonte. O confronto em série melhor de três partidas vale vaga nas semifinais do NBB, a competição nacional masculina de basquete, no qual a formação do Morumbi jamais perdeu para o clube do Parque São Jorge.

No futebol, quem defende um histórico imaculado é a equipe da zona leste paulistana. No estádio de Itaquera, rebatizado no ano passado de Neo Química Arena, os donos da casa nunca foram superados pelo adversário, que farão nova visita no domingo (2).

Lucas Siewert, do Corinthians, tenta bandeja contra o São Paulo
Lucas Siewert, do Corinthians, tenta bandeja em um dos clássicos vencidos pelo São Paulo no NBB; equipe tricolor é favorita nas quartas de final - LNB/Divulgação

Nos dois casos, o domínio estabelecido até aqui é amplo e não se resume à invencibilidade. O retrospecto foi construído com momentos de crueldade e goleadas avassaladoras, uma história que o oponente espera finalmente mudar nesta semana.

O momento parece oferecer alguma razão para otimismo aos desafiantes, que chegam ao clássico em trajetória ascendente. Mas a qualidade do favorito no ginásio e a força do anfitrião no gramado ainda representam obstáculos consideráveis.

No NBB, a campanha construída pelo São Paulo dá uma amostra de sua capacidade. Foram 23 vitórias em 30 partidas, duas delas sobre o Corinthians, o que lhe deu a terceira colocação na fase de classificação.

Já o time alvinegro obteve 17 triunfos e, com o sexto lugar, teve de começar o mata-mata em sua fase preliminar. Enquanto o rival do Morumbi aguardava, derrotou o Pato Basquete em dois jogos para estabelecer o clássico nas quartas de final.

Agora, para sobreviver a mais uma etapa, a agremiação preta e branca precisa cumprir duas vezes uma missão na qual jamais teve sucesso. Desde que o São Paulo reativou seu time de basquete e ingressou no NBB, em 2019, sempre levou vantagem sobre o rival.

Claudio Mortari, técnico de basquete do São Paulo
O experiente Claudio Mortari, campeão paulista de 1985 como técnico do Corinthians, hoje está à frente do São Paulo e espera castigar o time alvinegro - LNB/Divulgação

Foram quatro confrontos, todos com o mesmo vencedor. No atual campeonato, o primeiro duelo terminou em massacre tricolor, 107 a 61, em Mogi das Cruzes. No segundo turno, o Corinthians chegou a abrir 14 pontos de vantagem, mas permitiu a reação do oponente e perdeu por 85 a 78, em Brasília.

No sistema de “bolhas” de proteção contra o coronavírus do NBB, os próximos embates serão no Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte. A disputa terá início às 17h desta quinta, com transmissão da ESPN. O segundo jogo ocorrerá no sábado. O terceiro, se necessário, será na segunda-feira.

Dirigido pelo experiente e vitorioso Claudio Mortari, 73, o São Paulo aposta no melhor ataque da competição para fazer valer seu favoritismo e conta com uma espécie de vira-casaca. O ala norte-americano Shamell Stallworth, 40, nunca defendeu o Corinthians, mas se encantou pelo time na chegada ao Brasil, em 2004, e passou a frequentar os estádios de futebol, dizendo-se fanático.

“Eu sempre tive uma coisa com o Corinthians, mas agora sou são-paulino”, afirmou, ao ser apresentado no clube do Morumbi. Agora, ele enfrentará a equipe pela qual se dizia apaixonado, mas, por causa da pandemia de Covid-19, não precisará encarar a torcida alvinegra, apontada por ele como o motivo de sua velha paixão.

Quem também se enamorou da Fiel foi outro norte-americano, Kyle Fuller, 29, mas ele não precisa esconder esse sentimento. Autointitulado Gringo da Favela, o ala-armador é um dos destaques do Corinthians e o quarto maior pontuador de todo o campeonato, com 19,4 pontos por jogo.

