Descrição de chapéu tênis

Naomi Osaka anuncia boicote a entrevistas em Roland Garros por saúde mental

Tenista critica obrigação e diz que não irá se sujeitar a pessoas que duvidem dela

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Paris | Reuters

A quatro vezes campeã de torneios do Grand Slam Naomi Osaka, 23, anunciou nesta quarta-feira (26) que não dará entrevistas coletivas em Roland Garros neste ano. Para ela, esses eventos sobrecarregam a saúde mental dos jogadores.

Atletas podem ser multados em até US$ 20 mil (R$ 105 mil) por não comparecer a uma entrevista coletiva em Slams. A japonesa disse que está ciente da multa e espera que os valores desembolsados por ela sejam destinados para uma instituição de caridade voltada a questões de saúde mental.

“Sempre achei que as pessoas não se importam com a saúde mental dos atletas, e isso parece verdadeiro sempre que vejo uma coletiva de imprensa ou participo de uma", escreveu em um comunicado. "Frequentemente, sentamos lá e recebemos perguntas que já foram feitas várias vezes antes ou perguntas que trazem dúvidas em nossas mentes, e eu não vou me sujeitar a pessoas que duvidem de mim."

Osaka ainda comparou a situação de responder a perguntas após derrotas a chutar uma pessoa enquanto ela está caída.

A atual número 2 do mundo afirmou que a decisão não se deve a sentimentos pessoais contra o torneio e acrescentou que tem um relacionamento amigável com muitos dos jornalistas que acompanham o circuito. "No entanto, se as organizações pensam que podem simplesmente continuar dizendo, 'dê a entrevista ou você será multada', e continuar a ignorar a saúde mental dos atletas, então só tenho que rir."

A psicóloga esportiva Daria Abramowicz, que trabalha com a atual vencedora de Roland Garros, Iga Swiatek, e viaja com a equipe da tenista polonesa, disse que aprecia a preocupação de Osaka em enfrentar questões após uma derrota.

"Eu entendo perfeitamente a decisão. O tênis é um esporte tão específico, porque no final do torneio apenas uma pessoa não perde", declarou ela à Reuters nesta quinta-feira. "É emocionalmente difícil lidar com isso, é um dos desafios que o tênis traz. Às vezes, é opressor."

Nesta semana, o site de negócios esportivos Sportico relatou que Osaka ganhou US$ 55,2 milhões nos últimos 12 meses (entre premiações e contratos), um recorde para uma atleta de qualquer esporte. No ano passado, ela também se notabilizou ao usar seu alcance esportivo para destacar questões sobre violência policial e desigualdade racial.

O Grand Slam no saibro, que vai de 30 de maio a 13 de junho, nunca foi um torneio favorável para a japonesa, que abriu mão de jogar em Paris em 2020 logo após vencer o US Open. Ela não passou da terceira rodada em suas quatro participações.

A Federação Internacional de Tênis e a WTA (Associação do Tênis Feminino) não responderam aos pedidos de comentários. A Federação Francesa de Tênis, que organiza Roland Garros, disse à Reuters que não faria "nenhum comentário por enquanto".

Naomi Osaka, de casaco e viseira, olha para cima
Naomi Osaka no Australian Open deste ano, torneio que venceu pela segunda vez na carreira - Kelly Defina - 20.fev.21/Reuters

"Como patrocinador, respeitamos os sentimentos e a vontade dos atletas", afirmou a empresa Nissin, um dos principais patrocinadores de Osaka, em um comunicado enviado à Reuters. "No entanto, não estamos em posição de comentar sobre suas opiniões e ações individuais, portanto, nos absteremos de fazê-lo."

Uma porta-voz da fabricante japonesa de automóveis Nissan disse que não tinha comentários, enquanto um porta-voz da All Nippon Airways se recusou a comentar. Os outros patrocinadores de Osaka não responderam aos pedidos de comentários.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.