São Paulo volta à final do Paulista em busca de encerrar jejum de 9 anos sem títulos

Time tricolor terá raro duelo contra o Palmeiras na decisão do Estadual

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O São Paulo avançou neste domingo (16) à final do Campeonato Paulista e terá, mais uma vez, a chance de encerrar o jejum de títulos que, nesta temporada, completa nove anos. Dono da melhor campanha do torneio, a equipe do Morumbi passou pelo Mirassol na semifinal, com goleada por 4 a 0, em casa.

Na final, o time tricolor terá um raro duelo contra o Palmeiras em decisão por mata-mata. Em toda história do Campeonato Paulista, os dois clubes disputaram apenas uma vez a final do torneio –sem contar confrontos em campeonatos de pontos corridos que acabaram valendo o título.

Na outra vez em que disputaram a final, em 1992, os são-paulinos ficaram com o troféu.

Jogadores do São Paulo comemoram gol contra o Mirassol
Jogadores do São Paulo comemoram gol contra o Mirassol - Alexandre Battibugli/Paulistão

Naquele ano, o São Paulo teve uma das temporadas mais vitoriosas de sua trajetória, com a conquista do Estadual, da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes.

Era um momento bem diferente do atual, em que o time não levanta um troféu desde 2012, quando venceu a Copa Sul-Americana, ao derrotar o Tigre (ARG). Já o último título estadual veio em 2005, curiosamente num ano em que o clube também ganhou o continental e o interclubes.

Diferentemente das quartas de final e da semifinal, a decisão do Paulista será em jogos de ida e volta. Por ter somado mais pontos até aqui (33 contra 27 dos palmeirenses), a equipe dirigida pelo argentino Crespo jogará o segundo duelo como mandante. As datas e horários das partidas ainda precisam ser confirmados pela FPF (Federação Paulista de Futebol).

Apesar de o favoritismo, em geral, ser dividido em clássicos, a decisão vai opor times que deram atenções diferentes ao torneio.

Pressionado pelo jejum, o São Paulo usou, na maioria das vezes, força máxima no Paulista mesmo tendo em paralelo a disputa da Copa Libertadores.

Ainda assim, manteve um bom desempenho nos dois campeonatos. Além de liderar o Grupo E do torneio continental, empatado com o Racing (ARG), com oito pontos, foi o time que mais venceu no Paulista, com dez vitórias em 14 jogos, além de três empates e uma derrota.

Diante do Mirassol, depois que abriu o placar com Arboleda, aos 44 minutos da etapa inicial, voltou mais confiante para o segundo tempo e ampliou o placar duas vezes em 11 minutos. Primeiro, Pablo tentou fazer o gol com uma cavadinha, a bola desviou no zagueiro Danilo Boza e entrou, aos 4 minutos. Depois, Gabriel Sara fez de cabeça após escanteio cobrado por Benítez.

Com os visitantes, praticamente, entregues, Luciano foi quem fechou o placar, aos 28 minutos.

O Palmeiras, por sua vez, priorizou a Libertadores até as quartas de final, quando o time alviverde passou pelo Red Bull Bragantino. Nesse período, o técnico Abel Ferreira usou escalações alternativas na maior parte da competição.

Neste domingo (16), porém, ele escalou força máxima e a equipe dele venceu o Corinthians, por 2 a 0, em Itaquera, resultado que além de eliminar o rival ainda provocou a demissão do técnico Vagner Mancini.

A diretoria o dispensou pressionada pela sequência de eliminações recentes. Além do Estadual, o time deu adeus à Copa Sul-Americana na quinta-feira (13), quando foi goleada pelo Peñarol (URU), por 4 a 0, a duas rodadas do fim da fase de grupos.

Campeão em 2020, numa decisão com o próprio Corinthians, o Palmeiras buscará o bicampeonato. Ao todo, o time alviverde tem 23 títulos estaduais e é o segundo com mais troféus, atrás dos corintianos, que somam 30. O Santos é o terceiro, com 22, seguido do São Paulo, com 21.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.