Descrição de chapéu Tóquio 2020

Pfizer doará vacinas contra Covid a participantes dos Jogos de Tóquio

Acordo anunciado pelo COI se soma ao feito com a China e que terá impacto no Brasil

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O COI (Comitê Olímpico Internacional) anunciou nesta quinta-feira (6) que receberá doações de vacinas produzidas pela Pfizer/BioNTech destinadas aos participantes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio-2020.

O megaevento foi adiado de 2020 para este ano e tem sua cerimônia de abertura marcada para 23 de julho.

De acordo com o comunicado divulgado pelo COI, os comitês olímpicos nacionais trabalharão com seus governos locais para coordenar a distribuição conforme as diretrizes de vacinação de cada país.

"É importante observar que quaisquer doses adicionais fornecidas pela Pfizer e BioNTech não serão retiradas dos programas existentes, mas serão adicionadas às cotas existentes e entregas planejadas em todo o mundo", segundo o comunicado do COI. Não foi informado o número total de doses.

O presidente da entidade, Thomas Bach, afirmou que a doação é outra ferramenta para ajudar a tornar os Jogos seguros e protegidos e para mostrar solidariedade aos anfitriões japoneses.

“Estamos convidando os atletas e as delegações participantes a dar o exemplo e aceitar a vacina onde e quando possível. Ao tomar a vacina, eles podem enviar uma mensagem poderosa de que a vacinação não é apenas uma questão de saúde pessoal, mas também de solidariedade e consideração pelo bem-estar de outras pessoas em suas comunidades", disse.

Thomas Bach, presidente do COI, em visita ao Estádio Olímpico de Tóquio
Thomas Bach, presidente do COI, em visita ao Estádio Olímpico de Tóquio - Behrouz Mehri - 17.nov.20/Reuters

Em paralelo a esse acordo, o COI já tem acertadas doações de vacinas da chinesa Sinovac, via Comitê Olímpico da China, com impacto direto para os atletas do Brasil e demais credenciados do país.

Reunião na semana passada entre membros do COB (Comitê Olímpico do Brasil) e dos ministérios da Saúde e da Defesa definiu que cerca de 1.400 possíveis participantes deverão fazer parte do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO).

Como contrapartida ao SUS, para cada integrante do grupo que vai aos Jogos, dois outros brasileiros na fila também serão imunizados, totalizando 5.600 doses extras doadas para 2.800 pessoas.

O acordo ainda deverá ser oficializado em nota técnica pelo governo federal, e o COB espera que a vacinação seja iniciada na próxima semana.

A China se prepara para sediar os Jogos de Inverno, em fevereiro de 2022, e havia anunciado em março que se dispunha a auxiliar na imunização dos participantes tanto de Tóquio quanto de Pequim.

Como muitos países não têm liberação de uso da Coronavac, imunizante da Sinovac, as doações da Pfizer ajudarão a aumentar o contingente de participantes vacinados.

Não está claro se o Brasil poderá receber também essas doses. O Ministério da Saúde, assim como o Reino Unido, adotou o intervalo de 12 semanas entre a aplicação da primeira e da segunda, o que poderia inviabilizar o uso delas pelos atletas. A recomendação da fabricante é de 21 dias.

Os organizadores de Tóquio-2020 já disseram que não será obrigatório estar vacinado para participar dos Jogos, mas incentivam e ajudarão para que o maior número de pessoas esteja, diminuindo assim os riscos de surtos durante a sua realização. São esperados cerca de 11 mil atletas no megaevento.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.