Fuller, do Corinthians, tenta passar por Shamell, do São Paulo, em duelo pelo NBB
Fuller tenta passar por Shamell, que, como ele, admira a torcida alvinegra - LNB/Divulgação

Comandada pelo ex-jogador Demétrius Ferracciú, 47, a formação alvinegra subiu bastante de produção ao longo da competição e hoje é bem mais sólida do que era na dura derrota sofrida para o São Paulo na segunda rodada. Foram oito triunfos nas últimas dez partidas, o que deu aos atletas a confiança na possibilidade de quebra do tabu.

“Nem preciso falar da qualidade deles. Mas demonstramos que estamos preparados e vamos com tudo”, afirmou o pivô Renato Carbonari, 34.

É com ânimo semelhante que os jogadores de futebol do São Paulo vão a Itaquera no final de semana. Depois de fechar a última temporada de maneira decepcionante, o time vem apresentando ótimo desempenho sob direção do argentino Hernán Crespo, 45, com 85% de aproveitamento em 11 compromissos.

Dona da melhor campanha do Campeonato Paulista, a agremiação tricolor estreou com vitória na Copa Libertadores e buscará outra nesta quinta, contra o Rentistas, no Morumbi. No domingo, será hora de ir até a zona leste para um desafio teoricamente mais complicado, válido pelo Estadual.

Inaugurado em 2014, o estádio de Itaquera recebeu 13 edições do Majestoso, como é chamado o clássico entre Corinthians e São Paulo. Os donos da casa colecionam dez vitórias –uma delas por 6 a 1, em 2015–, e o máximo que os visitantes conseguiram foi empatar em três ocasiões.

Os tricolores fracassaram mesmo em situações nas quais chegaram com claro favoritismo, como no último Campeonato Brasileiro. Por isso, ainda que o momento seja novamente propício para a quebra da escrita, o otimismo é cauteloso.

Otero comemora o único gol do último Majestoso em Itaquera - Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Do lado alvinegro, embora o aproveitamento na temporada não seja ruim (67%), nem o técnico Vagner Mancini, 54, esconde que as atuações têm sido fracas. A boa vitória por 2 a 0 sobre o Santos, no último domingo, representou uma exceção na trajetória recente, marcada por protestos de torcedores.

Antes de entrar em campo para mais um clássico, o Corinthians enfrentará o Peñarol, em Itaquera, nesta quinta-feira, duelo considerado importante na Copa Sul-Americana. A ideia é administrar o calendário apertado de maneira eficiente para enfileirar bons resultados.

Mancini tem estabelecido uma espécie de rodízio entre duas formações, algo não muito diferente do que vem fazendo Crespo no São Paulo. As alterações numerosas e frequentes tornam mais imprevisível o clássico, que não terá efeito decisivo na tabela: os dois times estão classificados ao mata-mata.

Mas o confronto vale a manutenção ou a quebra do tabu e é visto pelos treinadores, pela rivalidade, como um jogo que pode impulsionar uma sequência positiva. No duelo da bola laranja, vale tudo isso e uma vaga nas semifinais da competição nacional.

Os tabus em jogo

NBB – Corinthians nunca venceu

15/10/2019 – Corinthians 84 x 97 São Paulo
29/2/2020 – São Paulo 89 x 80 Corinthians
14/11/2020 – São Paulo 107 x 61 Corinthians
3/4/2021 – Corinthians 78 x 85 São Paulo

Futebol – São Paulo nunca venceu em Itaquera

21/9/2014 – Corinthians 3 x 2 São Paulo
18/2/2015 – Corinthians 2 x 0 São Paulo
22/11/2015 – Corinthians 6 x 1 São Paulo
14/2/2016 – Corinthians 2 x 0 São Paulo
17/7/2016 – Corinthians 1 x 1 São Paulo
23/4/2017 – Corinthians 1 x 1 São Paulo
11/6/2017 – Corinthians 3 x 2 São Paulo
28/3/2018 – Corinthians 1 x 0 São Paulo
10/11/2018 – Corinthians 1 x 1 São Paulo
17/2/2019 – Corinthians 2 x 1 São Paulo
21/4/2019 – Corinthians 2 x 1 São Paulo
26/5/2019 – Corinthians 1 x 0 São Paulo
13/12/2020 – Corinthians 1 x 0 São Paulo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.