São Paulo x Palmeiras pela Libertadores opõe freguesia e recorde

Atual campeão está há 14 jogos sem perder fora de casa, mas nunca passou pelo rival no torneio

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Josué Seixas
Maceió

Finalistas do último Campeonato Paulista, São Paulo e Palmeiras renovam sua rivalidade a partir desta terça-feira (10), em um confronto internacional. As equipes se encontram às 21h30, no Morumbi, no jogo de ida das quartas de final da Copa Libertadores —SBT e Fox Sports transmitem—, e cada lado tem motivos para alimentar o próprio otimismo.

O time alviverde é o atual campeão da Libertadores e acumula 14 jogos de invencibilidade longe de casa na competição, uma marca que jamais havia sido alcançada por qualquer clube. Na edição deste ano, entre partidas dentro e fora do Allianz Parque, são sete vitórias e apenas uma derrota, com 22 gols marcados e 7 sofridos.

O adversário da vez, porém, tem lhe criado problemas. O São Paulo venceu o duelo recente pelo título estadual e também tem ampla vantagem nos embates históricos no principal torneio sul-americano: eliminou o Palmeiras nos mata-matas em 1994, 2005 e 2006, sem perder nenhum jogo nos confrontos.

Em 1994, os dois times eram muito fortes. O clube alviverde fora campeão paulista, do Rio-São Paulo e do Brasileiro em 1993. O tricolor ganhara pelos segundo ano seguido a própria Libertadores e tentava o tri. O primeiro jogo das oitavas de final terminou sem gols, com boas defesas do são-paulino Zetti. No segundo, Euller balançou a rede duas vezes e definiu o placar de 2 a 1 —Evair descontou.

Onze anos depois, em novo encontro pelas oitavas do torneio continental, o São Paulo ganhou os dois jogos: 1 a 0 no antigo Palestra Itália, com gol de Cicinho, e 2 a 0 no Morumbi, com gols de Cicinho e Rogério Ceni. A campanha terminou em título e em classificação para o Mundial de 2005, vencido no Japão.

Em 2006, o Choque-Rei, como é chamado o clássico, ocorreu mais uma vez nas oitavas. Houve equilíbrio na partida de ida, 1 a 1, e o placar estava perto de se repetir na de volta. Um pênalti no final do confronto, porém, foi convertido por Ceni, que castigou os palmeirenses mais uma vez.

Jogadores disputam bola
Última partida entre São Paulo e Palmeiras, pelo Campeonato Brasileiro, terminou empatada - Rubens Chiri - 31.jul.21/saopaulofc.net

Em 2021, o encontro será nas quartas. Desta vez, é o Palmeiras que entra em campo defendendo o título. E chega com a consistência de um time que briga pela liderança do Campeonato Brasileiro: com 71% de aproveitamento, está na segunda posição. O São Paulo, com 33%, está em 16º lugar, apenas um ponto à frente da zona de rebaixamento.

Os treinadores sabem, porém, que a classificação do Nacional não importa muito neste momento. Hernán Crespo ainda não foi derrotado pelo Palmeiras —são duas vitórias e dois empates—, e Abel Ferreira nunca ganhou o confronto. A última vitória da equipe alviverde sobre o rival foi sob comando de Mano Menezes, ainda em 2019, quando o técnico são-paulino era Fernando Diniz. Desde então, são quatro empates e três vitórias do clube do Morumbi.

No período olímpico, os dois times viveram momentos distintos. O São Paulo balançou no Campeonato Brasileiro e até sofreu uma goleada para o Flamengo, por 5 a 1, mas saiu da zona de rebaixamento na última rodada ao vencer o Athletico. O time garantiu a vaga nas quartas de final da Libertadores e também avançou às quartas de final da Copa do Brasil.

O Palmeiras jogou menos durante as Olimpíadas de Tóquio. Teve mais tempo para treinar, mas vem de derrota para o Fortaleza, na qual perdeu também a liderança do Nacional.

Mas o que importa agora é começar bem o confronto internacional e dar um passo importante na briga para alcançar as semifinais. A partida de volta ocorrerá na próxima semana, no dia 17, também às 21h30, no Allianz Parque.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.