Técnica de futsal do Taboão vence prêmio de melhor do mundo

Cris Souza supera concorrência de homens e conquista premiação internacional

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Por algumas vezes, Cris Souza, 41, já foi inquirida sobre a situação do time de futebol feminino do Taboão da Serra no Campeonato Paulista. Em 2020, a equipe da Grande São Paulo sofreu derrotas extremas, como a de 29 a 0 para o São Paulo e 14 a 0 para a Ferroviária, de Araraquara.

A paulista, eleita a melhor técnica do mundo de futsal feminino em janeiro deste ano, sempre precisa explicar que suas atletas não jogam na grama, mas sim no futsal do Taboão/Magnus –os dois times são administrados por pessoas diferentes.

Na premiação da revista Futsal Planet Awards, chancelada pela Fifa, ela concorreu com técnicos de diversas nacionalidades, como os espanhóis Julio Delgado González e Andrés Sanz, o italiano Massimiliano Neri e o seu compatriota, Anderson Machado, o Esquerda, da equipe Leoas da Serra (SC). Superou todos eles.

Cris Souza, técnica do Taboão da Serra, orienta jogadoras na quadra
Cris Souza, técnica do Taboão da Serra, orienta jogadoras na quadra - Julia Passero/Taboão da Serra/Divulgação

Ela e a iraniana Atefeh Rezaei foram as únicas mulheres entre os dez indicados ao prêmio. Graduada em educação física pela UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), em 2003, e com mestrado em fisiologia, Cris voltou para Taboão da Serra, sua cidade natal, como professora de escolinhas de esporte, em 2007.

Dois anos depois, implantou um projeto social com aulas da modalidade para adolescentes e montou o primeiro time que passou a representar o município em competições regionais. Sua paixão pelo esporte vem desde a infância.

“Aprendi a jogar na rua e com os meninos. Fui atleta amadora no futsal, mas sofria com muitas lesões nos dois joelhos. O meu foco, então, foi o de prestar vestibular para educação física na UFSCar”, conta a treinadora.

Com a evolução do projeto, o time de Taboão da Serra passou a competir em nível estadual. Hoje, com recursos obtidos através da Lei de Incentivo ao Esporte, reúne 300 atletas, 100 delas federadas nas categorias sub-13, sub-15, sub-17 e sub-20. Há jogadoras que recebem ajuda de custo da Prefeitura.

Além disso, Cris batalha por bolsas de estudos –atualmente, 20 atletas contam com benefício. O projeto conta com o apoio do Instituto Lince, da mesma cidade. A proposta inicial, segundo ela, é garantir o desenvolvimento social, independentemente do mérito esportivo.

“Foi um começo com dificuldades, de uniforme, de local para treinar. Teve dia em que não tínhamos quadra disponível. Já improvisamos treino em estacionamento no ginásio”, afirma.

A equipe é a atual bicampeã da Copa do Brasil –derrotou na decisão do título a Associação Desportiva de Futsal do Distrito Federal (Adef) em dezembro do ano passado e, em 2019, venceu o Leoas da Serra. O time da cidade de Lages, no interior de Santa Catarina, é conduzido em quadra pela talentosa Amandinha, vencedora do prêmio de melhor jogadora do mundo consecutivas vezes desde 2014.

Cris Souza, técnica de futsal do Taboão da Serra
Cris Souza, técnica de futsal do Taboão da Serra - Cris Souza/Facebook

Leoas e Taboão começaram a escrever uma história de rivalidade e se tornaram referências da modalidade. O encontro entre os times ganhou a alcunha de Clássico da Serra.

Neste sábado (15), o Taboão venceu as Leoas por 3 a 2, conquistou a Supercopa de futsal. Com isso, o time garantiu vaga inédita na Libertadores que será realizada em setembro, na Bolívia, pela Conmebol.

“Em 2009 sonhávamos em ganhar os Jogos Regionais, hoje somos os melhores representantes do estado e com foco em títulos nacionais. Fico muito feliz com essa mudança de patamar”, diz a treinadora paulista.

Referência no futsal, o Brasil tem sido presença constante na premiação entre os jogadores, mas é a primeira vez que uma treinadora é eleita. Na edição deste ano, Ricardinho, do time masculino do Magnus, de Sorocaba, ficou em segundo lugar, atrás de Andreu Plaza Alvares, do Barcelona (ESP).

“Vejo tudo com responsabilidade de incentivar outras mulheres a se prepararem para ocupar espaços. Queremos vê-las na fisioterapia, no departamento médico dos times, também”, falou Cris, que diz ter ficado emocionada ao receber a notícia da sua escolha. “Eu já havia sido indicada em 2019, mas na categoria geral, que inclui os times masculinos.”

A Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) pretende explorar a conquista de Cris para difundir a categoria feminina em um país que é tido como potência no masculino. Neste mês de maio, a confederação lançou a primeira edição do NFFB, o Novo Futsal Feminino Brasil, competição que vai até dezembro.

São 12 times em disputas, o Distrito Federal, Associação Desportiva de Telêmaco Borba (PR), Barateiro (SC), Barcelona (SE), Cascavel (PR), Cianorte (PR), Female (SC), Leoas da Serra (SC), Londrina (PR), São José (SP), Stein Cascavel (PR), Sumov (CE) e Taboão.

Quatro são treinados por mulheres: Barateiro (Rafaela Nicoletti), Distrito Federal (Isabela Brazil), Londrina (Jayne Maria Borim), além do Taboão, da Cris.

“A conquista da Cris traz crescimento não só para o futsal, mas para toda a mulher no esporte. Mostra que temos espaços. Hoje é difícil encontrar uma mulher na gestão e no comando do time”, afirma Tatiana Weysfield, diretora do departamento feminino na CBFS.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.