Descrição de chapéu tênis

Bia Haddad alcança inédita semifinal nas duplas no Australian Open

Com mais uma virada, tenista é a 1ª brasileira nessa fase do torneio na era profissional

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A tenista Beatriz Haddad Maia, 25, está nas semifinais da chave de duplas do Australian Open. Nesta terça-feira (25), ela e a parceira cazaque Anna Danilina, 26, venceram, de virada, a sueca Rebecca Peterson e a russa Anastasia Potapova por 2 sets a 1, com parciais de 4/6, 7/5 e 6/3.

A paulista é a primeira brasileira a chegar às semifinais na Austrália na era profissional do esporte, que começou em 1968. Ela também obteve o melhor resultado do tênis feminino do Brasil no torneio desde a semifinal de Maria Esther Bueno em 1965. A lendária vencedora de 19 títulos de Grand Slam conquistou um troféu de duplas do Australian Open, em 1960.

O resultado de Bia reforça um ótimo momento das tenistas do país. Em setembro de 2021, Luisa Stefani, 24, chegou às semifinais do US Open e quebrou uma marca de 53 anos sem que uma brasileira alcançasse essa fase na chave de duplas femininas de um Grand Slam. Antes, Luisa e Laura Pigossi, 27, conquistaram a primeira medalha olímpica do país no esporte, com o bronze nos Jogos de Tóquio.

Bia Haddad se prepara para rebater uma bola de backhand
Bia Haddad em ação na chave de simples do Australian Open 2022, em que alcançou a segunda rodada - Morgan Sette - 20.jan.22/Reuters

Essa foi a quarta vitória de Bia e Danilina no Australian Open e a terceira de virada após revés no primeiro set. Nas semifinais, ainda sem data definida, elas terão seu maior desafio até aqui, diante das japonesas Shuko Aoyama e Ena Shibahara. As cabeças de chave número 2 venceram a croata Petra Martic e a norte-americana Shelby Rogers nas quartas.

Apesar do favoritismo das rivais, Bia e Danilina as superaram há cerca de duas semanas, nas semifinais do torneio WTA 500 de Sydney. Na sequência, a parceria da brasileira e da cazaque, formada apenas neste início de 2022, conquistou o título. Agora já são oito triunfos em sequência para elas.

"Não foi fácil para se sentir e jogar 100% bem. Sei que não jogamos o nosso melhor tênis, mas tentamos lutar e subir o nosso nível. Sabíamos que no tênis as coisas mudam muito rápido", disse Bia na entrevista após o jogo, realizado sob forte calor em Melbourne.​ "É uma loucura pensar em quantas partidas nós estivemos em situações difíceis."

Diferentemente de Luisa Stefani, que se especializou como duplista nos últimos anos e atingiu o top 10 do ranking (atualmente é a 11ª e está lesionada), Bia Haddad sempre priorizou os torneios de simples. Ainda assim, ela já conquistou três títulos de duplas no principal nível do circuito.

A canhota entrou no torneio como 150ª colocada do ranking de duplas —saltará pelo menos 80 posições com o resultado até aqui— e 83ª na lista de simples. Ela fez uma ótima temporada de recuperação em 2021 e voltou ao top 100 após recomeçar praticamente do zero no circuito.

Em julho de 2019, a tenista foi suspensa por doping. A pena acabou fixada em dez meses, após a defesa ter conseguido provar que as substâncias anabólicas encontradas no exame entraram em seu organismo por meio de suplementos alimentares contaminados.

Bia estaria liberada para jogar em maio de 2020, mas o circuito só foi retomado em agosto daquele ano, por causa da pandemia. Devido aos pontos perdidos nesse período, ela retomou a carreira a partir da 1.342ª posição, disputando uma série de torneios pequenos pelo mundo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.